Imprimir
PDF

Resumos de Dissertações

 AUTOR (ª): Isolda Maria Barros Torquato

 TÍTULO: O Impacto das Ações Básicas de Saúde na Prática do Aleitamento Materno

 ORIENTADOR (ª): Roberto Teixeira de Lima

 DATA: 25/04/2008

 RESUMO: 

 Objetivo: Investigar o conhecimento materno sobre as práticas da amamentação e caracterizar o tipo de aleitamento materno fornecido às crianças no primeiro ano de vida relacionando-o aos possíveis fatores responsáveis pelo desmame.

 Método: Estudo epidemiológico, quanti-qualitativo, transversal, realizado de Novembro de 2006 a Abril de 2007, com 250 mães de crianças até os 12 meses de idade, cadastradas nas Unidades Básicas de Saúde da cidade de João Pessoa-PB, Brasil, as quais foram submetidas a uma entrevista que contemplou as variáveis biosociodemográficas e assistenciais relacionadas a díade. Os indicadores sobre práticas de alimentação infantil foram obtidos a partir da técnica do recordatório do consumo alimentar de 24hs. Para a elaboração do banco de dados e das análises estatísticas, utilizou-se o programa Statistical Package for the Social Sciences versão 11 e o teste estatístico qui-quadrado com nível de significância de 5%. Calculou-se, ainda, a Odds ratio e a razão de prevalência para cada variável estudada, com intervalo de confiança de 95%. Já a análise de conteúdo textual fez-se por meio do software Alceste, mediante Análise Hierárquica Descendente.

Resultados: 77,2% das mulheres eram maiores de 20 anos, 83,2% casadas, 50,4% multíparas e 94,8% tinham educação básica. Os dados obtidos emergiram representações em dois pólos antagônicos sobre questões referentes ao conhecimento materno a respeito do benefício da amamentação para a saúde materno-infantil, sobre o momento ideal para se iniciar o aleitamento materno, motivos alegados para a interrupção desta prática e aspectos referentes ao estímulo da lactação, as quais demonstraram deficiência de conhecimento a respeito de conceitos básicos sobre a amamentação. Observou-se que 71,6% das crianças estavam em amamentação, sendo 42% complementada. 59,6% (149) encontravam-se na faixa etária de zero aos seis meses e apenas 24,2% (36) mantinham o aleitamento exclusivo enquanto 18,8% (28) encontravam-se totalmente desmamadas (p<0,001). Constatou-se, também, que a utilização de dispositivos de borracha, como a chupeta e mamadeira, demonstraram influência significativa no desmame (p<0,001).

 Conclusão: Salienta-se a necessidade de uma intervenção multidisciplinar para o direcionamento das ações de promoção e apoio à amamentação, especificamente a respeito da conscientização da mulher sobre a importância deste alimento na saúde infantil. Além disso, percebe-se que a duração da amamentação, principalmente a exclusiva, encontra-se aquém do que é recomendado pela Organização Mundial de Saúde, evidenciando a necessidade de implementar estratégias que estimulem esta prática, buscando coibir, por meio de orientações maternas, os possíveis fatores de risco para o desmame.  

 

 AUTOR (ª): Joanna Filomena Magalhães Leite

 TÍTULO: Estudo da Qualidade Nutricional e da Atividade Antibacteriana das Folhas do Bredo (Talinum fruticosum)

 ORIENTADOR (ª): José Pinto de Siqueira Júnior

 DATA: 25/04/2008

 RESUMO: O Talinum fruticosum (L.) Juss é um vegetal não-convencional da família Portulacaceae, uma erva anual de folha suculenta conhecida popularmente na Paraíba como bredo e comumente consumido na Semana Santa.  Os vegetais fornecem nutrientes essenciais ao organismo, porém, a biodisponibilidade pode estar comprometida pela presença de fatores antinutricionais como lectinas e taninos. As diferentes formas de preparações desse alimento podem influenciar na sua composição nutricional e nas concentrações dos fatores antinutricionais. Este estudo tem como objetivo analisar a qualidade nutricional bem como obter dados preliminares sobre aspectos microbiológicos do extrato das folhas do vegetal não-convencional bredo. Foram analisados extratos das folhas do bredo quanto a sua atividade antibacteriana e moduladora de resistência a droga, sob três distintas linhagens de Staphylococcus aureus resistentes a norfloxacina, eritromicina e tetraciclina. As folhas cruas e submetidas a tratamentos térmicos como branqueamento e cozimento foram investigadas quanto à composição centesimal e presença de fatores antinutricionais como lectinas e tanino. Os extratos etanólicos não apresentaram atividade antibacteriana, porém, o extrato etanólico bruto e as fases hexânica e acetato de etila mostraram-se eficientes como moduladores da resistência principalmente para linhagens de Staphylococcus aureus resistentes a eritromicina. As folhas do vegetal mostraram-se fontes de fibras e minerais. Os processamentos térmicos não foram capazes de alterar significativamente os teores de carboidratos e lipídeos. O fator antinutricional lectina, foi inativado com o calor (70°C), porém o teor de tanino não foi reduzido a níveis negligenciáveis mesmo após cozimento das folhas por 10 minutos. Conclui-se que o bredo pode ser utilizado como fonte de nutrientes contribuindo para alcance das necessidades nutricionais do indivíduo uma vez que o fator antinutricional (lectina) foi inativado após aumento da temperatura. Porém a não redução dos níveis de tanino leva-nos a sugerir a realização de testes toxicológicos para investigação da quantidade do vegetal que pode ser ingerida sem causar danos ao organismo.

 

 AUTOR (ª): Nilcimelly Rodrigues Donato

 TÍTULO: Efeito da Espirulina (Spirulina plantesis) na Recuperação do Estado Nutricional de Ratos

 ORIENTADOR (ª): João Andrade da Silva

 DATA: 28/04/2008

 RESUMO: Pesquisa para avaliar a ação da Spirulina platensis como fonte protéica na recuperação do estado nutricional de ratos machos adultos Wistar. A Spirulina platensis é uma cianobactéria de rápida reprodução e elevado teor protéico. Foram estudados 48 animais, divididos em quatro grupos, de acordo com a dieta: controle caseína (CC) e controle espirulina (CE), que receberam dieta equilibrada durante todo o experimento; recuperado caseína (RC) e recuperado espirulina (RE), que consumiram dieta com restrição protéica durante 60 dias e, a seguir, dieta equilibrada à base de caseína e espirulina, respectivamente, por 90 dias.Foi verificada a composição centesimal e microbiológica da Spirulina platensis, avaliado o ganho em peso dos animais e, após o sacrifício, procedeu-se à determinação do peso do fígado, histopatologia do fígado, gordura corporal e os constituintes sanguíneos: proteínas totais, albuminas, globulinas, colesterol total,colesterol HDL, colesterol LDL e triglicerídios. A espirulina utilizada contém 59,65% de proteína, 3,72% de lipídios e 11,72% de carboidrato e não estava contaminada por microrganismos. Não houve diferenças, entre os quatros grupos, quanto à gordura corporal e constituintes protéicos séricos. Em relação ao ganho de peso não foi constatada diferença entre os grupos CC e CE durante todo o experimento, o que não ocorreu com os RC e RE, que foram diferentes nas semanas números 1, 5, 6, 7, e 10 a 18. O peso relativo do fígado diminuiu nos animais com restrição protéica, principalmente no grupo RC, a histopatologia não apresentou alterações. Os constituintes protéicos permaneceram iguais, enquanto os lipídios tiveram valores diminuídos. Conclui-se que o uso da Spirulina platensis na recuperação de ratos com dieta de restrição protéica reduz a dislipidemia, mas aumenta o peso do fígado.

 

 AUTOR (ª): Ana Cláudia Dias de Fontes

 TÍTULO: Excesso de Peso e Sedentarismo em Discente de Graduação da universidade Federal da Paraíba

 ORIENTADOR (ª): Rodrigo Pinheiro de Toledo Vianna

 DATA: 28/04/2008

 RESUMO: O sobrepeso e a obesidade têm acometido pessoas sem distinção de sexo, raça e nível social. Suas prevalências têm crescido em diversas partes do mundo e representam uma questões de saúde pública. Ser sobrepeso ou ser obeso representa risco para o desenvolvimento de várias doenças em pessoas de todas as faixas etárias. Esta pesquisa visa investigar a prevalência de sobrepeso e obesidade entre discentes de graduação de uma universidade pública localizada no município de João Pessoa, bem como os fatores de riscos associados a esses eventos. Estudo seccional representativo de uma população de universitários. A amostra foi determinada por amostragem probabilística estratificada por Centro, com partilha proporcional em função do ano de ingresso e do turno. Realizaram-se medidas antropométricas (peso e estatura) para o cálculo do índice de massa corporal (IMC). Os padrões de sobrepeso e a obesidade foram definidos de acordo com o Consenso de Obesidade (COUTINHO,1998). Para averiguar o nível de atividade física foi utilizada a versão longa do Questionário Internacional de Atividade Física-IPAQ e os discentes foram classificados em sedentários, moderadamente ativos e ativos. Foi observado entre os discentes que participaram do estudo que 15,3% encontraram-se com sobrepeso e 5,7% com obesidade. Considerando-se o ano de ingresso dos universitários a prevalência de excesso de peso teve aumento significativo. Os fatores de risco para o sobrepeso e a obesidade identificados envolveram: sexo, idade, alimentação adequada, dieta, local do almoço, freqüência com que dorme bem, estado de saúde e ter filhos. A ocorrência de sobrepeso e obesidade tende a aumentar ao longo dos anos de graduação. Com relação ao nível de atividade física foi encontrado 31,2% de sedentarismo e os seguinte fatores de risco relacionados: estudar à noite, ter renda familiar entre 5 e 10 salários mínimos, morar com os pais ou cônjuge, pertencer à classe social “A” e passar menos tempo na universidade. Os discentes ingressados em 2003 foram mais sedentários e apresentaram maior redução das atividades moderadas e vigorosas. Também foi verificada uma diminuição do gasto de energia em todos os domínios de atividade física, entre os estudantes ingressados nos anos de 2004 e 2003. Os achados indicam a necessidade de apoiar e orientar os discentes para a prática de um estilo de vida saudável.

 

 AUTOR (ª): Vanille Valério Barbosa Pessoa

 TÍTULO: Percepção dos Portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica, Acompanhados pelo Programa de Saúde a Família de Camboinha, sobre as Recomendações não Medicamentosas. Cabedelo, Paraíba – Brasil

 ORIENTADOR (ª): Alice Teles de Carvalho

 DATA: 29/04/2008

 RESUMO: A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) se constitui em um dos mais importantes fatores de risco para a ocorrência das doenças do sistema cardiovascular, grupo de causas responsável pelo maior número de óbitos na população total. Os serviços de saúde devem estar preparados para atender a essa nova demanda com políticas de prevenção e controle, implementando modelos de atenção à saúde que incorporem estratégias com o objetivo de melhorar a qualidade da atenção e alcançar o controle adequado dos níveis de pressão arterial. Este estudo objetivou realizar uma análise da percepção dos portadores de hipertensão arterial sistêmica, acompanhados pelo Programa de Saúde da Família de Camboinha, sobre as recomendações não medicamentosas para controle desta condição. Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo, do tipo transversal, com abordagem qualitativa, utilizando a técnica de grupo focal. Os resultados demonstraram presença de sobrepeso e obesidade em aproximadamente 79% dos participantes. A análise da percepção a respeito do fracionamento da dieta demonstrou pouca clareza sobre os benefícios desta conduta para o controle da pressão arterial. O estudo revelou que, apesar de não consensual, a influência do consumo adequado de água para controle dos níveis tensionais foi referida pelo grupo. Os participantes reconhecem a importância de controlar o consumo de sal e destacam a falta de apoio familiar como principal dificultador para incorporação desta recomendação. A atividade física foi percebida pelo grupo como benéfica no controle dos níveis tensionais, no entanto não como fator contribuinte para o controle do peso. Observou-se que 81,2% dos 53 participantes do estudo apresentavam pressão arterial não controlada. Os hábitos de fumar e ingerir bebidas alcoólicas foram mencionados como prejudiciais para a pressão arterial; no entanto, também esteve presente a idéia de que o fumo não exerceria influência negativa nos níveis tensionais. Para a ingestão de bebidas alcoólicas prevaleceu a idéia de que o consumo deve ser limitado. Os resultados evidenciam que no grupo existem diferentes percepções acerca das recomendações não medicamentosas estudadas. Enquanto parte deste reflete clareza da importância da incorporação destas recomendações, outra parcela parece não reconhecer a sua relação com o controle da doença. Esta questão traz à tona a necessidade de implementação da prática do acompanhamento e avaliação direcionada às ações desenvolvidas no programa de controle a hipertensão arterial sistêmica, objeto deste estudo, como estratégia de identificação e minimização das fragilidades encontradas. O desafio é desenvolver abordagens que estimulem hábitos e estilos de vida mais saudáveis que reduzirão o risco de exposição à doença e trará benefícios individuais e coletivos para a prevenção da HAS, bem como a redução da incidência e prevalência de doenças cardiovasculares em geral.

 

 AUTOR (ª): Rafaela Lira Formiga Cavalcanti de Lima

 TÍTULO: Impacto do Consumo de Alimentos com Funções Antioxidantes nas Concentrações Plasmáticas de Proteína C-Reativa em Mulheres Submetidas a Cirurgias Estéticas de Abdome

 ORIENTADOR (ª): Maria José de Carvalho Costa

 DATA: 30/04/2008

 RESUMO: A adoção de novos hábitos alimentares, com destaque para o aumento no consumo de frutas e vegetais tem apresentado inúmeros benefícios à saúde e estes têm sido apresentados em diversos estudos na literatura científica. O efeito do consumo de alimentação rica em vegetais e frutas também tem sido relacionado dentre outros a uma melhor resposta inflamatória.  Este estudo foi realizado com o objetivo de avaliar o papel da intervenção nutricional, com aumento do consumo de frutas e vegetais, nos valores plasmáticos de Proteína C-Reativa (PCR) de mulheres submetidas à cirurgia estética de abdome e foi conduzido durante um período de 11 meses com 60 pacientes. Estas foram distribuídas em dois grupos iguais: o primeiro, submetido à intervenção nutricional proposta e o segundo, utilizado como controle. A intervenção nutricional consistia na orientação verbal e escrita, individual, baseada na avaliação do consumo alimentar juntamente com a recomendação do consumo diário de seis porções de frutas e seis de vegetais. Foram realizadas duas coletas de sangue, uma no terceiro e outra no trigésimo dia após o procedimento cirúrgico, para análise dos valores plasmáticos de PCR ultra-sensível. As características das participantes no início do estudo, segundo o teste T2 de Hotelling, não apresentaram diferenças estatísticas significativas entres os grupos por possuírem vetores de médias iguais para as variáveis: idade, IMC, e todos os parâmetros de consumo alimentar. Estatística do teste T2 = 28,69 com valor p = 0,452. A idade média das participantes era de 41,7 anos, o IMC médio era de 25,8 kg/m2. O consumo médio de frutas do grupo experimental e controle era de 3,71 e 2,90 porções, equivalente a 220 e 170 gramas, respectivamente. Por sua vez, o consumo de vegetais era de 4,17 para o grupo experimental e 2,60 para o grupo controle, equivalente a aproximadamente 250 e 160 gramas. Há evidência estatística de que os valores médios de PCR são diferentes entre os grupos após a intervenção (P < 0,0001). O efeito após a intervenção no trigésimo dia apresentou diferença estatística significativa (P = 0,027), mostrando que a intervenção nutricional produziu valores médios menores de PCR. A partir destes resultados, pode-se sugerir que, em um período de quatro semanas, a intervenção nutricional, com aumento do consumo de frutas e vegetais, reduz as concentrações plasmáticas de PCR em mulheres submetidas à cirurgia estética de abdome, indicando redução dos processos inflamatórios.

 

 AUTOR (ª): Ângela Gadelha Ribeiro

 TÍTULO: Correlação Entre o Numero de Refeições, Ocorrência de Vômitos e Perda de Peso em Pacientes Após a Gastroplastia Anti-Obesidade

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Joel Faintuch

 DATA: 05/05/2008

 RESUMO: A obesidade é responsável por morbidades e mortalidade significativas, apresentando um profundo impacto negativo sobre a qualidade de vida. A obesidade mórbida, ou grave, é caracterizada como multifatorial, de origem genética e metabólica, e definida basicamente pelo índice de massa corporal (IMC) quando encontrados valores iguais ou superiores a 40 kg/m². Portanto, a cirurgia bariátrica tem sido amplamente utilizada no combate à obesidade mórbida. Nesse sentido, a intervenção cirúrgica é considerada o tratamento de maior repercussão nestes pacientes. Este tipo de cirurgia, apesar de invasivo, tem alcançado resultados promissores, e entre os diversos tipos de cirurgia bariátrica, a técnica gastroplastia redutora com bypass gástrico em Y-de-roux (GRBGYR) é a mais utilizada em todo o mundo, sendo considerada como padrão ouro pelos cirurgiões. O objetivo desta pesquisa foi investigar a correlação entre a freqüência de reeições consumidas, ocorrência de vômitos e a perda de peso em pacientes submetidos GRBGYR até 9 meses do pós-operatório. O presente estudo foi realizado em uma amostra de 80 pacientes acompanhadas durante 9 meses a partir de novembro de 2003 a setembro de 2004. O peso, IMC, recordatório alimentar de 24 horas, os medicamentos e os vômitos foram registrados a cada visita ambulatorial, realizada trimestralmente. Os resultados médios do peso corporal e índice de massa corporal no pós-operatório até 3, 6 e 9 meses foram: 113,4 ± 25,4 kg; 99,9 ±19 kg; 88,0 ± 21,6 kg e 45,1 ± 9,7 Kg/m²; 39,9 ± 7,6 Kg/m²; 35,4 ± 8,2 Kg/m² respectivamente. A ingestão calórica nos três momentos acima mencionados foi de 535,6 ± 295,7 Kcal; 677,1 ± 314,7 Kcal; 828,6 ± 398,2 Kcal e o fracionamento da dieta foram de 5,0 ± 2,52 vezes; 4,7 ± 1,8 vezes e 4,9 ± 1,0 vezes, respectivamente. No período pós-operatório até 6 meses, o número de vômitos aumentou em relação ao terceiro e nono mês.Verificou-se uma relação inversa entre a perda de peso e o fracionamento da dieta aos 9 meses de pós-operatório (p=0,001). Em conclusão, observou-se que um maior fracionamento da dieta proporcionou menor perda de peso após 9 meses de gastroplastia em Y-de-Roux, e redução na ocorrência de vômitos após 6 meses. A perda de peso não se correlacionou significativamente com a ocorrência de vômitos 3, 6 e 9 meses após gastroplastia.

 

 AUTOR (ª): José Artur de Paiva Veloso

 TÍTULO: Estado Nutricional, Consumo Alimentar e Qualidade de Vida em Mulheres Climatéricas Portadoras de Fibromialgia

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria Amélia Amado Rivera

 DATA: 07/05/2008

 RESUMO: A Fibromialgia é uma condição dolorosa crônica, caracterizada por dor difusa pelo corpo e pelo achado, no exame físico, de sensibilidade dolorosa aumentada em sítios anatômicos pré-determinados, conhecidos como tender points, atingindo principalmente as mulheres, com maior predominância no período climatérico. Devido à importância de uma dieta equilibrada para a manutenção da saúde e aos estudos existentes com suplementação alimentar na fibromialgia, o presente estudo tem como objetivo avaliar o estado nutricional, o consumo alimentar e a qualidade de vida de mullheres climatéricas portadoras da fibromialgia. Foram selecionadas 40 mulheres com diagnóstico clínico de fibromialgia, na faixa etária de 35 a 75 anos, e 50 mulheres “saudáveis”, na mesma faixa etária. O estado nutricional foi avaliado pelo IMC, medida da circunferência abdominal e relação cintura-altura. O consumo alimentar foi avaliado pelo questionário de freqüência de consumo alimentar (QFCA) e a qualidade de vida foi avaliada pelo Medical Outcome Survey 36 Short Form Study (SF-36).  O peso corporal dos dois grupos teve uma média de 67,80 Kg (DP±13,69) e a média de idade foi de 51 anos (DP±7,92). Não houve diferença estatística entre o IMC médio (t=0,65, p=0,48) e IMC categorizado (t=0,33, p=0,16) entre os dois grupos. Encontrou-se correlação negativa entre IMC e capacidade funcional (t=-0,38; p=0,05) no grupo de mulheres fibromiálgicas, mas não no grupo controle. Ambos os grupos amostrais apresentaram predominância do consumo ideal de macronutrientes. O grupo de estudo e o grupo controle apresentaram, respectivamente, dieta normolipídica em 85% e 68%, normoglicídica em 82,5% e 74% e normoprotéica em 100% e 98%. Alguns micronutrientes eram consumidos abaixo do recomendado em ambos os grupos, com destaque para o cálcio, potássio, ácido oléico, ácido linoléico, ácido fólico, vitamina E, magnésio e zinco. Os escores médios dos oito domínios do SF-36 apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos, sendo o grupo de mulheres fibromiálgicas o detentor dos piores escores - aspecto social (-4,07, p=0,001), dor (t=-6,78, p=0,001), estado geral de saúde (t=-5,48, p=0,001), vitalidade (-6,61, p=0,001), saúde mental (t=-4,75, p=0,001), capacidade funcional (t=-6,27, p=0,001), aspecto emocional (t=-3,92, p=0,001) e aspecto físico (-5,43, p=0,001). Não houve correlação entre os oito domínios do SF-36 com os nutrientes contemplados pelo QFCA (carboidratos, gorduras, proteínas, cálcio, fósforo, ferro, sódio, tiamina, niacina, riboflavina, vitamina A, vitamina C, vitamina B6, vitamina E, carotenóides, potássio, ácido oléico, ácido linoléico, fibras dietéticas, ácido fólico, magnésio, zinco e colesterol). Conclui-se que o IMC produz impacto na capacidade funcional das mulheres fibromiálgicas, mas o consumo alimentar não oferece influência em aspecto algum da qualidade de vida. Porém, vale ressaltar a importância da realização de outros estudos que também aborde a biodisponibilidade dos nutrientes, visto que esta poderia alterar as funções próprias de alguns nutrientes e, conseqüentemente, impedir seus efeitos benéficos na qualidade de vida dessas mulheres. 

 

 AUTOR (ª): João Fernandes de Souza

 TÍTULO: Efeito da Suplementação com Rapadura em Primíparas, no Trabalho de Parto e no Parto

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. João Gonçalves de Medeiros Filho 

 DATA: 09/05/2008 

 RESUMO: O parto se constitui em um fenômeno natural, considerado um acontecimento relevante na vida da mulher. O estudo tem como objetivo geral avaliar o efeito da suplementação com rapadura sobre as condições do trabalho de parto e do parto em primíparas. A pesquisa foi conduzida segundo um delineamento experimental realizada durante os meses de março a junho de 2007 em uma maternidade, localizada no município de João Pessoa, Paraíba – Brasil. Participaram da investigação sessenta parturientes do grupo experimental (GE) e sessenta do grupo controle (GC), com idade entre dezoito e 35 anos. O estudo foi aprovado por um Comitê de Ética e Pesquisa. Para a coleta de dados, foi utilizado um formulário contendo informações pertinentes ao objetivo do trabalho. Os dados obtidos foram analisados quantitativamente por meio de métodos estatísticos. O consumo médio da suplementação com rapadura foi de 137,8 gramas. As medidas de glicemia capilar no início do período expulsivo e na finalização do parto, mostraram diferenças estatisticamente significativas do GE em relação ao GC. O tempo médio de duração do período expulsivo do GC foi de 22,2 minutos, enquanto no GE foi de 8,2 minutos. Pode-se inferir que o aumento da glicemia no grupo experimental, estimulado pela referida suplementação, proporcionou um menor tempo do período expulsivo. Constatou-se também que o valor médio dos índices de Apgar dos recém-nascidos das parturientes que consumiram a suplementação a foi superior ao dos recém-nascidos das mães do GC, sendo mais significativo no primeiro minuto.

 

 AUTOR (ª): Christiane Leite Cavalcanti

 TÍTULO: Impacto de uma Intervenção Nutricional na Saúde de Idosos com Sobrepeso e Obesidade 

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Luiza Sonia Rios Asciutti 

 DATA: 09/05/2008 

 RESUMO: A obesidade representa o problema nutricional de maior ascensão entre a população brasileira, observado nos últimos anos, atingindo todas as faixas etárias, inclusive os idosos. Esse problema nutricional está associado a um maior risco de Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT), distúrbios psicológicos, sociais e aumento do risco de morte prematura. Este estudo teve como objetivo geral avaliar o impacto para a saúde de uma intervenção nutricional em idosos com sobrepeso e obesidade, cadastrados em Centros de Referência e Cidadania, da Prefeitura do Município de João Pessoa, PB. Envolveu 224 idosos, e destes, 117 compuseram a amostra, por se enquadrarem nos critérios de inclusão. Após sorteio aleatório, foram distribuídos em três grupos: Grupo Controle (GC) – composto por 39 idosos que não receberam orientação nutricional nem atividade física; Grupo Dieta (GD) – composto por 39 idosos que receberam orientação nutricional com acompanhamento mensal, tendo cada sessão, duração de, aproximadamente, 45 minutos e Grupo Dieta mais Atividade Física (GDAF) – composto por 39 idosos que receberam orientação nutricional aliada à prática de atividade física, com duas sessões por semana e cada sessão com duração de 45 minutos, durante 12 semanas. Após o período da intervenção nutricional, verificaram-se mudanças estatisticamente significativas nas medidas antropométricas para os grupos GD (-1,4±1,3 kg no peso, - 2,0±1,8 cm na cintura e – 1,8±1,7 cm no quadril (p < 0,001)) e GDAF (-1,7±1,3 kg no peso, - 2,7±2,8 cm na cintura e – 1,7±1,7 cm no quadril (p < 0,001)) e evolução positiva na classificação do Índice de Massa Corporal para os grupos GD e GDAF, não havendo, no entanto, diferenças estatisticamente significativas entre esses dois grupos (p = 0,410), sugerindo um provável efeito da intervenção nutricional isolada. Porém, de modo geral, a intervenção nutricional isolada ou aliada à prática de atividade física, promoveu importantes mudanças na composição corporal de idosos obesos, indicando que esta pode atenuar os efeitos adversos decorrentes da obesidade. 


 AUTOR (ª): Rafaela Beltrão Cambuim 

 TÍTULO: Programa Leite da Paraíba: Relevância e Controle de Qualidade do Benefício 

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rita de Cássia Ramos do Egypto Queiroga 

 DATA: 09/05/2008 

 RESUMO: Para avaliar a relevância do Programa Leite da Paraíba, foi estudado em dois municípios do Estado da Paraíba, o estado nutricional das crianças beneficiadas, envolvendo 203 crianças de seis meses a cinco anos e 11 meses de idade, observando a prevalência da desnutrição. O estudo foi transversal, avaliando antropometricamente, segundo os três índices, Peso/Altura, Altura/Idade e Peso/Idade. Observou-se que no município de Curral de Cima 27,5% e 17,5% das crianças estavam desnutridas, segundo os índices Peso/Idade e Altura/Idade respectivamente, e que 5,9% das crianças estavam com excesso de peso, de acordo com o índice Peso/Altura. No município de Duas Estradas, 20,4% e 13,4% das crianças se apresentaram desnutridas, segundo os indicadores Peso/Idade e Altura/Idade respectivamente, e que 8,1% das crianças estavam com excesso de peso segundo o indicador Peso/Altura. Houve diferença significativa na renda das famílias estudadas (p<0,05) entre os dois municípios estudados. O estado nutricional estava diretamente relacionado à renda e a morbidade referida, tendo a Infecção Respiratória Aguda como a doença prevalente entre as crianças. O leite apresentou a seguinte qualidade físico-química: proteínas (3,12%), gorduras (3,15%), cinzas (0,66%), lactose (4,84%), umidade (88,69%), extrato seco total (11,31%) e extrato seco desengordurado (8,16%). O índice de densidade e o teor de acidez tiveram uma média de 1.032,49 g/cm3 e 0,15%, respectivamente. Nas análises microbiológicas, observou-se ausência de Salmonella spp., e a quantidade de coliformes totais foi inferior a 0,3 NMP/mL. Bactérias mesófilas teve uma oscilação entre 6,0 X 102 e 9,8 X 103 UFC/mL. Outros estudos devem ser realizados para verificar a interferência positiva do Programa Leite da Paraíba no crescimento e desenvolvimento das crianças. Para isto, o monitoramento da qualidade do produto distribuído é uma estratégia importante para garantir a qualidade do benefício e um ótimo suprimento às famílias carentes brasileiras do semi-árido nordestino. 

 

 AUTOR (ª): Alexsandra Araújo dos Santos 

 TÍTULO: Efeitos Agudos da Utilização de Carboidratos (CHO) Sobre o Desempenho Físico em Militares Submetidos aos Testes de Aptidão Física (TAF) 

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria do Socorro Cirilo de Sousa 

 DATA: 30/05/2008 

 RESUMO: Com a finalidade de evitar a hipoglicemia, o comprometimento do processo de contração muscular, ou seja, o estado característico de fadiga, a suplementação com carboidratos é um dos recursos mais procurados na melhoria do condicionamento, devido ao fácil acesso e manipulação, principalmente nas atividades extenuantes e de longa duração.  O objetivo desse estudo é analisar os efeitos agudos da utilização de carboidrato no desempenho físico durante os testes de aptidão física. Neste estudo, de caráter descritivo, experimental, transversal, prospectivo, utilizou-se amostra de 30 militares do exército, do sexo masculino, selecionados de forma estratificada aleatória, com idade média de 21,37+2,36 anos, IMC médio de 22,96+1,77 Kg/m2, submetidos a três sessões de testes de aptidão física (TAF), sem e com suplementação de carboidrato (maltodextrina, 0,5g por kg de peso) e com o uso do placebo. Antes de cada teste foi realizado o recordatório alimentar de 24 horas, e ao final foi coletada amostra para verificar a glicemia e a lactacidemia.  Os dados foram transportados para pacote estatístico SPSS 10.0 para análise descritiva de média, desvio-padrão, valores máximo e mínimo e inferencial de ANOVA com medidas repetidas, e aplicado o teste de Dunnett com nível de significância de 5%. Encontrou-se uma melhoria no desempenho dos testes de abdominal, 42,6+1,45 repetições, e flexão de braços com 31,9+1,95 repetições, no momento da suplementação, comparado aos outros momentos.  De acordo com a avaliação do consumo alimentar,  a ingestão média de carboidrato foi semelhante nos três momentos, dentro da faixa de normalidade das recomendações. A suplementação com carboidrato na quantidade de 0,5g por kg d peso corporal, na concentração de 8%, apresenta efeitos agudos durante os testes de aptidão física com melhoria no desempenho de repetições dos testes abdominal e flexão de braços. Recomenda-se mais estudos aprofundados nesse tema em exercícios intermitentes e de resistência, associado ao controle de ingestão alimentar.

 

AUTOR (ª): Suely Coelho Tavares da Silva 

TÍTULO: Prevalência de Anemia nas Mulheres em Idade Fértil, no Contexto da Fortificação Obrigatória das Farinhas de Trigo e de Milho com Ferro e Ácido Fólico 

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Rodrigo Pinheiro de Toledo Vianna 

DATA: 17/10/2008 

RESUMO: Objetivou-se estimar a prevalência de anemia, de anemia macrocítica e de anemia microcítica, nas mulheres em idade reprodutiva e explorar as associações entre os parâmetros hematológicos: hemoglobina, hematócrito, volume corpuscular médio, hemoglobina corpuscular média e concentração da hemoglobina corpuscular média dos eritrócitos com suas características sócio-demográficas, de segurança alimentar, do consumo de alimentos ricos em ferro e ácido fólico ou inibidores da sua absorção, visando propor intervenções preventivas para subsidiar as políticas públicas locais. Foi realizado um estudo transversal com amostragem por conveniência. Participaram 321 mulheres entre 15,0 e 49,9 anos, residentes em João Pessoa, selecionadas no contexto da obrigatoriedade da fortificação das farinhas de trigo e de milho, em 2004, as quais responderam a um questionário, abordando suas características gerais e sócio-demográficas e tiveram amostras de sangue coletadas para serem analisadas em contadores de células automatizados. Foram obtidas informações da dieta através de um questionário de freqüência alimentar e da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Utilizaram-se o teste Qui-quadrado para verificar associações, a análise devariância, para comparações múltiplas de médias e o teste Scheffe, a posteriori, com intervalo de confiança de 95%. Foram observadas prevalências de 15,0%(IC95%:11,1%-18,9%), da anemia pela determinação da hemoglobina inferior a 120g/L, de 29,9%(IC95%:24,8%- 34,9%), da anemia macrocítica e de 9,0%(IC95%:5,9%-12,1%), da anemia microcítica, conforme os valores do volume corpuscular médio dos eritrócitos fossem iguais ou superiores a 90μm3 para a primeira e inferiores a 80 μm3 para a subseqüente. As médias mais baixas da concentração de hemoglobina foram encontradas em mulheres de 15,0 a 19,9 anos e nas de 30,0 a 39,9 anos. As principais variáveis associadas à anemia foram escolaridade e consumo alimentar. Obteve-se uma estimativa atualizada da prevalência de anemia nesse grupo populacional da região Nordeste. Recomendam-se novos estudos para identificar as causas de anemia, especialmente buscando monitorar o impacto da fortificação das farinhas, estabelecida por lei em nosso país.

 

AUTOR (ª): Juliana Késsia Barbosa Soares 

TÍTULO: Impacto do Leite de Cabra Sobre a Ontogenia Reflexa, Somática e o Crescimento Ponderal em Ratos 

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rita de Cássia Ramos do Egypto Queiroga 

DATA: 27/02/2009 

RESUMO: O leite de cabra é fonte do ácido linoléico conjugado, um ácido graxo que é produzido a partir da bio-hidrogenação no rumem desses animais. Sabendo que os ácidos graxos são constituintes estruturais das membranas celulares, cumprem funções energéticas e de reserva metabólica e tornam-se indispensáveis para a formação do sistema nervoso central, esse estudo investigou os efeitos da oferta de 7% de diferentes tipos de lipídios inseridos na dieta de ratas Wistar durante a gestação e a lactação divididos em três grupos: óleo de soja (GS), óleo de coco (GC) e gordura do leite de cabra enriquecida com o CLA (GLC). Observou-se a ontogenia reflexa e somática, o comprimento da cauda e o ganho de peso de 54 ratos lactentes. Os reflexos estudados foram: Preensão Palmar (PP), Recuperação Postural de Decúbito (RD), Aversão ao Precipício (AP), Aversão Ao precipício pelas Vibrissas (APV), Geotaxia Negativa (GN) Resposta ao Susto (RS) e Recuperação do Decúbito em Queda Livre (RDQL). As características somáticas estudadas foram: Abertura do Pavilhão Auricular (APA), Abertura do Conduto Auditivo (ACA), Erupção dos Dentes Incisivos Inferiores (EII), Erupção dos Dentes Incisivos Superiores (EIS) e Abertura dos Olhos (AO). O GLC apresentou um maior ganho de peso, comprimento da cauda (p<0,001) e antecipação na maturação dos reflexos: PP, RD, AP, GN, RS e RDQL em relação ao GS. O GLC mostrou-se antecipado em relação ao GC nos seguintes reflexos: APV, PP, RD, AP, GN e RS. O GLC demonstrou antecipação em todas as características somáticas em relação ao GS e GC (p<0,001). Os neonatos do GC apresentaram retardo no APA e AO (p<0,001) em relação ao GS. Com o estudo concluiu-se que a oferta do leite de cabra enriquecido com CLA ofertada a ratas Wistar durante a gestação e lactação disponibilizou uma variedade de ácidos graxos que possibilitou ao organismo da rata mãe ofertar pela placenta e através do leite materno os ácidos graxos necessários ao desenvolvimento dos filhotes.

 

AUTOR (ª): Jefferson Carneiro Barros 

TÍTULO: Interferência do Óleo Essencial de Origanum vulgare L. (Lamiaceae) Sobre o Crescimento e Características Metabólicas de Cepas de Staphylococcus aureus Isolados de Alimentos 

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Evandro Leite de Souza 

DATA: 25/03/2009 

RESUMO: Atualmente, ocorre uma escassez de estudos científicos sobre as propriedades biológicas, incluindo a propriedade antimicrobiana, do óleo essencial de O. vulgare sobre patógenos de origem alimentar. O objetivo deste estudo foi investigar a composição química do óleo essencial de Origanum vulgare L., o efeito inibitório do óleo essencial sobre o crescimento e sobrevivência de cepas de Staphylococcus aureus isoladas de alimentos, e a influência de concentrações sub-inibitórias do óleo essencial sobre alguns atributos fisiológicos das cepas teste. Ademais, objetivou-se também avaliar a ocorrência de uma potencialização do efeito anti-S.aureus decorrente da aplicação combinada do óleo essencial e ácidos orgânicos (ácido lático e acético) através da determinação do índice de Concentração Inibitória Fracional (CIF), bem como realizando-se ensaios de tempo de morte em caldo nutriente, caldo carne e modelo cárneo. A análise de CG-EM mostrou carvacrol (57,71%) como o composto mais prevalente no óleo essencial ensaiado, seguido por p-cimeno (10,91%), γ-terpineno (7,18%), 4-terpineol (6,68 %) e timol (3,83%). Os valores de CIM e CBM do óleo essencial foram de 0,6 µL.mL-1 e 1,25 a 2,5 µL.mL-1, respectivamente. O ácido lático e acético mostraram valores de CIM e CBM de 2,5 e 5,0 µL.mL-1; e 0,6 e 1,25 µL.mL-1, respectivamente. O óleo essencial de O. vulgare nas concentrações de 0,3, 0,6 e 1,2 µL.mL-1 inibiu a viabilidade celular de S. aureus ao longo de 120 minutos. Concentrações sub-inibitórias (0,03 e 0,015 µL.mL-1) do óleo essencial suprimiu alguns atributos fisiológicos das cepas de S. aureus, tais como coagulase, lipase e tolerância ao sal em uma resposta dose-dependente. O índice de CIF da aplicação combinada do óleo e ácido lático foi 0,5 evidenciando uma interação de sinergismo. Por outro lado, o valor de CIF foi 1,0 para a aplicação combinada do óleo essencial e ácido acetico, sugerindo um efeito aditivo. A combinação de antimicrobianos causou uma inibição da viabilidade celular de S. aureus tão intensa quanto àquela observada pela a ação do óleo essencial (o composto mais ativo) em todos os substratos ensaiados ao longo de 96 horas. O efeito anti-S. aureus dos antimicrobianos isolados ou em combinação foi menor no modelo cárneo quando comparado à sua adição em caldo nutriente e caldo carne. De acordo com estes resultados, o óleo essencial de O. vulgare quando aplicado isoladamente ou em combinação com ácidos orgânicos pode surgir como um novo antimicrobiano com capacidade de suprimir algumas características fisiológicas, além de inibir o crescimento e sobrevivência de S. aureus em alimentos.

 

AUTOR (ª): Ana Paula de Mendonça Falcone 

TÍTULO: Aspectos Nutricionais, Antinutricionais e Atividade Antibacteriana de um Vegetal Não-Convencional: Folha de Cenoura (Daucus carola L.) 

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. José Pinto de Siqueira Júnior 

DATA: 27/03/2009 

RESUMO: A cenoura ( Daucus carota L.) da família Apiaceae é uma das hortaliças mais importantes no mundo e desempenha papel importante na alimentação, principalmente no fornecimento de vitamina A na dieta de crianças e adultos. As folhas da cenoura (Daucus carota L.) vêm sido subutilizada durante anos, devido ao descarte após a colheita e/ou na utilização do tubérculo da planta. Com objetivo de analisar o potencial dessas folhas como alimento, foram realizadas as análises dos teores de substâncias nutrientes e antinutrientes. As folhas foram analisadas cruas e após tratamento térmico, com isso, os resultados foram expressos em matéria fresca e cozidos. Foi encontrado quantidade de fibras na folha de cenoura semelhantes a outro alimentos considerados ricos em fibras. Quando os resultados entre folha fresca e folha cozida foram comparados, observou-se que os carboidratos e os lipídios não sofreram alteração no seu teor. Houve redução significativa em proteínas e em cinzas quando as folhas foram submetidas ao tratamento térmico. As folhas cruas apresentaram atividade hemaglutinante dos eritrócitos nos tipos sanguíneos O, AB e B, não foi encontrada atividade no tipo sanguíneo do tipo A, não apresentando atividade na folha cozida. O teor de taninos encontrado foi de 3,95% na folha crua e de 1,03% na folha cozida. O tratamento térmico também alterou os teores dos fatores antinutricionais, nesse caso houve redução significativa tanto no teor de taninos como atividade da lectina. Apesar de não apresentar atividade antibacteriana, os extratos apresentaram atividade moduladora, principalmente, nas frações mais apolares, ou seja, hexânicas e diclorometano, mais efetivamente quando são utilizados para modular o antibiótico eritromicina.

 

AUTOR (ª): Veruska Moreira Queiroz 

TÍTULO: Avaliação do Estado Nutricional e da Pressão Arterial em Crianças de Escolas Públicas de João Pessoa-PB 

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira 

DATA: 01/04/2009 

RESUMO: O objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência de níveis pressóricos elevados em crianças, em idade escolar na rede pública de ensino e sua associação com indicadores antropométricos e a percepção dos familiares quanto ao estado nutricional das crianças. Tratou-se de um estudo transversal, composto por uma amostra aleatória de 750 escolares de 6 a 9 anos de idade da rede de ensino municipal de João Pessoa, Paraíba. Os dados foram coletados no primeiro semestre de 2008 por uma equipe previamente treinada. A pressão foi aferida com técnica auscultatória com auxílio de estetoscópio e esfigmomanômetro aneróide; os dados antropométricos coletados foram as medidas do peso, estatura e circunferência da cintura; foram ainda verificadas informações da percepção familiar do estado nutricional das crianças utilizando questionário. Foram feitos testes de associação qui-quadrado, ANOVA para comparações múltiplas de médias com nível de significância de 5%. Foi construído um modelo de regressão logística, relacionando ser hipertenso com as variáveis antropométricas. A prevalência de níveis pressóricos elevados foi de 13,6%. A variável índice de massa corporal apresentou associação significativa com o aumento da pressão arterial (p<0,001) (OR=1,17). E a elevação dos níveis pressóricos ocorreu com o aumento do peso (p = 0,001) e da circunferência da cintura (p<0,001). Para os familiares, apenas 8,0% das crianças tinham peso excessivo. A associação do excesso de peso com a elevação da pressão arterial identificada na amostra estudada destaca a necessidade da modificação precoce dos hábitos pouco saudáveis nessa fase, para prevenção e tratamento da obesidade como fator de risco das doenças cardiovasculares na faixa etária pediátrica e futura.

 

AUTOR (ª): Ana Emília da Costa Vieira 

TÍTULO: Análise dos Pontos de Corte para Relação Cintura-Altura em Indivíduos com Fatores de Risco Cardiovascular 

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa 

DATA: 02/04/2009 

RESUMO: Dentre os indicadores antropométricos de avaliação nutricional, a gordura abdominal é representada pela Circunferência da Cintura (CC) e pela Relação Cintura-Altura (RCA). Todavia não há clareza quanto o efeito preditor da RCA nos fatores de risco cardiovascular na população ocidental, nem estudo no Brasil comparando este efeito com um outro indicador antropométrico. O presente estudo foi realizado com a finalidade de analisar o efeito preditor da RCA e CC nos fatores de risco cardiovascular em indivíduos, para auxiliar no diagnóstico de tais riscos. Foi realizada uma amostragem do município de João Pessoa, Paraíba, Brasil, onde foi identificada a quantidade de bairros (n = 12) que fazem parte do IV distrito sanitário do referido município, e juntamente com um mapa local, identificaram-se as quadras dos bairros (n = 918), sendo sorteadas 28. Como havia uma heterogeneidade das quadras, utilizou-se a amostragem estratificada por renda, partindo da premissa que existe relação entre prevalência de doenças, nutrição e renda. Esta amostragem resultou em 10 estratos. Como não se tinha informações exatas a respeito do número de residências por bairro (mesmo utilizando os IPTU`s), as quadras foram utilizadas como objeto amostral. Por meio da amostragem sistemática, optou-se que em cada quadra sorteada visitava-se um domicílio a cada sete, após o sorteio da direção (direita ou esquerda). E em cada domicílio sorteou-se um participante do estudo, totalizando 90 (18 a 65 anos). Aplicou-se a correlação de Spearman para medir a correlação entre a presença de fatores de risco cardiovascular e RCA, Índice de Massa Corporal (IMC) e idade. A regressão logística foi realizada para encontrar qual variável independente exerceu mais influência sobre a variável dependente. De acordo com a correlação de Spearman e a regressão logística, a idade foi a única variável que se correlacionou com a presença associada de fatores de risco e tem efeito preditor sobre esta, com valor de p de 0.0008663 e 0.00328, respectivamente. A RCA não exerceu efeito preditor sobre a presença de fatores de risco cardiovascular, ao contrário da idade que conseguiu exercer este efeito, justificando sua importância como fator de risco cardiovascular principal.

 

AUTOR (ª): Danielle Albino Rafael Matos

TÍTULO: Avaliação do Consumo Alimentar Habitual de Cálcio e sua Relação com Lipídios e Inflamação em Idosos com Diabetes Tipo 2

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rosália Gouveia Filizoala

DATA: 03/04/2009

RESUMO: A ingestão de cálcio tem sido associada a uma menor prevalência de distúrbios metabólicos como obesidade, diabetes, hipertensão e dislipidemia. O objetivo deste trabalho foi investigar seu papel em lipídeos e marcadores de inflamação em adultos com mais de 60 anos e diabetes mellitus tipo 2. A pesquisa foi realizada no período de novembro de 2007 a junho de 2008, em um centro de atenção a saúde do idoso, no município de João Pessoa , Paraíba – Brasil. Participaram do estudo 106 indivíduos, sendo 79 mulheres e 27 homens. O consumo alimentar foi avaliado por meio de um questionário quantitativo de freqüência alimentar. Também foram realizadas análises sanguíneas para avaliação de colesterol total, HDL colesterol, LDL colesterol, triglicérides, hemoglobina glicosilada e proteína-C reativa (PCR) ultra-sensível. Os dados obtidos foram analisados quantitativa e qualitativamente por meio de métodos estatísticos. O consumo médio de cálcio esteve muito abaixo das recomendações, sendo de 592,4 mg/dia. Não houve diferença significativa entre os sexos para o consumo de cálcio. As médias de colesterol total, triglicérides, HDL colesterol, LDL colesterol e PCR foram de 207,72 (± 47,96), 179,59 (± 105,95), 48,0 (±11,05), 123,79 (± 36,75) mg/dl e 4,2 (± 3,99) mg/L, respectivamente. Os participantes foram divididos em quartis de acordo com seu consumo alimentar de cálcio, sendo os pontos de corte < 323,46 mg/dia; 323,46 a < 411,68 mg/dia; 411,68 a < 565,95 mg/dia e ³ 565,95 mg/ dia para os quartis de 1 a 4, respectivamente. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os quartis de consumo de cálcio nas variáveis analisadas, mesmo após ajuste para sexo, índice de massa corporal, circunferência abdominal, consumo calórico total, atividade física, hemoglobina glicosilada e percentual de proteína da dieta. Também não foram detectadas diferenças na proporção de indivíduos que atingiram as metas de controle metabólico de lipídeos, hemoglobina glicosilada e PCR entre os grupos. Pode-se concluir que o consumo diário de cálcio não esteve relacionado a um melhor perfil metabólico em idosos com diabetes mellitus tipo 2.

 

AUTOR (ª): Elisangela Vilar de Assis

TÍTULO: Efeito da Atividade Física na Função Pulmonar de Idosos com Sobrepeso e Obesidade sob o Acompanhamento Nutricional

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

DATA: 27/04/2009

RESUMO: Incluída atualmente no grupo das Doenças Crônicas Não-Transmissíveis a obesidade tem se tornado uma epidemia em todo o mundo. No Brasil, em 2003, 41,1% dos homens e 40% das mulheres eram afetados pelo excesso de peso e 8,9% dos homens e 13,1% das mulheres pela obesidade, cuja prevalência é maior, sejam elas idosas ou não. Entre os indivíduos com 60 anos ou mais de idade ocorreu um aumento da prevalência da obesidade, passando de 2,65% para 4,98% em homens e de 9,96% para 17,89% em mulheres. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da atividade física na função pulmonar de idosas com sobrepeso e obesidade sob controle nutricional. Participaram deste estudo 28 idosas com sobrepeso e obesidade separadas em grupos: sedentárias (GS) e praticantes de atividade física (GAF), onde cada grupo era composto por 14 idosas. As participantes dos dois grupos apresentaram uma média de idade semelhante (GS - 68,71+5,45 anos e GAF - 68,14+4,54 anos). Ambos os grupos receberam orientação nutricional. O grupo da atividade física realizava exercícios aeróbios duas vezes na semana durante quarenta e cinco minutos por dia. Os dois grupos foram avaliados quanto a antropometria, a espirometria, a cirtometria dinâmica e exame bioquímico antes e após os três meses de acompanhamento. Após esse período foram observadas diferenças positivas entre as médias iniciais e finais no GAF no peso, na relação cintura/quadril, no IMC, no HDL-c, no VLDL-c, no triglicerídeo, no volume expiratório forçado no primeiro segundo em porcentagem (VEF1%), no pico de fluxo expiratório (PFE), na relação VEF1/CVF e no volume de reserva expiratório (VRE). Com relação a cirtometria em nível abdominal foi verificado um aumento nas médias finais de ambos os grupos após os três meses de acompanhamento. Quando comparado os dados do GS e do GAF verificou-se uma diferença estatisticamente significativa no GAF para o IMC (p<0,049) e para o LDL-c (p<0,056), tendo este último parâmetro aumentado nos dois grupos, mas de forma mais expressiva no GAF. A atividade física sob controle nutricional promoveu modificações positivas na antropometria, na espirometria e no perfil lipídico das idosas com sobrepeso e obesidade, fato este não observado com as sedentárias.

 

AUTOR (ª): Janaina Mota de Lima

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de L-Arginina na Redução de Oxido Nítrico e Resposta Pressórica ao Exercício Físico em Mulheres Hipertensas

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Roberto Teixeira de Lima

DATA: 28/04/2009

RESUMO: A adequação nutricional e o exercício físico são ferramentas eficazes no controle da pressão arterial (PA) em hipertensos. Uma única sessão de exercício já é capaz de promover redução da PA, fenômeno denominado hipotensão pós-exercício (HPE). A suplementação de L-arginina tem demonstrado melhorar a função endotelial e reduzir a PA. O objetivo do estudo foi investigar o efeito combinado da suplementação de L-arginina e exercício em sujeitos hipertensos, verificando o seu efeito potencializador na HPE. O estudo foi conduzido segundo um delineamento experimental realizado durante os meses de setembro a dezembro de 2008, envolvendo mulheres hipertensas, previamente ativas, que praticavam exercício de caminhada sistematicamente em ambiente aberto participantes do “Projeto Vida Saudável” de iniciativa da Prefeitura do município de João Pessoa/PB. A casuística de vinte e nove (29) mulheres de meia idade foram divididas em grupos: suplementado (n=10, 50 ± 1,8 anos, placebo (n=10, 51,5 ± 1,6 anos), e controle (n=9, 54 ± 1,7 anos). Todas as participantes realizaram duas sessões de caminhada em esteira com intensidade entre 40 e 60% da frequência cardíaca máxima de reserva em um intervalo de 32 dias entre estas sessões, com o objetivo de verificar a resposta hipotensora a estes exercícios (HPE). No período de 30 dias entre estas duas sessões foi mantida a prática de exercícios e passaram a receber 6g diárias de L-arginina ou placebo, enquanto que o grupo controle nada recebeu. No exercício realizado pós suplementação a concentração plasmática de nitrito/nitrato houve um aumento não significativo de 44,6±4 para 51,8±6 µM no grupo suplementado enquanto no placebo e controle tiveram redução da concentração plasmática de nitrito/nitrato. A PA basal apresentou uma variação de 137/86,2 para 125,8/79, de 134,8/84,8 para 129,6/82,8 e de 133,6/85,8 para 124,9/82,4mmHg nos grupos suplementado, placebo e controle respectivamente, sendo a redução estatisticamente significativa apenas no grupo suplementado (p<0,05). A HPE nas duas sessões não sofreu variação em resposta ao período de suplementação para os três grupos. Com os achados desse estudo pode-se concluir que a suplementação de L-arginina melhora a produção sérica de nitrito/nitrato de mulheres hipertensas de meia idade e promove redução da pressão arterial de repouso. Não alterando, entretanto, a hipotensão induzida pelo exercício.


AUTOR (ª): Mônica de Almeida Lima

TÍTULO: Associação Entre Obesidade e Índices de Alimentação Saudável

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria Amélia Amado Rivera

DATA: 29/04/2009

RESUMO: A alimentação nutricionalmente adequada pode atuar tanto na prevenção como no tratamento de doenças, desta forma, tem-se verificado cada vez mais a importância da avaliação dos hábitos alimentares da população. Índices dietéticos representam uma medida dos padrões de alimentação saudável, refletindo a qualidade global da dieta, e são conhecidos por nomes variados, incluindo índices de qualidade da dieta ou índices de alimentação saudável. Este estudo objetivou comparar o Índice de Alimentação Saudável adaptado para a população brasileira (IAS-ad) com o Índice de Alimentação Saudável norte-americano (IAS norte-americano) em associação com a obesidade. Estudo epidemiológico transversal, de base populacional, foi realizado no Distrito Sanitário IV do município de João Pessoa/PB, Brasil, por meio de inquérito domiciliar. Foram avaliados 83 indivíduos, com idade entre 18 e 65 anos, de ambos os gêneros e de diferentes condições socioeconômicas. Os procedimentos para a seleção da amostra tiveram uma seqüência de etapas visando obter uma rigorosa aleatoriedade, estratificação, proporcionalidade e representatividade da população. Foram coletados dados sobre consumo alimentar por meio do Questionário Quantitativo de Freqüência do Consumo Alimentar e estes foram utilizados para calcular o IAS-ad e o IAS norte-americano. Medidas antropométricas (Índice de Massa Corporal, circunferência da cintura e relação cintura-altura) foram aferidas para classificar o estado nutricional dos indivíduos. Utilizou-se o teste t de Student e o teste de Wilcoxon para comparar os resultados dos dois índices. Uma análise de regressão múltipla foi aplicada para avaliar a associação entre a obesidade e os índices de alimentação saudável. A maioria da população apresentou dieta que necessita de modificações segundo o IAS-ad (86,7%) e o IAS norte-americano (89,2%). Não foi observada diferença significativa entre os escores totais e subescores para ambos os índices dietéticos e não se encontrou associação entre os índices e as medidas antropométricas. Concluiu-se que não existe diferença entre o IAS-ad e o IAS norte-americano e que não há associação entre os índices dietéticos estudados e a obesidade.

 

AUTOR (ª): Gisele Augusta Maciel Franca

TÍTULO: Efeitos da Spirulina no Estresse Oxidativo e no Dano Muscular Induzidos por Exercício em Atletas de Ciclismo

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Luiza Sonia Rios Asciutti

DATA: 30/04/2009

RESUMO: A Spirulina é uma alga que apresenta em sua composição um alto teor de proteínas, contém todos os aminoácidos essenciais e é rica em substâncias antioxidantes. Sua utilização vem sendo investigada em várias doenças como câncer, doença renal, cardiovascular, níveis de lipídios séricos e sistema imunológico. Entretanto, no âmbito desportivo os estudos são escassos e a alga ainda não foi avaliada quanto aos seus valores ergogênicos em atletas. O objetivo desse estudo é, portanto avaliar o efeito do consumo de Spirulina maxima no estresse oxidativo e no dano muscular em atletas de ciclismo submetidos a regime de treinamento com altos volumes e intensidades. O estudo foi realizado em modelo duplo-cego, com 18 atletas do gênero masculino, da modalidade de ciclismo, de nível competitivo. Eles foram aleatoriamente divididos em dois grupos: um experimental (n=11), idade 27,8±3,5 e um placebo (n=7), idade 34,3±2,3. Inicialmente, realizou-se uma avaliação física, uma anamnese nutricional e uma coleta sanguínea para determinação dos níveis séricos de creatina quinase (CK), desidrogenase lática (LHD), superóxido dismutase (SOD) e malondialdeído (MDA). Em seguida, os sujeitos deram início a um período de suplementação de Spirulina ou placebo por 4 semanas, e por fim, foi realizada uma nova coleta sanguínea para determinação das mesmas variáveis. Os atletas apresentaram dieta normoglicídica, normolipídica, hiperprotéica e consumo deficiente de vitamina E. Após o protocolo de suplementação com Spirulina observou-se que os valores de CK (U/L) variaram de 158,4±16,34 para 140±16,6 e de 141,14±10,75 para 145±12,9, os valores de LDH (U.I./L) variaram de 420±13,24 para 394,86±27,89 e 450,18±29,49 para 386,14±16,38, os valores de SOD (U/mg Hb) variaram de 7,3±0,55 para 7,04±0,58 e 450,18±29,49 para 6,91±0,47 e os valores de MDA (NMOL/ML) variaram de 2,76±0,25 para 2,89±0,39 e 2,35±0,19 para 2,34±0,18 nos grupos experimental e placebo, respectivamente. Nenhuma das variáveis apresentou significância estatística. Conclui-se que a administração de Spirulina não foi capaz de interferir na magnitude do dano muscular nem promover redução do estresse oxidativo em atletas ciclistas que realizam uma grande carga de treinamento.

 

AUTOR (ª): Érika Rodrigues de Almeida

TÍTULO: Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A: Avaliação Participativa do seu Funcionamento em Município da Região Nordeste do Brasil

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Alice Teles de Carvalho

DATA: 07/07/2009

RESUMO: A deficiência de vitamina A é considerada um problema de saúde pública em vários países do mundo, dentre eles o Brasil. Acomete especialmente crianças em idade pré-escolar e gestantes, com conseqüências deletérias ao crescimento, alto risco de xeroftalmia, cegueira, anemia e supressão imunológica, que contribuem para o aumento da morbimortalidade materno-infantil. Por esta razão, os diversos organismos internacionais afetos a este público estimularam programas de prevenção desta deficiência, que incluem a suplementação da vitamina A. O Brasil iniciou as ações de suplementação desta vitamina na década de 80, sendo institucionalizadas a partir da Portaria 2.160, de 29 de dezembro de 1994. Atualmente,Programa distribui cápsulas de megadose de vitamina A a crianças de 06 a 59 meses de idade e puérperas no pós-parto imediato, aliado à realização de ações educativas no sentido de contribuir para a incorporação de hábitos alimentares saudáveis, os quais incluem a ingestão e alimentos-fonte de vitamina A. Esta pesquisa teve o propósito de avaliar o Programa de suplementação de Vitamina A no município de Cabedelo, estado da Paraíba, com a participação de responsáveis por crianças menores de cinco anos. Trata-se de um estudo transversal, de base populacional, com abordagens qualitativa e quantitativa. Foram realizadas entrevistas estruturadas e análise das doses de vitamina A registradas nos cartões de vacinação das crianças. Observou-se que a população tem acesso às megadoses de vitamina A nas USF. No entanto, percebeu-se uma fragilidade no conhecimento acerca do Programa e da vitamina A, especialmente entre a população de menor escolaridade. Observou-se, ainda, que a cobertura do Programa está abaixo da meta recomendada pelo Ministério da Saúde, sobretudo a partir dos 18 meses de idade. Diante do exposto, faz-se necessário intensificar as ações educativas relacionadas ao Programa de Suplementação de Vitamina A, no intuito de orientar e sensibilizar os responsáveis pelas crianças público-alvo do Programa quanto à importância da vitamina A, de sua suplementação e da ingestão de alimentos-fonte deste nutriente para a saúde da criança. Além disso, a participação destes atores sociais nas ações do Programa deve ser estimulada, visto que são co-responsáveis no impacto destas ações na saúde da população participante.

  

AUTOR (ª): Geórgia de Sousa Ferreira Soares

TÍTULO: Estudo da Qualidade Nutricional de Sementes e da Atividade Antiinflamatória da Lectina do Abelmoschus esculentos (L) Moench (Quiabo)

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Tatiane Santí Gadelha

DATA: 02/02/2010

RESUMO: A alimentação humana não convencional ou alternativa é composta por alimentos ou suas partes não habitualmente utilizadas, cujo valor nutritivo vem sendo avaliado ao longo dos últimos anos. Isso fez com que sementes de várias espécies vegetais tornassem recursos alternativos de proteínas e lipídeos para a alimentação humana. O isolamento e a caracterização físico-química de novas moléculas de alimentos vegetais, com vistas à sua ação fisiológica no organismo humano, utilizada como fonte potencial para o descobrimento de novas moléculas bioativas. Um grupo particular dessas moléculas, as lectinas, são proteínas de origem não imune contendo pelo menos um domínio não catalítico de ligação específica, e reversível, a carboidratos. Várias lectinas têm sido estudadas, tanto do ponto de vista de caracterização físico-química quanto biológica. Nesse contexto, o quiabo Abelmoschus esculentus (L.) Moench, (Malvaceae), hortaliça bastante difundida na região Nordeste do Brasil, além de fácil acesso e baixo custo, apresenta-se como uma fonte bastante promissora na busca por novas lectinas. Entretanto, pesquisas relativas à sua purificação e ao seu isolamento ainda são incipientes. Objetiva-se com este trabalho avaliar a qualidade nutricional das sementes do quiabo, detectar, purificar e caracterizar físico-quimicamente, avaliar o potencial fitoterápico e farmacológico (antinocicepitivo, citotóxico, antiinflamatório e antifúngico) da lectina isolada de sementes de Abelmoschus esculentus. As sementes apresentaram uma predominância de carboidratos totais representados pelas fibras (30,81%) e carboidratos solúveis (6,69%), proteinas (22,14%) e lipídeos (14,01%). A lectina da farinha das sementes foi extraída com Tris 0,1M pH 7,4 com NaCl 0,15M. A detecção da existência de lectinas (AES) foi determinada através de ensaio de atividade hemaglutinante e revela que eritrócitos humanos B (24.00 UH.mP-1), O (21.00 UH.mP-1) e coelho tratado e não tratado (74.41 UH.mP-1) foram aglutinados pela lectina. A lectina foi purificada por precipitação com sulfato de amônio e purificada em coluna de troca iônica. Eritrócitos de coelho foram utilizados para os testes de inibição da atividade hemaglutinante (UH) com carboidratos. Sua atividade hemaglutinante foi inibida por lactose, frutose e manose. O perfil protéico da AES analisado por PAGE-SDS demonstra que a lectina encontra-se purificada, apresentando duas bandas de massa molecular aparente entre 25 e 14 kDa. A análise por espectrometria de massa mostrou a forma monomérica com 10,29 kDa e seu dímero de 20,58 kDa. Os testes de atividade biológica da lectina de farinha de sementes previamente purificada apresentaram atividade antiinflamatória, antinociceptiva e não apresentou citotoxicidade frente a hemácias do sistema ABO. O pré-tratamento endovenoso dos animais com a AES (0,01; 0,1 e 1mg/kg), antes da administração do agente flogistico (carragenina), reduziu significativamente o edema em cerca de 15%, 21,6%, 44%. Esta inibição é dose dependente tendo seu máximo efeito na dose de 1mg/kg. A lectina de Abelmoschus esculentus apresenta atividade antinociceptiva no teste de contorções abdominais induzidas por ácido acético e os extratos da semente de quiabo são capazes de reconhecer e inibir o crescimento do fungo dermatófito Tricophytum rubrum.

 

AUTOR (ª): Alan de Carvalho Dias Ferreira

TÍTULO: Suplementos Alimentares: Adequabilidade à legislação e Efeitos Metabólicos em Ratos

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. João Andrade da Silva

DATA: 10/02/2010

RESUMO: Suplementos alimentares têm sido extensamente consumidos por praticantes de exercícios físicos e atletas. Pesquisadores têm observado a inadequabilidade da composição destes produtos, além de detectar a presença de andrógenos, aumentando a suspeita sobre sua verdadeira composição. O objetivo dessa pesquisa foi listar e classificar os suplementos alimentares comercializados nos pontos de venda de João Pessoa; verificar a adequabilidade dos produtos à legislação vigente; analisar os efeitos em ratos jovens submetidos a exercício físico, desencadeados pela ingestão crônica de suplementos amplamente comercializados sobre: o consumo alimentar e ganho de peso corporal; níveis de testosterona total; e, composição corporal (percentual de gordura e massa magra). Em uma pesquisa de campo descritiva e experimental, em um primeiro momento, identificou-se os produtos nos pontos de venda da cidade de João Pessoa-PB, representados por farmácias, lojas especializadas e supermercados. Comparou-se a composição e as características rotuladas dos suplementos com os fatores essenciais de composição e qualidade fixadas pela Portaria 222/98 da ANVISA. Os produtos que não se enquadravam na Portaria foram classificados em categorias de acordo com sua composição e/ou sua denominação de mercado. No trabalho experimental, distribuiu-se 60 ratos machos jovens Wistar em cinco grupos (n=12/grupo) (CT – controle treinado; CS – controle sedentário; ST1 – treinado/suplementado 1; ST2 – treinado/suplementado 2; ST3 – treinado/suplementado 3). Por gavagem, ST1, ST2 e ST3 receberam 2,5g de cada suplemento e CT e CS receberam água filtrada. Semanalmente, registrou-se o peso e o consumo alimentar. Após oito semanas, realizaram-se dosagens de testosterona total e determinação de gordura e proteína das carcaças. Catalogou-se 945 produtos diferentes, a maior parte (43%) considerada Alimentos para Praticantes de Atividade Física (APAF) e 28% de produtos com comercialização proibida no Brasil. Dentre os APAF, nenhum apresentou todas as características exigidas pela legislação, principalmente por conter, de acordo com o rótulo dos produtos, excesso de vitaminas e minerais, ou não apresentar a quantidade mínima de proteínas. Entre os suplementos analisados 42% apresentavam denominação inadequada e 33% apresentaram expressões proibidas. Os resultados do trabalho experimental demonstraram que tanto o exercício como a suplementação promoveram menor ganho de peso (p<0,05). O exercício não alterou os níveis de testosterona total, entretanto, os três suplementos promoveram redução destes níveis (p<0,001). Os grupos ST1, ST2, ST3 apresentaram percentual de gordura duas vezes maior do que o grupo CT (p<0,001). CT apresentou quantidade de proteína corporal total maior (p<0,05) que os suplementados. Considerando-se o alto índice de inadequabilidade, principalmente quanto ao excesso de vitaminas e minerais e à menor proporção de proteínas rotuladas, demonstra-se a necessidade de controle e fiscalização desses produtos. A avaliação da adequabilidade da composição e das características rotuladas permite verificar se o suplemento ou grupo de suplementos contém os nutrientes mínimos para gerar seus efeitos esperados, seja na performance, na saúde ou na nutrição. Os dados encontrados indicam que cronicamente os suplementos causaram aumento de tecido adiposo, menor ganho de massa muscular e menor ganho de peso, provável consequência da menor secreção de testosterona. Os resultados similares para os três grupos reforçam a hipótese de que os suplementos continham andrógenos ou seus precursores.

 

AUTOR (ª): Lígia de Albuquerque Maia

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de Zinco e do Treinamento Físico Sobre o Metabolismo e a Densidade Óssea de Ratas Ovariectomizadas

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Simone Bezerra Alves

DATA: 11/02/2010

RESUMO: A osteoporose é um sério problema de saúde pública, e cada vez mais, é reconhecida como enfermidade limitante da qualidade de vida, em especial para pessoas idosas. O papel do zinco na nutrição humana vem sendo bastante estudado. Vários hormônios e enzimas zinco-dependentes estão envolvidos no metabolismo ósseo. A atividade física tem sido defendida como um dos meios de promover aumento e manutenção da densidade mineral óssea (DMO). Sendo assim, esta pesquisa tem como objetivo determinar os efeitos da suplementação com zinco e/ou do treinamento físico com impacto limitado pelo meio aquático sobre o metabolismo e a densidade mineral óssea (DMO) de ratas ovariectomizadas. Desta forma, utilizou-se 60 ratas Wistar divididas em 5 grupos: Sham (S), controle ovariectomizado (Cox), zinco (Z), treinamento físico (TF) e zinco + treinamento físico (ZTF). Os grupos Z e ZTF receberam diariamente suplementação de zinco (25 mg/Kg de massa corporal) sob a forma de ZnSO4.7H2O via oral (gavagem) durante 9 semanas. Os grupos TF e ZTF realizaram um protocolo de saltos aquáticos com carga progressiva três vezes por semana durante 10 semanas. Os parâmetros foram analisados por meio do teste t student pareado e ANOVA one way com post hoc de Newman-Keuls. Quando necessário, o teste ANOVA foi substituído pelo seu equivalente não paramétrico Kruskal-Walli. Adotou-se um nível de significância de 5% para todos os testes. A concentração sérica de fosfatase alcalina foi maior no grupo Cox (p < 0,01) quando comparado aos grupos C (p < 0,01) e ZTF (p < 0,05). A análise da DMO mostrou que esta foi maior para os grupos TF (p < 0,05) e ZTF (p < 0,05) quando comparados aos grupos Cox e Z para as regiões da cabeça e colo cirúrgico femorais. Então, pode se observar que a suplementação de zinco não foi eficaz em promover aumento do metabolismo ósseo e da DMO, porém o protocolo de treinamento físico conseguiu intensificar a resposta osteogênica em ratas osteopênicas de maneira região dependente, podendo constituir uma modalidade terapêutica alternativa mais eficaz a ser utilizada no tratamento e na prevenção de perda óssea.

 

AUTOR (ª): Fábio Alexandre dos Santos Lira 

TÍTULO: Efeito da Suplementação Oral de Ácido Ascórbico no Restabelecimento do Controle autonômico Cardíaco em Crianças Obesas

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Amilton da Cruz Santos

DATA: 12/02/2010

RESUMO: O estudo da variabilidade da freqüência cardíaca vem sendo utilizada como ferramenta investigativa nos diversos estudos que avaliam as disfunções autonômicas das mais diferentes patologias, entre elas a obesidade. Os estudos com variabilidade da frequência cardíaca têm demonstrado que a modulação simpática está aumentada na obesidade: indivíduos apresentam uma disfunção simpatovagal cardíaca, caracterizada por redução da atividade parassimpática e possivelmente aumento da atividade simpática, associados aparentemente à disfunção dos mecanismos de controle do sistema baroreflexo via barorreceptores da freqüência cardíaca. Exacerbação na modulação simpática cardíaca tem papel importante na fisiopatologia da obesidade e na maioria das doenças cardiovasculares, conferindo-lhes um pior prognóstico. O objetivo deste estudo foi testar a hipótese de que vitamina C pode restaurar em crianças obesas a disfunção autonômica cardíaca em repouso e durante o exercício isométrico. Neste estudo, randomizado e duplo-cego, participaram 29 crianças sendo 21 obesas (IMC = 29 ± 1 Kg/cm2) distribuídas em dois grupos e suplementadas com 500 mg de vitamina C (n=11) ou placebo (n=10) durante 45 dias e oito eutróficas (IMC = 18 ± 2 Kg/cm2) com idades entre 8 e 13 anos e ambos os gêneros. A modulação autonômica cardíaca foi avaliada por análise espectral da variabilidade da freqüência cardíaca em repouso e durante o exercício isométrico a 30% da contração voluntária máxima, obtida por preensão manual por 3min. Dois componentes espectrais normalizados foram analisados: o de baixa freqüência (modulação eferente simpática) e o de alta frequência (modulação parassimpática). Nas crianças obesas, durante o exercício isométrico, observou-se uma maior ativação simpática cardíaca e uma menor resposta vagal. Após suplementação com vitamina C, os componentes de baixa e alta frequência foram similares aos observados nas crianças eutróficas, tanto no basal como durante o exercício isométrico. Quando se comparou os componentes espectrais de baixa e alta frequência entre os grupos vitamina C e placebo, observou-se que eles foram significativamente diferentes. Estes resultados sugerem que suplementação oral com vitamina C, em altas doses, restaura a disfunção autonômica cardíaca em crianças obesas na condição basal e durante o exercício isométrico.

 

AUTOR (ª): Germana Montenegro Costa Agra Carvalho

TÍTULO: Níveis de (In) Segurança Alimentar Associados aos Fatores Socioeconômicos e Adequação da Dieta de Crianças Eutroficas e com Excesso de Peso

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira

DATA: 18/02/2010

RESUMO: Alimentação adequada é direito fundamental do ser humano, devendo o poder público adotar políticas e ações necessárias para promover e garantir a Segurança Alimentar e Nutricional. É parte do direito à alimentação ter informações corretas sobre o conteúdo dos alimentos, práticas alimentares e estilo de vida saudáveis, que promovam a saúde e reduzam o número de doenças ocasionadas por uma alimentação inadequada. O objetivo deste trabalho foi associar os níveis de (in)segurança alimentar ao estado nutricional, fatores socioeconômicos e consumo alimentar em crianças eutróficas e com excesso de peso da rede pública de ensino do município de João Pessoa. O estudo descritivo foi realizado entre maio e agosto de 2009, com 321 crianças entre 7 e 10 anos, de ambos os sexos, matriculadas em escolas da rede pública de João Pessoa-PB. Os procedimentos realizados foram: antropometria, consumo alimentar, aplicação da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) e análise das condições socioeconômicas da população. As associações foram realizadas por meio do teste Qui-quadrado de Pearson, teste Exato de Fisher e pela análise de variância (ANOVA), utilizando como nível de significância estatística p < 0,05. A prevalência de insegurança alimentar (IA) foi de 76,3%, sendo 9% de insegurança grave e não houve associação significante entre estado nutricional e níveis de insegurança alimentar. Dentre os fatores socioeconômicos, estado civil e escolaridade do chefe da família, renda  per capita, classe social e fatores relacionados às condições de moradia das famílias apresentaram associação significante com a situação de IA. As crianças com excesso de peso em situação de insegurança moderada/grave apresentaram consumo de gordura trans, poliinsaturados e vitamina A significantemente superior ao das crianças em segurança alimentar (SA) e relação inversa aconteceu com as fibras e o potássio. Nesse grupo, o consumo de sódio foi superior nas crianças com insegurança grave em relação as com insegurança leve (p<0,05). Nas crianças eutróficas em SA, o consumo de vitamina C foi inferior ao das crianças em IA moderada/grave (P=0,004). O consumo de gordura trans e sódio daquelas com excesso de peso foi significantemente superior as eutróficas em todos os níveis de (in)segurança alimentar. Referente aos alimentos da pirâmide alimentar, encontrou-se diferença significante entre os níveis de (in)segurança alimentar para frutas no grupo das eutróficos e para frutas, gorduras e doces naquelas com excesso de peso. A IA esteve relacionada com o baixo nível socioeconômico das famílias e o consumo alimentar, em especial, das crianças com excesso de peso e em situação de maior gravidade de IA, configurou-se em um fator de risco para o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis.

 

AUTOR (ª): Heloisa Maria Ângelo Jerônimo

TÍTULO: Staphylococcus aureus em Unidades de Alimentação e Nutrição: Ocorrência e Padrão de Formação de Biofilmes

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Evandro Leite de Souza

DATA: 18/02/2010

RESUMO:

 

AUTOR (ª): Eduardo Porto dos Santos

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de Omega-3 no Processo Inflamatório e Dano Muscular Induzidos por Estresse Físico e Restrição Alimentar em Militares

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Luiza Sonia Rios Asciutti

DATA: 19/02/2010

RESUMO: A literatura dispõe de vários estudos que comprovam o efeito antiinflamatório e protetor contra doenças cardiovasculares, que os ácidos graxos poliinsaturados Ômega-3 possuem A ingestão destes ácidos graxos tem sido recomendada, como forma de prevenir doenças cardíacas e melhorar a função cardíaca. Existem poucas pesquisas associando o efeito antiinflamatório dos ácidos graxos Ômega-3, com o processo inflamatório desencadeado pelo estresse físico de grande magnitude. O efeito da suplementação de ácidos graxos poliinsaturados (AGPI) omega-3 (n-3) na resposta imunológica e ocorrência de dano muscular em militares foi investigado. Vinte sujeitos foram divididos em dois grupos e receberam cápsulas contendo AGPI n-3 (SUP) (n=10) ou placebo (PLA) (n=10) durante quatro semanas. No decorrer da quarta semana de suplementação, os militares foram submetidos a um acampamento militar com ingestão calórica e repouso restrito e elevado estresse físico e psicológico. A concentração de proteína C-reativa ultra-sensível (PCR-us) foi utilizada como marcador inflamatório e a ocorrência de dano muscular pela atividade da enzima creatinoquinase (CK). Amostras sanguineas foram coletadas em quatro momentos: 1) présuplementação; 2) pré-acampamento; 3) durante o acampamento; 4) pós-acampamento. Durante as três semanas de suplementação e que antecederam o regime de acampamento foi observada uma redução significativa na concentração sérica de PCR-us apenas no grupo SUP. Um aumento significativo da atividade da CK no pós-acampamento confirmou o caráter extenuante deste procedimento. Apesar de não impedir a elevação da PCR-us, o grupo SUP apresentou uma concentração de PCR-us significativamente menor em comparação com o grupo PLA ao final do acampamento. Estes resultados sugerem que a suplementação de AGPI n-3 exercem um efeito protetor contra o processo inflamatório induzido por um regime de treinamento físico intenso e restrição alimentar.

 

AUTOR (ª): Lavoisiana Mateus de Lacerda

TÍTULO: Comparação Entre os Parâmetros Físicos, Nutricionais, Bioquímicos e Hormonais nas Fases Folicular e Luteal do Ciclo Menstrual em Atletas de Basquetebol

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

DATA: 19/02/2010

RESUMO: A prática desportiva por mulheres requer atenção a uma variedade de fatores especiais. Da mesma maneira que o treinamento físico pode modular a produção de hormônios sexuais, o inverso, ou seja, a possibilidade de o ciclo menstrual afetar o desempenho físico também tem sido investigada. Entretanto, os dados existentes são conflitantes, principalmente pelo fato de serem avaliadas apenas algumas variáveis isoladas. Diante disto, o presente estudo teve como objetivo verificar se as alterações fisiológicas que ocorrem entre as fases folicular e luteal interferem no padrão alimentar, composição corporal, performance física e nas respostas bioquímicas e metabólicas de atletas basquetebolistas jovens. Participaram do estudo 14 atletas da Seleção Paraibana Juvenil de Basquetebol com idade de 16,21±1,4 anos. As atletas tiveram o ciclo menstrual determinado pela análise de progesterona. No início da fase folicular (baixa concentração de estrógeno e progesterona) e na metade da fase luteal (elevada concentração de estrógeno e progesterona), responderam a um recordatório de 24 horas e se submeteram aos testes físicos do RAST test e ao protocolo de exercício incremental adaptado do Shutle Run Test, para determinação de capacidades anaeróbias e avaliação do limiar de lactato, respectivamente. Antes e durante os testes, coletou-se gotículas de sangue do lóbulo da orelha para determinação do lactato. Antes e 12 horas após cada teste, coletou-se sangue venoso para a determinação da atividade sérica de CK. Após os testes, 24 horas, realizou-se novas coletas para determinação da concentração sérica de cortisol. A partir dos recordatórios de 24 horas, as atletas não apresentaram qualquer alteração de ingestão alimentar entre as fases folicular e luteal. Dos vários aspectos antropométricos avaliados, apenas a circunferência de coxa sofreu redução, na fase luteal (p=0,032 para a direita e p=0,097 para a esquerda). Todas as variáveis analisadas no RAST test se mantiveram inalteradas, exceto a potência mínima, que teve um menor escore na fase luteal (p=0,024). O limiar de lactato foi de 2,76 ± 0,25 e 2,74 ± 0,15 nas fases folicular e luteal respectivamente, sem diferenças entre as duas fases. A concentração sérica do cortisol entre as fases folicular (10,07 ± 3 µg/dl) e luteal (11,37 ± 4 ug/dl) também não se alterou entre as fases. As atividades plasmáticas pré-treinamento de CK apresentavam-se significativamente similares entre si (155,1 ± 90 e 142,0 ± 61 U/l) nas fases folicular e luteal, respectivamente. Após o treinamento, 12 horas, elas apresentaram elevação significativa desta enzima em relação aos valores pré-treinamento tanto na fase folicular (aumento de 121,9%) quanto na fase luteal (76%). Entretanto, as atividades plasmáticas pós treinamento não diferiram entre si. Portanto, conclui-se que, mesmo ao avaliar uma variedade multifatorial de aspectos intervenientes na performance, as fases folicular e luteal não afetam o padrão alimentar e a performance desportiva de mulheres atletas.

 

AUTOR (ª): Pricilla Regina Oliveira Fernandes

TÍTULO: Suplementação Oral com Vitamina C, em Curto Prazo, Restaura a Pressão Arterial e a Resposta Vasodilatadora no Antebraço em Crianças Obesas

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Amilton da Cruz Santos

DATA: 22/02/2010

RESUMO: Alterações na resposta vasodilatadora periférica têm um papel importante na fisiopatologia da obesidade e das patologias cardíacas. Sabe-se que uma menor vasodilatação está associada a alterações no sistema de controle neurovascular e a um pior prognóstico. Por outro lado existem evidências de que a vitamina C, um antioxidante, é capaz de restaurar a função vasodilatação em humanos. Deste modo, neste estudo objetivou-se avaliar o efeito da suplementação de vitamina C, administrada cronicamente, na pressão arterial e na resposta vasodilatadora no antebraço durante o estresse mental. Participaram deste estudo 29 crianças, sendo 21 obesas com idades entre 8 e 12 anos, de ambos os gêneros e com Índice de Massa Corporal ≥ 95%. As crianças obesas foram distribuídas aleatoriamente em dois grupos, randomizados e duplo cego, sendo suplementadas com 500 mg de vitamina C (n=11) ou placebo (n=10) durante 45 dias. Ademais, 8 crianças eutróficas pareadas por idade, foram envolvidas no estudo. Foram investigados: pressão arterial, frequência cardíaca e fluxo sanguíneo no antebraço. Vitamina C não promoveu modificações significativas nos valores de freqüência cardíaca no repouso (81 ± 3 vs 77 ± 4, p< 0,05) nem durante o estresse mental (87 ± 4 vs 82 ± 4, p< 0,05). Pressão arterial média reduziu significativamente após suplementação com vitamina C no repouso (81 ± 2 vs 75 ± 1, p< 0,05) e durante o estresse mental (98 ± 2 vs 88 ± 3, p< 0,05). Quando se comparou a situação antes vs depois intervenção, a vitamina C aumentou o fluxo sanguíneo no antebraço de forma significativa tanto no repouso (2,80 ± 0,4 vs 3,81 ± 0,4, p< 0,05) quanto durante o estresse mental (3,80 ± 0,5 vs 5,83 ± 0,8, p< 0,05). Esse aumento no fluxo sanguíneo vascular no antebraço foi tão importante que a vasodilatação no repouso alcançou valores próximos aos observados no grupo eutrófico em repouso (3,81 ± 0,4 vs 4,15 ± 0,1, p< 0,05), e no estresse mental (5,83 ± 0,8 vs 5,77 ± 0,1, p< 0,05). Em conclusão, podemos sugerir que a vitamina C reduziu a pressão arterial média durante o repouso e estresse mental para níveis normais e regularizou a resposta vasodilatadora muscular no antebraço próximo àqueles valores encontrados no grupo de crianças eutróficas.


AUTOR (ª): Adyla Farias de Oliveira

TÍTULO: Situação Nutricional de Crianças Segundo Práticas de Aleitamento Materno e Posse de Bens de Consumo

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Roberto Teixeira de Lima

DATA: 11/03/2010

RESUMO: A amamentação é um processo complexo que, transcende o plano biológico, sendo sempre incorporado a valores sociais e culturais relativos ao papel singular da mulher, como ser imprescindível para o êxito desta prática. Recomenda-se o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e a sua manutenção, pelo menos, até dois anos de idade ou mais, juntamente com a adição de alimentos complementares. Na maioria dos países, principalmente naqueles menos desenvolvidos economicamente, é grande a desigualdade de renda e nível de pobreza. Observa-se forte relação entre renda e saúde. Este estudo objetivou analisar a relação entre renda familiar, posse de bens de consumo, índice de massa corporal e práticas de aleitamento materno em crianças menores de sessenta meses de idade. Estudo epidemiológico transversal, de base populacional, realizado nos cinco distritos sanitários do município de João Pessoa/PB, Brasil, por meio de inquérito domiciliar. Foram avaliadas 91 crianças com idade entre zero e sessenta meses, distribuídas em dois grupos etários (0 a 24 meses e 25 a 60 meses), de ambos os gêneros e diferentes condições socioeconômicas. Os procedimentos para a seleção da amostra tiveram uma seqüência de etapas visando obter uma rigorosa aleatoriedade, estratificação, proporcionalidade e representatividade. Coletaram-se dados sobre os aspectos socioeconômico, demográfico, antropométrico e alimentar. Medidas antropométricas (peso e comprimento/altura) foram aferidas para classificar a situação nutricional dos indivíduos. A idade foi obtida por meio da caderneta de saúde da criança. Utilizou-se os testes Qui-quadrado de Pearson ou Exato de Fisher, a fim de se observar relação entre número de bens de consumo e renda com peso atual, altura atual e índice de massa corporal, além de teste t-Student para a hipótese de correlação nula e, para a hipótese de igualdade de variâncias, realizou-se teste F de Levene e a de normalidade dos dados foi verificada por meio de teste de Shapiro-Wilk. Não foi observada diferença significativa para a mediana de bens de consumo distribuída por faixa etária entre os dois grupos etários. O mesmo comportamento ocorreu com a renda, como também em relação ao estado nutricional e a faixa etária. No entanto, houve maior freqüência do gênero masculino na casuística selecionada. Observou-se uma prevalência de sobrepeso e obesidade de 30,8%. A renda apresentou associação com o peso atual e Índice de Massa Corporal em crianças com idade de vinte e cinco a sessenta meses. Houve correlação entre posse de bens de consumo, peso atual e Índice de Massa Corporal, além de relação estatisticamente significativa entre a prática de aleitamento materno em crianças menores de dois anos de idade e renda. Concluiu-se que a renda associou-se à prática do aleitamento materno, peso atual e índice de massa corporal e a posse de bens de consumo correlacionou-se com peso atual e índice de massa corporal entre crianças de vinte e cinco e sessenta meses de idade, demonstrando, dessa forma, mais uma opção de uso desta variável em países em desenvolvimento ao se estudar desigualdade social e saúde.

 

AUTOR (ª): Christiane Carmem Costa do Nascimento

TÍTULO: Relação Entre Concentração Sérica de Retinol, Consumo Dietético Habitual de Vitamina A e Proteína C-Reativa em Idosos: Um Estudo de Base Populacional

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

DATA: 12/03/2010

RESUMO: O envelhecimento da população foi um dos principais resultados das tendências demográficas populacionais durante o século XX. As mudanças anatômicas e funcionais próprias do envelhecimento podem levar a deficiências específicas de nutrientes. A vitamina A exerce ação essencial em inúmeras funções fisiológicas e as concentrações séricas dos retinoides estão relacionadas à resistência orgânica contra infecções. Pesquisas direcionadas ao diagnóstico da deficiência de vitamina A devem incluir a análise da concentração sérica de marcadores inflamatórios de fase aguda, como a proteína C-reativa, com a finalidade de possibilitar uma melhor expressão do estado vitamínico A. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a importância do consumo alimentar habitual de vitamina A nas concentrações séricas de retinol em idosos. Estudo epidemiológico transversal, de base populacional, realizado em João Pessoa/PB/Brasil no período de 2008-2009, com 212 indivíduos de 60 e 90 anos de idade, de ambos os gêneros. Coletou-se dados de consumo alimentar habitual, retinolemia e Proteína C-Reativa (PCR), além de aspectos socioeconômicos e antropométricos. A mediana de consumo de vitamina A foi de 1643,40 µg RAE/dia (p25 = 1112,20 - p75 = 2430,80). A concentração média de retinol sérico foi de 1,91 ± 0,68 µmol/L. Não houve correlação entre concentração de PCR com o retinol sérico (r = 0,061/ p = 0,424), nem com o consumo alimentar habitual de retinol (r =0,000/ p = 0,932). No entanto, houve relação direta entre o consumo e os valores séricos de retinol (r =0,173 /p = 0,025). Apenas 3,98% (IC95% 6,88 – 1,08) dos indivíduos apresentaram concentrações de retinol sérico inadequados (< 1,05 µmol/L), e 12,4% (IC95% 17,36 – 7,44) consumo de vitamina A inadequado (< 625µg, gênero masculino e < 500µg, feminino). Na população de idosos do município de João Pessoa/Paraíba/Brasil evidenciou-se adequado estado de retinolemia, e de consumo alimentar habitual de vitamina A e não encontrou-se correlação entre concentração de PCR com retinol sérico e dietético, provavelmente por tratar-se de idosos sem quadro agudo de infecção ou com ausência de doenças crônicas descompensadas. Destaca-se no presente estudo, a influência do consumo alimentar de vitamina A pré-formada nas concentrações séricas de retinol, o que parece ser uma estratégia efetiva no combate a hipovitaminose A nesta população.

 

 AUTOR (ª): Geovanna Torres de Paiva Bandeira

 TÍTULO: Relação Entre Renda Familiar e Consumo Alimentar Habitual de Vitaminas com ação Antioxidante na População Infantil: Um Estudo de Base Populacional

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

 DATA: 12/03/2010

 RESUMO: As práticas alimentares de crianças estão fortemente condicionadas ao poder aquisitivo das famílias, do qual dependem a disponibilidade, a quantidade e a qualidade dos alimentos consumidos, influenciando diretamente no consumo alimentar habitual de vitaminas, com ação antioxidante, importantes para a prevenção de doenças crônicas e carenciais específicas. Este estudo objetivou analisar a relação entre renda familiar e consumo alimentar habitual de β-caroteno, vitamina C e vitamina E de crianças do município de João Pessoa/PB, Brasil. Estudo de base populacional, de corte transversal, realizado no município de João Pessoa/PB, envolvendo os cinco Distritos Sanitários delimitados pela Secretaria de Saúde do Município. Avaliou-se 183 crianças na faixa etária de 2 a < 10 anos em uma amostragem estratificada por nível de renda representativa da população de João Pessoa. O instrumento de pesquisa constituiu-se de questionários abordando variáveis sócio-econômicas, demográficas, epidemiológicas, antropométricas e de consumo alimentar. Analisaram-se os resultados com o Software R, por meio da estatística descritiva (média, mediana, desvio-padrão, frequência simples e relativa e percentual) e inferencial (correlações e regressões). Houve predominância do gênero masculino (55,29%), das classes de renda E (até US$ 428.64) e C (> US$ 622.31 - US$ 2,682.93) e de mães que   estudaram 9 anos ou mais. Quanto ao consumo de vitaminas, houve baixa inadequação de vitamina C (7,65%) e elevada inadequação de vitamina E (59,41%), sendo esta mais frequente na faixa etária de 4 a 8 anos (32,94% das crianças). Houve uma correlação inversa entre renda e consumo energético (r = -0,1525, p<0,05) e entre renda e consumo de vitamina E (r = -0,3, p< 0,05). A relação entre renda e escolaridade materna (p< 0,05), entre renda e consumo de β-Caroteno e entre renda e consumo de vitamina C foi significativamente positiva (r = 0,33 e r =0,28, respectivamente, p< 0,05). Conclui-se que o consumo de vitaminas com ação antioxidante está positivamente relacionado com a renda familiar, no que se refere à Vitamina C e ao β-Caroteno, e negativamente no que se refere à Vitamina E e calorias.

 

 AUTOR (ª): Vanessa Vieira Lopes Borba

 TÍTULO: Proteína C-Reativa e Síndrome Metabólica em Crianças e Adolescentes Obesos e não Obesos: Relação com o Consumo Alimentar

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rosália Gouveia Filizola

 DATA: 27/07/2010

 RESUMO: A Síndrome Metabólica (SM) consiste em um conjunto de anormalidades metabólicas,descritas inicialmente em adultos, mas encontrada também na população pediátrica. As suas características englobam: obesidade, hipertensão arterial sistêmica, dislipidemia, intolerância à glicose e resistência insulínica. Todos esses fatores estão relacionados a questões genéticas,de comportamento alimentar e de hábitos de vida. A Proteína C Reativa (PCR), um marcador de atividade inflamatória, vem sendo relacionada como preditor de doenças cardiovasculares, e apresentam interrelações com alguns dos critérios da síndrome metabólica. Apesar desta síndrome não ter consenso em seu diagnóstico em crianças e adolescentes, faz-se a sua adaptação daqueles critérios utilizados para os adultos. Este estudo teve o objetivo de analisar a frequência e as características da síndrome metabólica em crianças e adolescentes obesos e não obesos, correlacionando-as com níveis de PCR, consumo alimentar e resistência insulínica. Selecionaram-se dois grupos, pareados por sexo e idade: um de 65 crianças e adolescentes entre oito e quinze anos, obesos, e o outro com 30 não obesos. Foram excluídos da amostra portadores de endocrinopatias e uso de fármacos que interferissem no metabolismo intermediário. Realizaram-se as medidas antropométricas de peso, altura, índice de massa corporal (IMC) e circunferência de cintura, além da verificação da pressão arterial. Também se realizaram as dosagens bioquímicas, o ensaio ultra-sensível para análise do PCR e a determinação da resistência insulínica, calculada pelo Homeostasis Model Assessment (HOMA-IR). Dentre as diversas propostas para definição da síndrome metabólica, selecionou-se aquela adaptada por Cook et al. Aplicou-se um questionário de frequência de consumo alimentar e processaram-se os dados pelo programa Dietsys. O valor médio do grupo de obesos foi: idade de 10,61(±1,8) anos e IMC de 28,18(±4,13) kg/m², já no grupo dos não obesos, idade média de 10,8 (±2,1) anos e IMC de 17,79 (±2,2) kg/m². A frequência de síndrome metabólica foi de 49% nos obesos e de 6% nos não obesos, não havendo diferença significativa entre sexo, idade ou estadiamento puberal e a SM. No grupo de obesos, os valores de PCR, circunferência abdominal, pressão arterial sistêmica, IMC e as médias de triglicerídeos, foram significativamente maiores. Ainda houve significância estatística entre LDL, glicemia de jejum, HOMA-IR e baixos níveis de HDL. Comparando as médias de consumo alimentar entre esses grupos, houve diferença significativa entre as variáveis: calorias ingeridas, potássio, sódio, proteínas, fibras, zinco e magnésio, apresentando-se maiores no grupo obeso. Ao se aplicar o modelo de regressão linear múltiplo foi encontrada uma relação linear entre PCR (variável independente) e IMC (dependente) com p-valor = 0,0000. O mesmo não foi verificado com índice HOMA-IR, ou com os outros componentes da SM. A Síndrome Metabólica parece ter a obesidade como epifenômeno, a partir da qual os seus outros componentes se associam. Os níveis de PCR se correlacionam diretamente com a obesidade, por meio do IMC, podendo integrar o elenco de critérios no diagnóstico da SM nessa população. A resistência insulínica medida pelo índice HOMA-IR não se constitui parâmetro de síndrome metabólica na criança e no adolescente.

 

 AUTOR (ª): Maria Clerya Alvino Leite

 TÍTULO: Caracterização Nutricional e Atividade Biológica de Folhas Orgânicas de Cenoura (Daucus carota L.)

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Tatiane Santí Gadelha

 DATA: 15/12/2010

 RESUMO: Os vegetais folhosos nao convencionais podem ser utilizados na alimentacao humana em quantidades adequadas como fonte alternativa de nutrientes. Entretanto, antes de seu consumo, deve-se levar em conta sua composicao nutricional, que depende de sua biodisponibilidade e ausencia de citotoxicidade e fatores antinutricionais. Neste estudo, folhas de cenoura foram analisadas para se determinar a composicao centesimal, fatores antinutricionais e atividade hemolitica, antibacteriana e antifungica. A composicao centesimal e o teor de fatores antinutricionais (lectinas, taninos e saponinas) foram determinados na folha fresca, branqueada, cozida e liofilizada. Para a extracao das proteinas, foram utilizadas seis solucoes sob agitacao constante durante 3 horas a temperatura de 25oC, obtendo-se o extrato bruto. O ensaio de hemaglutinacao foi determinado por meio de diluicao duplo-seriada do extrato em tubos de ensaio contendo solucao salina e eritrocitos a 3% de sangue humano A, B e O e de coelho. Foi investigada a especificidade da lectina por acucares utilizando inibição com diversos carboidratos simples. O teor de proteinas soluveis foi realizado pelo metodo de Bradford. A inativacao da lectina foi testada com o extrato bruto com uma variacao de Ph (2,08 a 13,08) e temperatura (40 a 100oC). O extrato proteico foi precipitado com sulfato de amonio a 80% de saturacao, obtendo a fracao ativa (0-80). Esta foi submetida a cromatografia de afinidade (estroma-poliacrilamida) e utilizada na verificacao da resistencia da lectina frente a agentes quelantes, desnaturantes, redutores, oxidantes e enzimas proteoliticas (tripsina, papaina e bromelaina). Apos tratamento da lectina com estes agentes, realizou-se teste de atividade hemaglutinante (AH). Os taninos totais foram determinados usando o acido tânico como padrao e a atividade hemolitica para a procura de saponina. Realizaram-se testes de atividade antibacteriana, antifungica e hemolitica com a fracao proteica. A AH foi melhor verificada quando se utilizou NaCl 0,15 M. Dentre os eritrocitos testados a lectina aglutinou preferencialmente os de coelho tratado e nao tratado com enzimas proteoliticas (154,26 UH/mgP), apresentando especificidade pelos carboidratos lactose, galactose e arabinose. Verificou-se que a lectina e inativada em temperaturas, a partir de 100oC e em pH acido 2,08. A amostra lectinica se mostrou resistente a acao de enzimas proteoliticas, agente redutor, oxidante e desnaturante por 30 minutos. Porem, a perda total da AH ocorreu com a administracao do quelante no dia e do agente desnaturante apos overnight. Na presença de ions isolados a AH foi mantida. A cromatografia mostrou um pico que apresentou AH e o perfil proteico das frações e dos picos ativos e não ativos foram submetidos a eletroforese em gel de poliacrilamida em presença de dodecil sulfato de sodio (SDS) indicando uma purificacao parcial. Os teores de taninos totais variaram de 0,16% para folha cozida a 0,60% para a folha fresca. A pesquisa de saponina foi negativa na amostra analisada. A fração proteica nao apresentou efeito inibitorio sobre o crescimento de fungos dermatofitos, todavia, apresentou atividade contra Staphylococcus aureus e Escherichia coli com uma concentração inibitoria minima de 1,9 μg/mL de proteina. As amostras testadas nao causaram efeito hemolitico frente a eritrocitos humanos A e B. Conclui-se a partir do presente estudo, que as folhas de cenoura possuem propriedades nutricionais que a habilitam para consumo. Possui ainda fatores antinutricionais que sao inativados pelo calor.

 

 AUTOR (ª): Rafella Cristhine Pordeus Luna

 TÍTULO: Relação Entre Níveis Glicêmicos, Proteína C-Reativa, Índice de Massa Corporal e Retinol Sérico e Dietético em Idosos: Um Estudo de Base Populacional

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

 DATA: 02/02/2011

 RESUMO: A avaliação da situação de saúde do idoso se torna cada vez mais relevante para a identificação das alterações que acompanham o envelhecimento e se refletem no estado nutricional. A hiperglicemia, a deficiência de vitamina A e a inflamação são aspectos importantes a serem abordados no que diz respeito à prevenção e controle de doenças crônicas. Em estudos com ratos verificou-se que a vitamina A exerce função na manutenção da glicemia, por outro lado, em humanos na idade adulta não foi observado consenso quanto a essa relação. Neste contexto, a presente pesquisa teve como objetivo principal avaliar a relação entre níveis glicêmicos, proteína c-reativa (PCR), índice de massa corporal (IMC) e retinol sérico e dietético na população idosa, procurando contribuir para um melhor entendimento sobre estas relações. Adotou-se delineamento epidemiológico transversal, de base populacional, utilizando-se uma amostragem estratificada representativa da população de idosos do município de João Pessoa/Paraíba/Brasil. Participaram do estudo 163 idosos com idade entre 60 e 90 anos, de diferentes condições socioeconômicas, portadores ou não de doenças crônico-degenerativas, exceto diabetes, e em uso ou não de medicamentos. Aplicaram-se questionários para obtenção de informações socioeconômicas, demográficas, epidemiológicas e de consumo alimentar e realizou-se avaliação nutricional e análises bioquímicas. Observou-se que a maioria dos idosos avaliados apresentou valores glicêmicos de jejum, retinol sérico e dietético e PCR adequados, o que pode ter influenciado a falta de relação múltipla entre essas variáveis (p > 0,05). As correlações significativas encontradas foram PCR com IMC (r = 0,22, p = 0,0082) e PCR com consumo energético (p = 0,0091). Com base nos resultados encontrados pela primeira vez em idosos, referentes à falta de relação entre as variáveis mencionadas, deve-se manter a ingestão diária atualmente estabelecida de vitamina A, até que se tenham resultados mais consistentes para subsidiar a necessidade ou não de modificações quanto à recomendação dessa vitamina no tratamento e prevenção de alterações da glicemia de jejum e da obesidade em idosos.


 AUTOR (ª): Laura Camila Pereira Liberalino

 TÍTULO: Consumo de Alimentos Entre Adolescentes de Comunidades Pesqueiras do Rio Grande do Norte (RN)

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira

 DATA: 03/02/2011

 RESUMO: O consumo alimentar é um método indireto de avaliação do estado nutricional e pode contribuir como indicativo precoce para intervenções nutricionais em saúde pública, bem como fornecer subsídios para as políticas nacionais de alimentação e nutrição. As práticas alimentares e o consumo alimentar inadequados, ao atingir crianças e adolescentes, podem relacionar-se com maior probabilidade de morbi-mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis quando adultos. O objetivo deste estudo foi identificar as práticas alimentares e avaliar o consumo dietético entre adolescentes de comunidades pesqueiras do Rio Grande do Norte, na tentativa de verificar a sua (in)segurança nutricional, bem como, conhecer a ingestão energética, analisar possíveis associações entre a inadequação dos macronutrientes com o sexo e a faixa etária, estimar a prevalência de ingestão inadequada de micronutrientes e identificar práticas alimentares em torno do consumo de pescado. Trata-se de um estudo transversal com 201 adolescentes entre 10-19 anos, de comunidades pesqueiras do município de Macau-RN, 2008. As práticas alimentares referentes ao consumo de pescado foram identificadas por um questionário estruturado. O consumo alimentar foi obtido por recordatório de 24 horas, com auxílio de um registro fotográfico de alimentos e utensílios. As informações dietéticas foram ajustadas pela variabilidade intra e interpessoal, conforme a Iowa State University. Para estimar o gasto energético total dos adolescentes, utilizou-se a equação da Estimated Energy Requirement (EER). A análise dos carboidratos, proteínas, vitaminas e os minerais fósforo, magnésio, zinco e ferro, realizou-se pela Estimated Average Requirement (EAR); fibras, cálcio e sódio, pela Adequate Intake (AI); lipídios totais, pelos Acceptable Macronutrient Distribuition Ranges (AMDR) e o teor e qualidade das gorduras, pelas recomendações da Academia Americana de Pediatria. Foram calculadas estatísticas descritivas e as diferenças entre medianas verificadas pelo teste de Kruskal-Wallis. Para detectar associações entre variáveis, utilizou-se a Razão de Prevalência (IC95%), o teste de Mantel-Haenszel (p-valor < 0,05) e regressão logística múltipla entre nutrientes selecionados e as variáveis sexo e faixa etária. A faixa etária predominante foi de 10-13 anos (70,1%) e o sexo foi o masculino (59,2%). O modo de preparo do pescado mais utilizado foi a fritura (peixes: 76,8%; mariscos: 46,1%), com consumo per capita médio de 94g. A maior prevalência de inadequação foi o consumo excessivo de lipídios (meninas: 47,6%; meninos: 26,0%; RP=1,95, IC95%1,25-3,04) e de ácidos graxos saturados (meninas: 24,4%; meninos: 10,1%; RP=2,42, IC95% 1,25-4,67). Os adolescentes de 14-18 anos tiveram 3,05 (IC95% 1,35-6,93) mais chances de consumir ácidos graxos saturados acima da recomendação do que os de 10-13 anos. As maiores prevalências de inadequação para os micronutrientes com consumo inferior foram para o fósforo entre o sexo feminino (80%) e o magnésio entre o sexo masculino (98%). As prevalências de inadequação de lipídios totais e ácidos graxos saturados elevados, nas meninas e nos adolescentes de 14-18 anos, poderão representar indicador precoce para o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis nesta população. A exposição à insegurança nutricional presente em parcela significativa dos macronutrientes e dos micronutrientes, poderá fornecer elementos para o controle da ingestão dietética adequada e para a prevenção de distúrbios nutricionais e doenças crônicas não transmissíveis, entre os adolescentes da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, Macau, RN (Brasil).

 

 AUTOR (ª): Alana Moura Quintans

 TÍTULO: Anemia em Gestantes: Avaliação das Usuárias das Unidades Básicas de Saúde do Município de Cabedelo – Paraíba

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira

 DATA: 03/02/2011

 RESUMO: A anemia é uma das deficiências nutricionais mais comuns no mundo, sendo mais prevalente em crianças, adolescentes, gestantes e idosos. O presente trabalho determinou a prevalência da anemia em gestantes e sua associação com aspectos socioeconômicos e o estado nutricional. Foi realizado um estudo observacional transversal com 130 gestantes acompanhadas no pré-natal das unidades de saúde da família do município de Cabedelo-PB, através de uma entrevista estruturada com questões sobre a gestação e dados socieconômicos, e uma avaliação antropométrica. Os dados bioquímicos foram obtidos através dos prontuários. As gestantes com nível de hemoglobina inferior a 11g/dl foram consideradas anêmicas. Para análise estatística dos dados, utilizou-se o SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 15.0. O nível de significância adotado nas decisões dos testes estatísticos foi de 5%, sendo utilizado o t-Student com variâncias iguais, t-Student com variâncias desiguais, t-Student pareado, Mc-Nemar e Qui-quadrado de Pearson e o teste Exato de Fisher. Observou-se a prevalência de anemia em 17,7% das gestantes, com uma média de hemoglobina de 12,28±1,56 g/dl e de hematócrito de 37,96±5%. A maior prevalência aconteceu no grupo de gestantes mais jovens (≤ 34 anos), que estudaram até o ensino fundamental (22,7%), e possuíam uma renda mensal de até um salário mínimo (19,2%), pertencentes às camadas econômicas mais baixas (18,8%). O percentual de gestantes com anemia foi mais elevado entre as que receberam suplementação de ferro, do que entre as que não receberam (22,2% x 7,5%), sendo a única variável com uma associação significativa (p < 0,05). O número de gestamtes que durante a gestação encontravam-se em estado nutricional de baixo peso/adequado foi o mais prevalente relacionado à ocorrência da patologia (22,1%). Concluiu-se que mesmo tendo encontrado uma leve prevalência, a anemia é um problema que ainda se faz muito presente durante a gestação, existindo uma necessidade de ampliar reforços direcionados a este grupo populacional.

 

 AUTOR (ª): Elida Mara Braga Rocha

 TÍTULO: Segurança Alimentar e Nutricional de Crianças do Semi-Árido Brasileiro e sua Relação Socioeconômico e de Saúde

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Roberto Teixeira de Lima

 DATA: 07/02/2011

 RESUMO: As prevalências de insegurança alimentar (IA) são mais acentuadas no Norte e Nordeste do que no restante do Brasil, demonstrando a estagnação das desigualdades regionais históricas. A região do semi-árido se destaca por evidenciar as mais desfavoráveis condições de vida. Assim, o objetivo dessa pesquisa foi avaliar a situação de segurança alimentar e nutricional de crianças menores de cinco anos de idade, residentes no município de Crato, região do Cariri Cearense. Foram analisados dados socioeconômicos, demográficos, assistência de saúde e situação nutricional por meio de questionário pré-codificado e situação de segurança alimentar e nutricional a partir da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA). A pesquisa teve um desenho do tipo transversal, de amostragem probabilística por conglomerado. As unidades amostrais, em primeiro plano, foram as Unidades Básicas de Saúde, obtidas por sorteio aleatório simples. Em segundo plano, envolveu as crianças que foram vacinadas no “Dia D” da segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação, em 14 de agosto de 2010, por amostragem sistemática. Foi realizada associação entre as condições sócio-econômicas, condições de saúde e de nutrição com a situação de insegurança alimentar por meio de teste Qui-Quadrado (c2), fixando o p < 0,05. As Razões de Chance (RC), Intervalo de Confiança de 95% e respectivos valores de p foram calculados para regressão logística múltipla, haja vista a análise de fator de risco para IA. Os resultados são referentes a 370 responsáveis de crianças, emonstrando que 58,1% das famílias se encontravam em IA, sendo 33,2% com IA Leve. Na área rural as chances de IA foram maiores que na área urbana (RC=2,2), porém, a gravidade de IA foi maior na área urbana (7,9%), com p<0,05. As condições de baixa escolaridade e cor não-branca do responsável, baixa renda per capita, baixa classificação social, utilização de benefício social, elevado número de moradores e crianças menores de cinco anos por domicílio foram significativamente associadas a IA. A regressão logística apontou como indicadores de maior impacto para IA: no nível socioeconômico, a renda familiar per capita; no nível de assistência em saúde, a visita do Agente Comunitário de Saúde e cobertura da Estratégia Saúde da Família, pré-natal com número de consultas insuficientes e falta de educação alimentar; e, no nível de morbidades, destaca-se a ocorrência de febre e tosse nos últimos 15 dias. Não houve associação de desnutrição nem de sobrepeso com a IA, mas foi observada a alta prevalência de sobrepeso em detrimento da desnutrição, caracterizando a rápida transição nutricional presente também nesta região. Assim, a EBIA se mostrou como indicador de vulnerabilidade social, dissociado dos distúrbios nutricionais. Apesar disso, percebe-se a necessidade de programas direcionados à educação alimentar dessas famílias e adequação das ações sociais e de saúde para as populações em IA.

 

 AUTOR (ª): Taiz Siqueira Pinto

 TÍTULO: Caracterização Fenotípica de Cepas de Staphylococcus aureus Isoladas de Queijos Ricota

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. José Pinto de Siqueira Júnior

 DATA: 07/02/2011

 RESUMO: Este estudo teve como objetivo isolar cepas de Staphylococcus aureus de queijos ricota e caracterizá-las com relação a marcadores fenotípicos de atividade lipolítica, bacteriocinotipagem e resistotipagem. Para o isolamento, foram adquiridas 11 amostras de queijo ricota de diferentes marcas comercializadas em supermercados da cidade de João Pessoa-PB. Entre as 41 cepas isoladas, 82,9% revelaram-se lipase positiva (Lip+) e 17,1%, lipase negativa (Lip-). Com relação à bacteriocinotipagem, 9,76% mostraram-se produtoras de bacteriocinas frente a uma cepa de Staphylococcus aureus isolada de superfícies de processamento de alimentos e 55% mostraram-se sensíveis a uma cepa de Staphylococcus aureus isolada de queijo ricota. Para resistotipagem, 87,8% das cepas apresentaram-se resistentes a estreptomicina, 26,59% a penicilina e 19,51% a eritromicina. Nenhuma das cepas foi resistente a tetraciclina. Observou-se a variabilidade entre as Concentrações Inibitórias Mínimas, tanto em cepas resistentes como sensíveis, sendo tal variabilidade mais predominante com penicilina (variação de 0,015625 a 16 µg/mL), bem como a variabilidade entre cepas do mesmo queijo. Apenas cepas resistentes a eritromicina foram submetidas ao “D-teste” a fim de determinar o tipo de resistência, das quais todas as cepas mostraram-se com resistência indutiva. A partir dos resultados obtidos, pode-se concluir que embora os fenótipos revelem uma resposta adaptativa relacionada às peculiaridades das pressões ambientais locais, é evidente a importância destes marcadores genéticos a fim de se distinguir novas linhagens de S. aureus daquelas endêmicas, bem como investigar possíveis impactos epidemiológicos e na segurança alimentar.

 

 AUTOR (ª): Quênia Gramile Silva Meira

 TÍTULO: Capacidade de Adesão, Formação de Biofilme e Resistência a Sanitizantes de Cepas de Staphylococcus aureus Isoladas de Serviços de Alimentação

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Evandro Leite de Souza

 DATA: 11/02/2011

 RESUMO: O presente estudo teve como objetivo avaliar a capacidade de adesão, a cinética de separação, a formação de biofilmes de cepas de S. aureus isoladas de diferentes Serviços de Alimentação e Nutrição da cidade de João Pessoa – PB, quando cultivadas em caldo substrato base carne e caldo substrato base vegetais, e incubadas em temperaturas de 28ºC e 7ºC por um tempo prolongado (24–72 h) além de avaliar o efeito da aplicação dos sanitizantes hipoclorito de sódio (250 mg/L) e ácido peracético (30 mg/L) em inativar células bacterianas na matriz do biofilme previamente formado. Nestes experimentos foram utilizadas como superfícies-testes minisuperfícies (3 x 3 cm) de polipropileno e de aço inoxidável AISI 304, visto que tais materiais são amplamente utilizados na composição de superfícies, equipamentos e/ou utensílios utilizados nos variados tipos de serviços de alimentação. Os resultados mostraram uma alta capacidade de adesão das cepas avaliadas em caldo substrato base carne e em caldo substrato base vegetal com contagens superiores a 5 log UFC/cm2, independente do tipo de superfície e a temperatura de incubação. O descolamento das células nas superfícies foi de pelo menos 103 UFC/cm2 durante os 6 primeiros contatos com o ágar para os dois tipos de substrato utilizados, caracterizando uma alta persistência durante um tempo prolongado de incubação (24 a 72h). Não foi encontrada uma clara influência em relação à superfície e a temperatura utilizada na avaliação da capacidade de adesão. Em geral, para os dois tipos de substratos utilizados foi demonstrado um padrão de formação de biofilme semelhante, ao final de 15 dias de incubação, quando as cepas foram submetidas às diferentes combinações de tipos de superfícies e temperaturas de crescimento. O número de células (105 – 107 UFC/cm2) necessários para a formação do biofilme foi observado em todos os sistemas experimentais já após 3 dias de incubação seguidos de uma redução linear após o 6º dia, com exceção da cepa S28 cultivada em caldo substrato base vegetais, que apresentou valores em torno de 104 UFC/cm2 nas primeiras 24h de incubação. Um intervalo de 2,6 – 3,7 log UFC/cm2 para as cepas incubadas em caldo substrato base carne e de 2,0 – 3,3 log UFC/cm2 para as cepas incubadas em caldo substrato base vegetal foi observado na redução das células na matriz do biofilme causado pelo ácido peracético enquanto que pelo hipoclorito de sódio a redução foi da ordem de 2,1 – 2,7 log UFC/cm2 e de 1,5 – 2,1 UFC/cm2 para cepas cultivadas em caldos substrato base carne e vegetais, respectivamente. A partir dos resultados obtidos, pode-se concluir que as cepas testadas evidenciam uma elevada capacidade de adesão e formação de biofilme em superfícies de contato de alimentos quando expostas a diferentes meios de cultura e características ambientais. Alem disso, os sanitizantes utilizados, apesar de reduzirem o número de células aderidas às superfícies, demonstraram ineficácia na remoção de células da matriz do biofilme tendo em vista o número de células viáveis encontradas após o processo de aplicação dos sanitizantes.

 

 AUTOR (ª): Mayara Queiroga Barbosa

 TÍTULO: Efeito do Consumo de Dietas Elaboradas com Mortadelas Defumadas e Não Defumadas Sobre o Perfil Lipídico e Aspectos Histopatológicos do Fígado e do Cólon Intestinal de Ratos

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. João Andrade da Silva

 DATA: 15/02/2011

 RESUMO: O maior consumo de produtos cárneos processados em relação à carne vermelha pode elevar o risco da incidência do câncer de cólon e/ ou reto e próstata. Apesar de várias evidências desta relação são necessárias mais pesquisas para indicar quais alimentos estão envolvidos com esse risco e contribuir para esclarecimento dos mecanismos da relação entre os compo-nentes da dieta e o desenvolvimento dessas doenças. Visando colaborar com mais informa-ções sobre esse importante tema, esta pesquisa foi realizada com o objetivo de, a partir do modelo experimental em animais, avaliar o efeito do consumo de dietas elaboradas com mor-tadelas defumadas e não defumadas sobre os parâmetros bioquímicos e os aspectos histopato-lógicos das células hepáticas e de cólon intestinal de ratos (wistar) machos. Foram utilizados 30 ratos com 90 dias de vida distribuídos em três grupos. O grupo Controle recebeu dieta pa-drão com caseína, o grupo Tradicional consumiu dieta elaborada com mortadela Bologna tra-dicional, como fonte de proteínas que foi completada pela caseína e o terceiro grupo consumi-ram a dieta elaborada com mortadela Bologna defumada também como fonte de proteína que foi completada com caseína (grupo Defumado), as dietas experimentais foram ofertadas diari-amente por um período de 90 dias. Foram realizadas a análise da composição centesimal e identificação de ácidos graxos das mortadelas. Durante o experimento, semanalmente reali-zou-se avaliação do consumo semanal e ganho de peso dos animais. Após o período de 90 dias os animais foram pesados e anestesiados para coleta de sangue para análise das frações lipídicas plasmáticas. Foi realizada excisão, limpeza e pesagem do fígado, baço e gordura visceral e realizada análise histopatológica do fígado e cólon intestinal. A mortadela tradicio-nal e a mortadela defumada continham respectivamente 15,27% ± 1,35 e 15,85% ± 1,89 de proteínas, 26,19% ± 0,43 e 25,38% ± 0,272 de gordura, 2,46% ± 0,049 e 3,075% ± 0,45 de carboidratos, 2,65% ± 0,507 e 3,085% ± 0,45 de resíduo mineral fixo. A proporção de ácidos de graxos monoinsaturado:polinsaturado:saturado (M:P:S) detectado foi 2,7: 1: 2,2 na morta-dela tradicional e 2,6: 1: 2,1 na mortadela defumada, não apresentando proporção recomenda-da. O consumo de dietas apresentou diferenças significativas entre os grupos e entre as sema-nas. O peso corporal dos animais do grupo defumado e tradicional aumentou de forma estável com o tempo e o grupo controle apresentou oscilações. Os níveis das frações lipídicas plasmá-ticas foram maiores nos animais do grupo defumado. Conclui-se que a qualidade e a proporção dos ácidos graxos monoinsaturado:polinsaturado:saturado (M:P:S) presentes nos dois tipos de mortadelas contribuíram significativamente para estes resultados e que, apesar de a composição de ácidos graxos serem semelhantes, os animais que consumiram a dieta conten-do mortadela defumada apresentaram maior desequilíbrio no perfil lipídico, que pode ter sido ocasionado pelo maior consumo da dieta. Com relação as análise histopatológica do fígado, no grupo defumado foi observado maior concentração de infiltrado mononuclear no espaço porta hepático, que pode ter sido ocasionado pela presença de substâncias químicas presente na mortadela defumada pela deposição da fumaça liquida.

 

 AUTOR (ª): Bárbara Melo Santos

 TÍTULO: Elaboração e Caracterização de Queijo de Leite de Cabra “Tipo Coalho” com Inclusão de Leite de Vaca

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rita de Cássia Ramos do Egypto Queiroga

 DATA: 17/02/2011

 RESUMO: O emprego de novas tecnologias de beneficiamento de produtos lácteos da caprinocultura leiteira pode contribuir no incremento do setor agropecuário das regiões produtoras, em especial as microrregiões do Nordeste brasileiro. Nesta pesquisa objetivou-se estudar o efeito da inclusão de leite bovino na fabricação de queijo de leite de cabra “tipo coalho” a fim de propor a fabricação de um novo produto no mercado. O estudo foi desenvolvido em dois experimentos distintos. No primeiro experimento, os produtos lácteos foram preparados variando-se cinco proporções de mistura de leite: (Q1) leite de cabra; (Q2) leite de cabra e de leite de vaca - 3:1; (Q3) leite de cabra e leite de vaca - 1:1; (Q4) leite de cabra e leite de vaca - 1:3 e (Q5) leite de vaca, nos quais se aplicou o delineamento inteiramente casualizado com cinco proporções e três repetições (ensaios) em um único período de estocagem (7 dias de maturação). Foram realizadas análises microbiológicas (matéria-prima e queijos), colorimétricas, derretimento, rendimento, composição (matériaprima e queijos) e sensorial. No segundo experimento, os queijos foram elaborados com três formulações distintas, variando-se o tipo de leite: (QLV) leite de vaca, (QLVC) leite de vaca e leite de cabra - 1:1 e (QLC) leite de cabra, os quais foram estimados por meio de um modelo estatístico inteiramente casualizado com três proporções e três repetições (ensaios) ao longo de cinco tempos de armazenamento (1, 7, 14, 21 e 28 dias). O tipo de leite utilizado influenciou (P<0,05) na composição físico-química com teores mais elevados de gordura e sal; no perfil lipídico para os ácidos graxos C6, C8, C10, C12, C18:1n9c e C18:2n6c; na avaliação instrumental da textura, exclusivamente, na dureza e na colorimetria revelou o predomínio dos parâmetros a* e b*. Nos testes sensoriais para atributos: odor de leite de cabra e granulosidade nos queijos com maior proporção de leite caprino, destacando-se que no teste de aceitação todos os queijos fabricados expressaram escores médios acima do padrão estabelecido. Este estudo evidencia a qualidade e aceitação do produto elaborado, pelo desenvolvimento ou acentuação de substâncias benéficas, podendo assim, agregar valor e contribuir desta maneira para o crescimento do setor, por meio do aumento da produção de derivados lácteos caprino.

 

 AUTOR (ª): Eliseuda Marinho da Silva

 TÍTULO: Efeito do Consumo de Alimentos Ricos em Antioxidantes e Suplementação com Aminoácidos de Cadeia Ramificada na Evolução de Indivíduos com Cirrose Alcoólica

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

 DATA: 21/02/2011

 RESUMO: A cirrose caracteriza-se por uma distorção da arquitetura hepática com fibrose e o abuso do álcool é uma das principais causas de doença hepática no Ocidente. Considerando a importância de se buscar terapias que possam contribuir para uma melhora do quadro clínico em cirróticos hospitalizados, o objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito do consumo de alimentos ricos em antioxidantes e suplementação com aminoácidos de cadeia ramificada (ACR) na evolução de indivíduos com cirrose alcoólica. A pesquisa foi descritiva, randomizada, com 25 indivíduos cirróticos de etiologia alcoólica, do sexo masculino, com faixa etária entre 18 a 65 anos, distribuídos em dois grupos experimentais, o grupo 1: suplementado com 15g de aminoácidos de cadeia ramificada e consumo de cinco porções de frutas e cinco porções de vegetais/dia, grupo 2: suplementado com 12 g de albumina e consumo de cinco porções de frutas e cinco porções de vegetais/dia e um controle, grupo 3: suplementado com 12 g de albumina e consumo de três porções de frutas e duas porções de vegetais/dia. Todos foram avaliados antropometricamente pelo índice de massa corporal, dobra cutânea tricipital, circunferência do braço, circunferência muscular do braço e pela semiotécnica no grau de edemas dos membros inferiores e da ascite, também avaliados pelos exames laboratoriais e a gravidade da doença hepática antes e após a intervenção. Todas as dietas oferecidas foram calculadas de acordo com a rotina do hospital, verificado o consumo das suplementações e dos alimentos ricos em antioxidantes, como averiguado o resto-ingestão para obtenção do percentual de desperdício bruto dos alimentos. Verificou-se nos grupos 1 e 2 melhora dos escores de Child Pugh, acreditando-se que seja devido aos alimentos ricos em antioxidantes em comparação ao grupo 3. Observou-se significância da média estimada do peso ascítico em quilos do grupo 1 e 3 antes e não após a intervenção ( 6,00 ± 0,02 e 2,70 ± 2,72, P=0,041) e (5,00 ± 2,45 e 2,00 ± 3,10 , P=0,13), expondo que ambos os grupos reduziram a média estimada do peso ascítico após a intervenção, contudo os grupos eram diferentes inicialmente ao estudo e o grupo 1 tornou-se semelhante ao grupo 3 após a intervenção, sendo esse último menos grave quanto a ascite desde o início. Entre os grupos 2 e 3 observou-se que antes da intervenção não foi significativo a média estimada do peso ascítico em quilos (5,40 ± 1,55 e 2,70 ± 2,72, P= 0,13) e após a intervenção apresentou resultados significativos (6,00 ± 0,01 e 2,00 ± 3,10, P= 0,041), logo houve redução da média estimada do peso ascítico no grupo 3 e aumento no grupo 2, considerando que esse último grupo era o mais grave, segundo Child Pugh, inicialmente ao estudo. Conclui-se que a suplementação com ACR associado a alimentos ricos em antioxidantes promoveu uma melhora significativa na ascite dos indivíduos com cirrose alcoólica descompensada, contudo é necessário mais pesquisas que possam reduzir complicações, como ascite, comum na cirrose alcoólica com a finalidade de promover qualidade de vida, reduzir re-hospitalizações e mortalidade desses indivíduos.


 AUTOR (ª): Mussara Gomes Cavalcanti Alves Monteiros

 TÍTULO: Associação Entre Hipertensão Arterial, Retinol Sérico, Proteína C-Reativa e Consumo de Fibras Totais em Idosos: Estudo de Base Populacional

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

 DATA: 22/02/2011

 RESUMO: A população idosa representa hoje uma parcela significativa na maioria dos países, sendo suscetível às doenças crônicas não transmissíveis que pode estar associada ao estado vitamínico A e à presença de inflamação. O objetivo deste estudo foi, portanto, verificar a associação do retinol sérico, proteína C-reativa e consumo de fibras totais com hipertensão arterial, em idosos do município de João Pessoa. Trata-se de uma pesquisa epidemiológica transversal, de base populacional, com 212 indivíduos entre 60 a 90 anos de idade, de ambos os sexos, portadores ou não de doenças crônicas e em uso ou não de medicação hipotensora. O inquérito alimentar foi realizado por meio do Questionário Quantitativo de Frequência do Consumo Alimentar, o retinol sérico por cromatografia líquida de alta resolução e a proteína C reativa ultra-sensível (PCR-us) por aglutinação de partículas por látex; para a análise estatística foi aplicado o Teste Exato de Fisher, na qual adotou-se nível de significância de 5% para rejeição da hipótese de nulidade. A prevalência de hipertensão isolada foi de 48,08% e hipertensão associada a outras morbidades 51,92%; 97,85% dos idosos hipertensos e que faziam uso de hipotensores, apresentavam níveis adequados de retinol sérico (≥1,05 μmol/L), 89,13% apresentavam valores de PCR adequada (< 8,5 mg/dL para o sexo feminino e < 7,9 mg/dL para o sexo masculino) e 96,77% apresentavam consumo inadequado de fibras (≥30g/dia para sexo masculino e ≥ 21g/dia para sexo feminino). Não houve relação significativa entre valores séricos de retinol e hipertensão (p=0,1661) ou entre valores de PCR e hipertensão (p=0,557). Houve associação significativa entre o consumo inadequado de fibras e hipertensão (p=0,0035), sugerindo pela primeira vez em idosos de diferentes níveis socioeconômicos, com base na literatura consultada, que esse grupo de hipertensos deveria ser esclarecido quanto à função positiva do consumo adequado de fibras, o que auxiliaria o tratamento da hipertensão e consequentemente reduziria a quantidade de hipotensores utilizados por esta população. Conclui-se que mesmo considerando o consumo inadequado de fibras, a população idosa hipertensa apresentou, em sua maioria, valores séricos de retinol e de PCR-us adequados, provavelmente, esses valores não se elevaram por tratar-se de idosos hipertensos sem quadro agudo de inflamação ou de outras doenças crônicas descompensadas.

 

 AUTOR (ª): Fernanda Patrícia Torres Barbosa

 TÍTULO: Estado Nutricional Vitamínico A e sua Relação com Anemia em Idosos: Estudo de Base Populacional

 ORIENTADOR (ª): Profª Drª Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

 DATA: 23/02/2011

 RESUMO: O envelhecimento é um desafio do mundo atual. A deficiência de micronutrientes constitui um importante problema de saúde pública que afeta o bem-estar da população. As deficiências de ferro e de vitamina A, ocupam um papel mais relevante nos estudos epidemiológicos e na formulação de políticas públicas de saúde, alimentação e nutrição. A anemia é o distúrbio hematológico de maior prevalência que acomete a população idosa. Neste contexto, a presente pesquisa teve como objetivo principal investigar a relação entre o estado nutricional vitamínico A e a anemia na população idosa, procurando contribuir para um melhor entendimento sobre estas relações. Adotou-se delineamento epidemiológico transversal, de base populacional, utilizando-se uma amostragem estratificada representativa da população de idosos do município de João Pessoa/Nordeste/Brasil. Participaram do estudo 160 idosos, entre 60 e 90 anos, de diferentes níveis socioeconômicos, portadores ou não de doenças crônicodegenerativas e em uso ou não de medicamentos e suplementos. Aplicaram-se questionários para obtenção de informações socioeconômicas, demográficas, epidemiológicas e de consumo alimentar (QQFCA). Realizaram-se análise de retinol sérico por Cromatografia Líquida de Alta Resolução e hemograma por Impedância Elétrica. Para verificar correlação entre duas variáveis utilizou-se o Coeficiente de Correlação de Spearman. Evidenciou-se na maioria dos indivíduos de vários níveis socioeconômicos, valores adequados de retinol sérico (1,78 ± DP 0,68) e hemoglobina (13,00 ± DP 1,42) e alta prevalência de morbidades (79,63%). Houve correlação significativa entre baixos valores de hemoglobina e de escolaridade (p=0,0222), consumo de carnes e hemoglobina (p=0,0040) e entre consumo de ferro dietético e consumo de vitamina A dietética, carnes, vegetais e fibras (p<0,0001, respectivamente). Mesmo na ausência de correlação entre valores de hemoglobina, retinol sérico e consumo alimentar habitual de vegetais, frutas e fibras, destacam-se no presente estudo, a influência do consumo de carne nos valores de hemoglobina, como também, do consumo alimentar habitual de vitamina A, carnes, vegetais e fibras no consumo de ferro dietético, o que pode ter contribuído com os níveis adequados de retinol sérico e hemoglobina, nessa população.

 

AUTOR (ª): Talita Maria Alves Lopes da Silva

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de Zinco Sobre o Perfil Lipídico de Ratas Ovariectomizadas  Submetidas a Treinamento Físico com Carga

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Simone Bezerra Alves

DATA: 28/02/2011

RESUMO: A ovariectomia, extração dos ovários, contribui para a carência de estrogênio e desta forma é um bom modelo para representar a diminuição deste hormônio que ocorre na menopausa, tornando as mulheres mais propícias aos sintomas e doenças desta fase. Após a menopausa pode-se observar maior estresse oxidativo em mulheres, resultado do desequilíbrio do sistema imunológico, esse estresse oxidativo pode ocorrer devido à influência que o estrogênio tem sobre o sistema imune e sua ação antioxidante. Neste cenário o zinco é considerado um elemento importante, uma vez que ele atua como cofator de diversas enzimas antioxidantes. O objetivo desta pesquisa foi avaliar os efeitos da suplementação de zinco associada ou não ao treinamento físico com carga no perfil lipídico e massa esplênica de ratas ovariectomizadas. Trata-se de um estudo experimental com 60 ratas wistar que foram separadas em cinco grupos com 12 animais cada, sendo estes grupos denominados SHAM (não ovariectomizado e sem tratamento), OX-C (ovariectomizado sem tratamento), OX-Z (ovariectomizado suplementado com zinco), OX-TF (ovariectomizado submetido à atividade física) e OX-ZTF (ovariectomizado suplementado com zinco e submetido à atividade física). O protocolo consistiu de 04 séries de 10 saltos dentro da água, com temperatura controlada de 32 ± 2 ºC e a uma profundidade de 70 cm, e intervalo de 30 segundos entre as séries, foi utilizada uma sobrecarga acoplada em um colete específico. Nas primeira e segunda semanas de treinamento foi adicionada sobrecarga de 50% da massa corpórea das ratas, na terceira e quarta semanas, de 60%, quinta e sexta semana 70 % e nas duas últimas semanas 80% da massa corporal. O treinamento dos animais foi realizado três vezes por semana, durante o período de oito semanas, que coincidiu com o período de suplementação de zinco. Após a eutanásia, foram analisados perfil lipídico (colesterol total, LDL, HDL, VLDL, triglicerídeo), massa de órgãos (baço, coração e útero) e da gordura corporal. Os parâmetros foram analisados pelo teste-t não pareado e ANOVA univariada. Os resultados obtidos em relação à massa do útero e as dosagens de estradiol dos animais ovariectomizados foram significativamente menores em relação grupo controle. A supressão estrogênica provocou aumento no consumo de ração (p=0,0001) e massa corporal (p=0,0002), entretanto os grupos suplementados com zinco apresentou menores valores destes dados quando comparados com o grupo OX-C (p=0,0001/0,01 respectivamente). A massa do baço dos animais ovariectomizados sem nenhum tratamento foi significativamente maior que o SHAM (p=0,04), enquanto o grupo OX-ZTF, comparado com OX-C apresentou menor massa do baço (p=0,02). Observou-se que a supressão estrogênica elevou todas as concentrações séricas avaliadas, com diferença estatística apenas para as dosagens de colesterol total e LDL. O tratamento com zinco diminuiu as concentrações de VLDL e triglicerídeos e aumentou HDL, colesterol total e LDL. Já o treinamento físico diminui todas as dosagens, com exceção do HDL. Então pôde-se observar que o zinco associado ou não ao treinamento físico apresentou-se como uma opção para amenizar as desordens fisiológicas causadas pela supressão estrogênica no perfil lipídico de ratas ovariectomizadas.

 

 AUTOR (ª): Noádia Priscila Araújo Rodrigues

 TÍTULO: Utilização da Reação em Cadeia Polimerase (PCR) para Detecção de Leite Bovino em Leite Caprino

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Celso José Bruno de Oliveira

 DATA: 03/03/2011

 RESUMO: O leite caprino além de fornecer nutrientes indispensáveis ao funcionamento adequado do organismo humano tem ganhado espaço no mercado consumidor. Há uma necessidade premente de estudos que disponibilizem ferramentas para detecção de adulteração em leite caprino por adição de leite bovino, uma prática que tem se tornado reincidente. O presente trabalho teve como objetivo disponibilizar uma ferramenta para validação em espécies caprinas e bovinas brasileiras a técnica de reação em cadeia da polimerase, a qual obteve um limiar de detecção de 0,5%. E, utilizou o método a base de fenol-clorofórmio e um kit comercial para a realização da extração de DNA de melhor qualidade e grau de pureza. A técnica foi utilizada em amostras de leite de conjunto coletadas em usinas de beneficiamento de leite caprino da região ocidental do cariri paraibano e encontrou a presença de leite bovino em 37,5% das amostras.


AUTOR (ª): Raphaela Araújo Veloso Rodrigues

TÍTULO: Influência da Dieta a Base de Leite de Cabra com Teor Aumentado de Ácido Linoleico  Conjugado (CLA) Sobre o Peso Corporal, Parâmetros Bioquímicos e Aspectos Histopatológicos de Ratos  

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª . Rita de Cássia Ramos do Egypto Queiroga

DATA: 10/02/2012

RESUMO: O leite de cabra é um alimento de reconhecido valor nutricional e de importante potencial econômico. Suas características nutricionais revelam algumas vantagens sobre o leite de vaca, como melhor digestibilidade e menor potencial alérgico. Dentre os compostos com possível benéfico para a saúde humana presentes no leite de cabra, cita-se o ácido linoleico conjugado (CLA), ácido graxo encontrado, especialmente, nos produtos lácteos e cárneos oriundos de ruminantes. Ao CLA atribuem-se atividades biológicas como redução da gordura e peso corporal, com manutenção ou aumento da massa magra, proteção da função cardiovascular, melhora da sensibilidade à insulina e aumento da retenção de cálcio. Com a grande atenção dada ao composto, pesquisas vêm sendo desenvolvidas visando aumentar a quantidade de CLA no leite dos ruminantes. O intuito desta pesquisa foi avaliar a eficácia de um leite de cabra manipulado para ter maior quantidade de CLA em ratos Wistar machos. Um total de 36 animais foi dividido em três grupos, que receberam por dez semanas uma dieta baseada na AIN-93, cada grupo com diferente fonte de gordura, a saber: óleo de soja (grupo controle - CON), óleo de coco (OC) ou gordura do leite de cabra com alto teor de CLA (LC-CLA). O peso corporal e o consumo de ração foram registrados semanalmente, e ao final do período experimental os animais foram sacrificados, coletando-se amostras de sangue e removendo-se o fígado e o intestino para avaliação histopatológica. Com relação ao peso não foi verificada diferença entre os três grupos no início ou no final do experimento, sendo que, foi registrado para o grupo LC-CLA, os maiores pesos médios nas semanas iniciais do experimento. Os grupos OC e LC-CLA apresentaram uma tendência a um maior consumo de ração, não observada em todas as semanas. No grupo LC-CLA foi observada uma redução dos triglicerídeos séricos TG e da razão TG/HDL, e aumento do HDL e colesterol total (CT). A glicose sérica do grupo LC-CLA não diferiu do grupo CON, mas, foi significativamente maior em relação ao OC. Não foram encontradas alterações patológicas nas lâminas de intestino, sendo constatada esteatose hepática nos três grupos experimentais. Tais resultados mostram uma ação benéfica do leite de cabra com teor elevado de CLA sobre o perfil lipídico sérico em ratos, sem alteração significativa de glicemia, sugerindo uma provável ação funcional ao alimento. Entretanto, outros estudos ainda são necessários.

 

AUTOR (ª): Maria Clara Pereira Santana

TÍTULO: Iniciativa Hospital Amigo da Criança: Uma Avaliação a Partir das Concepções de Profissionais Quanto às Suas Práticas

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª . Alice Teles de Carvalho

DATA: 16/02/2012

RESUMO: O aleitamento materno, além de fonte de nutrição completa para o crescimento e desenvolvimento das crianças, é considerado a estratégia isolada que mais reduz a mortalidade infantil. A prática da amamentação pode, ainda, reduzir o risco de morbidades para a criança e para a mãe, além de propiciar interação física e afetiva entre ambos. Com base nessas perspectivas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) criaram a Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC), cujo objetivo é promover, proteger e apoiar o aleitamento materno por meio da mobilização de toda a equipe hospitalar que trabalha com mães e lactentes. No Brasil, a IHAC faz parte do elenco de programas que compõem a Política Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno e configura-se como uma relevante estratégia de impacto positivo na prática da amamentação. A maternidade ou hospital que deseje receber o título de "Hospital Amigo da Criança" deve cumprir as orientações denominadas "Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno”. Entretanto, durante o processo de implantação e manutenção da IHAC em um hospital, podem ocorrer dificuldades de naturezas diversas, sendo ainda escassos os estudos que abordam questões relacionadas à qualidade, à efetividade e à sustentabilidade da estratégia. O presente estudo teve por objetivo avaliar a Iniciativa Hospital Amigo da Criança a partir da identificação dos entraves e das possibilidades que incidem sobre o cumprimento sustentável dos “Dez Passos”, na perspectiva de qualificação das ações dessa iniciativa. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso, realizada em um Hospital Amigo da Criança da rede pública de João Pessoa, Paraíba. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas e encontros de grupos focais com 60 profissionais de saúde de nível técnico e superior. Em seguida, procedeu-se a análise de conteúdo das narrativas. Os profissionais revelaram maior preocupação com o aspecto técnico no incentivo ao aleitamento materno. Identificou-se distanciamento entre os processos de trabalho desses profissionais e as atividades pró-amamentação desenvolvidas na maternidade, as quais se mostraram predominantemente a cargo do setor de Banco de Leite. Verificou-se também que não há uma apropriação da política de aleitamento materno da instituição, por parte da equipe de saúde, como um instrumento orientador para o desempenho das atividades cotidianas. Diante do exposto, faz se necessária a implantação de uma efetiva política de educação permanente e continuada destinada à equipe de saúde da maternidade, que contemple uma ampla divulgação e discussão com todos os profissionais envolvidos na assistência materno-infantil, devendo todos estes estar preparados para resgatar a prática do aleitamento materno.

 

 

AUTOR (ª): Danielle Pereira de Carvalho

TÍTULO: Associação Ente Obesidade e a Razão Cálcio: Fósforo em Dietas Habituais de Adultos do Município de João Pessoa: Um Estudo de Base Populacional

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª . Maria José de Carvalho Costa

DATA: 17/02/2012

RESUMOStaphylococcus aureus tem sido considerada a principal espécie associada à intoxicação alimentar estafilocócica em humanos, mas descobertas recentes têm demonstrado que Staphylococcus coagulase negativos podem apresentar vários genes enterotoxigênicos. Essas bactérias são encontradas com elevada frequência em leite de cabra e são comumente associadas a infecções de úbere em caprinos. Este estudo teve como objetivo avaliar a ocorrência de genes codificadores de enterotoxinas em Staphylococcus coagulase negativos e coagulase positivos isolados de leite de cabra produzido por pequenos produtores do semi-árido Paraibano, região mais importante de produção de leite de cabra. Foram avaliados 74 Staphylococcus spp. (44 Staphylococcus coagulase negativos e 30 Staphylococcus coagulase positivos) obtidos de 55 amostras de leite de conjunto quanto à presença dos genes sea, seb, sec, sed, see, seg, seh e sei através da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). Os genes enterotoxigênicos foram identificados em 12,2% dos isolados, e quatro diferentes genes (sea, sec, seg e sei) foram identificados entre os isolados positivos. Os genes seg e sei foram os mais frequentes entre isolados positivos (55,5%) e normalmente encontrados em combinação, enquanto o gene sea foi detectado em apenas um isolado. O gene sec foi o mais frequente dentre os genes clássicos (44,4%), predominando na forma isolada. Todos os isolados coagulase positivos (n=7) que abrigavam genes enterotoxigênicos foram identificados como S. aureus. Os dois isolados coagulase negativos foram S. haemolyticus e S. hominis, positivos para sei e sec, respectivamente . A frequência de genes enterotoxigênicos foi maior (p<0.05) entre Staphylococcus coagulase positivos (23.3%) do que S. coagulase negativos (4.5%), indicando ser S. aureus a espécie de maior potencial enterotoxigêncio dentre aquelas encontradas no leite de cabra produzido na região investigada.


AUTOR (ª): Fabyan Esberard de Lima Beltrão

TÍTULO: Alopurinol na Prevenção da Esteato-Hepatite não alcoólica e Hiperglicemia Induzida por Dieta Rica em Frutose em Ratos Wistar

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª . Maria José de Carvalho Costa

DATA: 24/02/2012

RESUMO: A doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) tem sido reconhecida como a doença hepática crônica mais comum nos países ocidentais, nas últimas duas décadas, em paralelo com a epidemia de obesidade e consumo de dieta com alto teor de frutose. Pesquisas recentes sugerem que DHGNA pode ser uma manifestação hepática da síndrome metabólica. Apesar da DHNGA e hiperuricemia estarem fortemente relacionadas com a síndrome metabólica, poucos cientistas na literatura consultada associaram as duas patologias. Alopurinol, um potente inibidor da xantina-oxidase, com efeito anti-inflamatório e antioxidante tem sido utilizado para prevenir a síndrome metabólica induzida por frutose, mas seu efeito na evolução da DHGNA não foi testado até o momento. O objetivo principal do presente estudo é avaliar os efeitos do alopurinol no tratamento da esteatose hepática não alcoólica (EHNA) e hiperglicemia em ratos alimentados com água rica em frutose. Ratos Wistar foram divididos em três grupos: o grupo 1 foi alimentado com 20% de frutose na água de beber; o grupo 2 recebeu a mesma solução de frutose a 20% e alopurinol (30mg/kg/dia); o grupo 3 recebeu uma dieta normal (sem frutose e sem alopurinol – grupo controle). Após 14 semanas, foi realizada análise histopatológica, bem como dosagens séricas de glicose, creatinina, colesterol total e triacilgliceróis. Os níveis de colesterol total (P <0,001) e glicose (P <0,05) no grupo 1, e de triglicérides (P <0,01) e creatinina (P <0,01) no grupo 2 foram significativamente mais elevados, em comparação com o controle normal. Os níveis de ácido úrico e glicose mostraram correlação significativa (r = 0,51, p<0,001). A análise histopatológica hepática do grupo 1 mostrou esteatose, necroinflamação e fibrose de leve a moderada. O tratamento com alopurinol (grupo 2) diminuiu esteatose macrovesicular (27%, P <0,01), necroinflamação (72%, P <0,001) e fibrose (26%, P <0,05) nos hepatócitos. A adição de alopurinol evitou significativamente a hiperglicemia e foi eficaz na prevenção da necroinflamação e fibrose hepática induzida por frutose no modelo animal utilizado. Este é o primeiro estudo a sugerir um efeito protetor um inibidor da xantina oxidase no desenvolvimento da DHGNA.


AUTOR (ª): Daniele Gomes de Lyra

TÍTULO: Genes Enterotoxigênicos em Staphylococcus SPP. Isolados de Leite de Cabra

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Celso José Bruno de Oliveira

DATA: 27/02/2012

RESUMO: Staphylococcus aureus tem sido considerada a principal espécie associada à intoxicação alimentar estafilocócica em humanos, mas descobertas recentes têm demonstrado que Staphylococcus coagulase negativos podem apresentar vários genes enterotoxigênicos. Essas bactérias são encontradas com elevada frequência em leite de cabra e são comumente associadas a infecções de úbere em caprinos. Este estudo teve como objetivo avaliar a ocorrência de genes codificadores de enterotoxinas em Staphylococcus coagulase negativos e coagulase positivos isolados de leite de cabra produzido por pequenos produtores do semiárido Paraibano, região mais importante de produção de leite de cabra. Foram avaliados 74 Staphylococcus spp. (44 Staphylococcus coagulase negativos e 30 Staphylococcus coagulase positivos) obtidos de 55 amostras de leite de conjunto quanto à presença dos genes sea, seb, sec, sed, see, seg, seh e sei através da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). Os genes enterotoxigênicos foram identificados em 12,2% dos isolados, e quatro diferentes genes (sea, sec, seg e sei) foram identificados entre os isolados positivos. Os genes seg e sei foram os mais frequentes entre isolados positivos (55,5%) e normalmente encontrados em combinação, enquanto o gene sea foi detectado em apenas um isolado. O gene sec foi o mais frequente dentre os genes clássicos (44,4%), predominando na forma isolada. Todos os isolados coagulase positivos (n=7) que abrigavam genes enterotoxigênicos foram identificados como S. aureus. Os dois isolados coagulase negativos foram S. haemolyticus e S. hominis, positivos para sei e sec, respectivamente . A frequência de genes enterotoxigênicos foi maior (p<0.05) entre Staphylococcus coagulase positivos (23.3%) do que S. coagulase negativos (4.5%), indicando ser S. aureus a espécie de maior potencial enterotoxigêncio dentre aquelas encontradas no leite de cabra produzido na região investigada.


 AUTOR (ª): Esther Pereira da Silva 

 TÍTULO: Proposta de um Índice para Avaliação da Assistência Pré-Natal na Atenção Básica

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

 DATA: 29/02/2012

 RESUMO: Saúde além de identificar situações de risco para a gestante e o feto permitindo intervenções oportunas. Os índices mais utilizados pela literatura especializada para avaliar o pré-natal, são o índice de Kessner e o Índice de adequação da utilização do cuidado do Pré-Natal (APNCU), porém estes procedimentos priorizam apenas determinados aspectos quantitativos não envolvendo o pré-natal em sua integralidade. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo principal propor um instrumento denominado “índice IPR/Pré-natal” para avaliar o pré-natal de forma mais abrangente com base nas diretrizes do Programa de Humanização do Pré-natal e do Nascimento (PHPN) do Ministério da Saúde do Brasil a partir de uma análise comparativa com os demais índices já validados. Este instrumento reúne em um único procedimento elementos quanti-qualitativos referentes a infra-estrutura, processo de trabalho e resultados da assistência pré-natal no âmbito dos serviços e usuárias da atenção básica à saúde. A partir dele o pré-natal é classificado em: “adequado superior”, “adequado”, “intermediário” e “inadequado”. O estudo foi do tipo transversal, realizado no município de João Pessoa-PB em 44 Unidades Básicas de Saúde representados por profissionais envolvidos diretamente no cuidado pré-natal e 238 usuárias entre gestantes/puérperas e mães de recém-nascidos de até seis meses. A fim de verificar a consistência do instrumento proposto foi realizada uma análise comparativa interna das categorias de adequação do pré-natal do mesmo com os índices de Kessner e APNCU, a partir do cálculo da odds ratio, quando associados a desfechos indesejáveis do nascimento indicativos de inadequação do pré-natal considerando pra todos a categoria “adequado” como referência. O “índice IPR/Pré-natal” em relação aos demais mostrou ser internamente consistente quando associado aos desfechos de prematuridade, peso insuficiente ao nascer e não realização do aleitamento materno exclusivo, apresentando a categoria de maior adequação, fator de proteção para a ocorrência destes resultados negativos; concluindo, portanto que avaliar e classificar o pré-natal como adequado a partir de um índice que utiliza aspectos mais abrangentes da atenção torna-se eficaz ao mostrar associação com menor aparecimento de resultados obstétricos adversos confirmando que a qualidade do cuidado é obtida por elementos amplos que vão além do número de consultas e início do pré-natal como recomenda os demais índices. 

 

 

AUTOR (ª): Kelly Lacerda de Oliveira Magalhães

TÍTULO: Desigualdades Sociais em Saúde: Uma Abordagem metodológica

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Alice Teles de Carvalho

DATA: 05/03/2012

RESUMO: A injustiça social repercute na saúde ocasionando diferentes riscos de doenças e mortes em função dos diferenciais de condições de vida de grupos populacionais, estabelecendo um quadro de iniquidades em saúde. Os estudos que visam à identificação e mensuração destas iniquidades tem se constituído em uma grande contribuição para a redução das mesmas ao fornecerem subsídios para a formulação e implementação de políticas sociais com caráter equitativo. Têm se demonstrado a importância da aplicação destes estudos, dando atenção especial às desigualdades sociais em saúde existentes no atual perfil epidemiológico e nutricional do Brasil, que vem se constituindo em consequência dos processos de transições que o país vem experimentando, há décadas, nessas áreas. Essas desigualdades aumentam a complexidade das transições, levando, principalmente, no setor saúde, a uma justaposição de riscos que encontrará como segmento mais vulnerável os grupos populacionais mais desfavorecidos socioeconomicamente, agravando ainda mais as iniquidades em saúde. Nesta perspectiva, diante do desafio da redução das iniquidades em saúde, tem se observado o incremento de estudos científicos voltados à sistematização de conceitos e construção de ferramentas metodológicas capazes de aprimorar a pesquisa nessa área. Buscando contribuir com o desenvolvimento metodológico deste tipo de investigação, a presente pesquisa, inserida na temática de mensuração das desigualdades sociais em saúde, objetivou abordar as técnicas de agrupamento que são utilizadas nestes estudos. Assim, foram experimentadas duas destas técnicas (Análise de Cluster e Quintis) na agregação de municípios de acordo com a condição de vida refletida por um indicador composto. Estas duas técnicas foram analisadas quanto à capacidade destes agrupamentos de refletirem adequadamente a realidade das desigualdades sociais em saúde existentes entre os agregados de municípios brasileiros. Para isso, por meio de testes específicos, foram avaliados os parâmetros estatísticos preconizados em relação à heterogeneidade entre os agrupamentos e à homogeneidade interna dos mesmos. Posteriormente, calculou-se um indicador de saúde sensível à condição de vida, a Taxa de Mortalidade Pós-Neonatal para cada agrupamento formado e aplicou-se uma medida epidemiológica, a Razão de Taxas, para mensurar e comparar a magnitude das desigualdades sociais em saúde. Os resultados mostraram que as duas técnicas foram capazes de satisfazer a preconização de homogeneidade interna dos agrupamentos e heterogeneidade entre eles, com ambas apresentando-se eficazes na reflexão das desigualdades sociais em saúde existentes. No entanto, a razão entre taxas evidenciou que, nos agrupamentos intermediários, a técnica de Cluster refletiu estas desigualdades com maior intensidade, podendo esse fato ser um critério utilizado para a escolha metodológica por esta técnica. Quanto à técnica dos quintis, a escolha metodológica pela mesma pode se basear em sua vantagem de possuir uma maior simplicidade metodológica, o que torna mais viável a sua utilização no cotidiano dos serviços de saúde, em que a mensuração das desigualdades sociais em saúde deve ser incentivada para o planejamento de ações mais focalizadas na promoção da equidade.


AUTOR (ª): Nereide Serafim Timóteo dos Santos

TÍTULO: Eficácia da Aplicação de Filme de Quitosana Adicionado de Óleo Essencial de Origanum vulgare no Controle de Rhizopus Stalonifer e Aspergillus Niger em Uvas (Vitis labrusca L.)

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Evandro Leite de Souza

DATA: 07/03/2012

RESUMO: Uvas são frutos caracterizados por acelerada redução da qualidade pós-colheita, devido à perda de peso por amolecimento dos tecidos, desidratação, escurecimento da casca e ocorrência de off-flavour decorrente do processo de senescência, acompanhada em muitos casos, por incidência de ataque fúngico, limitando a comercialização. O controle de doenças fúngicas pós-colheita é comumente realizado através da aplicação de fungicidas sintéticos, no entanto alguns destes compostos químicos têm sido retirados do mercado devido a possíveis riscos toxicológicos, aumento do custo da produção, perigos para os manipuladores, preocupação acerca de resíduos em alimentos, ameaça à saúde pública e ao meio ambiente. Tendo em vista a problemática apresentada, neste estudo foi avaliada a eficácia da aplicação combinada de quitosana (QUI) e do óleo essencial Origanum vulgare L. (OV) como antimicrobianos alternativos para a inibição de Rhizopus stolonifer URM 3728 e Aspergillus niger URM 5842 em meio laboratorial e em uvas de mesa cultivar ‘Isabel’. Também foi avaliado o efeito da aplicação combinada dos compostos testados sobre os aspectos físicos, físico-químicos e sensoriais dos frutos ao longo do armazenamento (25°C, 12 dias; 12°C, 24 dias). A QUI e OV apresentaram valores da concentração inibitória mínima (CIM) de 10 mg/mL e 10 μL/mL, respectivamente, frente a ambos as cepas fúngicas testadas. A partir destes resultados, foram aplicadas diferentes concentrações (CIM, 1/2 CIM e 1/4 CIM) de QUI e OV em combinação, as quais inibiram o crescimento micelial dos fungos teste. Por sua vez, a aplicação de QUI e OV em concentrações subinibitórias (QUI 1/2 CIM + OV 1/2 CIM; QUI 1/2 CIM + OV 1/4 CIM e QUI 1/2 CIM + OV 1/8 CIM) causou intensa inibição da germinação dos esporos e desencadeou severas alterações morfológicas, como murchamento e rompimento dos esporos e afinamento, enrugamento, deposição de material extracelular, perda de material citoplasmático e consequente destruição dos micélios fúngicos, além de inibir o crescimento das cepas teste e da microbiota fúngica autóctone em uvas armazenadas a temperatura ambiente e de resfriamento. De forma geral, a aplicação do filme composto por QUI e OV em concentrações subinibitórias manteve a qualidade dos frutos quando considerado os seus atributos físicos e físico-químicos, com manutenção do peso, da firmeza e dos teores de acidez titulável e aumento dos teores de sólidos solúveis. Ainda, houve diminuição dos teores de antocianinas totais nos experimentos combinados, entretanto estes resultados não interferiram na aparência do fruto, visto que houve manutenção da cor roxa e manutenção do brilho ao longo do armazenamento em ambas as temperaturas ambiente e de resfriamento. Os frutos recobertos com QUI e OV combinandos apresentaram melhoria de 10 seus parâmetros sensoriais ao longo do período de armazenamento analisado, com aumento dos valores dos escores atribuídos aos parâmetros sabor, aroma, sabor residual, firmeza e avaliação global. Alterações quanto à aparência e cor não foram percebidas nos diferentes intervalos de tempo analisados. Estes resultados mostram o potencial de QUI e OV combinados em concentrações subinibitorias no controle de fungos patógenos pós-colheita em frutos, particularmente, de R. stolonifer e A. niger em uvas.


AUTOR (ª): Juliana Padilha Ramos Neves

TÍTULO: Concentrações de 25-Hidroxivitamina D: Fatores Associados e Relação com Níveis Pressóricos em Idosos hipertensos

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

DATA: 09/03/2012

RESUMO: A hipovitaminose D vem sendo estudada nos últimos com uma prevalência importante no mundo inteiro em todos os estágios da vida, destacando-se a população idosa por apresentar maior risco devido a redução da capacidade de gerar o precursor da vitamina D na pele, mudança de estilo de vida e redução de atividades físicas ao ar livre. A sua deficiência tem implicações na saúde, dentre elas, a relação inversa com a pressão arterial. Neste estudo avaliou-se fatores relacionados à prevalência de níveis inadequados da 25-hidroxivitamina D e sua relação com a pressão arterial em idosos hipertensos pertencentes a Centros de Referência e Cidadania da cidade de João Pessoa-PB/BR. Foi desenvolvido um corte transversal sendo analisadas: 25-hidroxivitamina D, paratormônio, magnésio, albumina, creatinina, glicose e cálcio ionizado, assim como registro da pressão arterial , tipo de pele, consumo de alimentos fonte vitamina D e IMC. Para análise estatística descritiva dos dados, foram utilizadas distribuições absolutas, percentuais, médias e desvio padrão. A comparação entre médias de duas variáveis contínuas foi realizada por meio do Teste T-Student e para análise de variância ANOVA- one way, com nível de significância de p<0,05. A amostra foi de 91 idosos com idade média de 69,73 +7,0 anos, sendo 89% mulheres e 11% homens. A prevalência da inadequação da vitamina (25-hidroxivitamina D


AUTOR (ª): Ana Lúcia Félix de Pontes

TÍTULO: Características Sóciodemográficas, Econômicas, Hábitos Alimentares e Percepção Sobre Alimentos Funcionais de Idosos não Institucionalizados

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

DATA: 13/03/2012

RESUMO: O envelhecimento é o reflexo de um somatório de alterações somáticas como fator genético, estilo de vida, atividades no contexto sociocultural, levando em consideração suas limitações. Uma alimentação saudável e a manutenção do estado nutricional adequado são fontes importantes para um envelhecimento saudável. O consumo de alimentos funcionais vem aumentando consideravelmente como resultado de uma preocupação individual com a saúde. Baseado nestes fatos, esta pesquisa teve por objetivos identificar a percepção sobre alimentos funcionais de idosos não institucionalizados e caracterizá-los quanto às variáveis sócio demográfico, econômica e hábitos alimentares. Trata-se de um estudo descritivo de delineamento transversal, com abordagem quanti-qualitativa, composto por uma amostra aleatória de 200 idosos, com idade entre 60 e 90 anos, de ambos os gêneros, realizado no Hospital Universitário Lauro Wanderley, nos Grupos de Convivência do Programa de Atenção Básica à Pessoa Idosa (PAPI), situados na Zona Sul, ambos do município de João Pessoa/PB/Brasil. Foi utilizado um questionário semi-estruturado que incluí variáveis demográficas, econômicas, saúde auto referida, hábitos alimentares, percepção e utilização de alimentos funcionais. Para análise dos dados quantitativos, se fez uso do software SPSS, versão 19, com emprego de medidas de distribuições absolutas e percentuais e o teste de Qui-quadrado, para comparar as variáveis com nível de significância de p≤0,05. Na parte qualitativa utilizou-se a Técnica da Análise de Conteúdo Categorial Temática, proposta por Bardin, visando compreender o sentido das comunicações e suas significações explícitas e/ou implícitas. Predominou o sexo feminino (98%), idades entre 60 e 69 anos, numa média de 68,34 ± 6,73 anos; com renda familiar média de um salário mínimo (R$ 545,00 / US$ 286,84) proveniente de sua aposentadoria e/ou pensão, num total de 79,0%; a viuvez foi de 37,5%, apenas 6% eram analfabetos, tendo como doença de maior ocorrência distúrbios oftalmológicos (65,5%). Diante dos hábitos alimentares constatados neste estudo, verificou-se que a maioria dos idosos consumiam diariamente frutas e hortaliças (90,5%); 35,5% referiram consumir nenhuma ou apenas uma vez por semana frituras e gorduras e a maioria bebiam mais de 5 xicaras de líquido por dia (45%), referindo estado de saúde regular (51,5%). Quanto ao consumo de alimentos funcionais, 90% faziam uso, principalmente: mamão, banana, laranja, maçã e aveia, para “o intestino”, “ossos”, “anemia”, “evitar câncer”, “ajudar a queimar o colesterol”, respectivamente. Entretanto, apenas 66% possuíam algum conhecimento sobre eles. Concluindo-se que os idosos estudados tinham um bom conhecimento sobre alimentos funcionais e usava-os com frequência, pois eram na sua maioria alfabetizados e tinham um bom acesso a informações por pertencerem a grupos de convivência e serem atendidos em serviço especializado em geriatria. Uma alimentação saudável e a manutenção do estado nutricional adequado e de saúde são fatores fundamentais para um bom envelhecimento, por isto, conhecer a percepção dos idosos sobre alimentos funcionais e seus hábitos alimentares foi de extrema importância para o planejamento de futuras ações, indispensáveis para a promoção da saúde desta população. 

 

AUTOR (ª): Maria Emília Evaristo Caluête

TÍTULO: Caracterização Nutricional e Antinutricional de Folhas de Abelmoschus esculentos (L.) moench: Atividade Microbiológica da Lectina Presente na Fração 30%

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Tatiane Santí Gadelha

DATA: 15/03/2012

RESUMO: Os vegetais folhosos não convencionais tais como sementes, talos, farelos e folhas, podem ser inseridos na alimentação humana como fonte alternativa de nutrientes. Dentre as alternativas, destaca-se a folha de quiabo (Abelmoschus esculentus), vegetal pertencente à família Malvaceae, bastante difundido em regiões de clima tropical. No entanto, a biodisponibilidade dos nutrientes pode ser afetada por fatores antinutricionais. Em vista do exposto, este estudo objetivou a determinação da composição nutricional, antinutricional (lectina, tanino e saponina), detecção de compostos fenólicos, caracterização da lectina presente e atividade microbiológica da fração protéica das folhas de Abelmoschus esculentus. Para isso foram feitas analises de composição centesimal e teores de antinutricionais (lectina, saponina e tanino) em folhas frescas, branqueadas, cozidas e liofilizadas, enfocando o efeito de diferentes tratamentos sob esses parâmetros. A lectina foi determinada por meio de atividade hemaglutinante frente a hemácias de coelho e humanas do sistema ABO, sendo posteriormente confirmada presença pela especificidade a carboidratos. Foi testada sua inativação por meio de tratamento térmico, choque de pH, resistência a agente desnaturante, redutor e enzimático. A fração 30% foi submetida a testes de atividade antifúngica e antibacteriana. Os taninos foram determinados por meio do reativo de Folin-Denis, enquanto que teste hemolítico foi realizado para testar presença de saponinas. As folhas frescas, branqueadas, cozidas e liofilizadas apresentam predominância de carboidratos, 11,54%, 12,42%, 4,99% e 36,97%, respectivamente; fibras brutas, 3,85%, 4,21%, 3,86% e 12,88%, respectivamente; cálcio, 382,50%, 357%, 366,50% e 691% e magnésio, 232,50%, 237,50%, 138,50 e 438%, respectivamente. Foi detectada a presença de lectina, sendo maior atividade específica em folhas branqueadas (11, 14 UH/mgP), bem como sua inativação total por meio de tratamento térmico (100°C por 30 minutos) e também em pH básico. Foi detectada ausência de saponina. Apresenta teor de compostos fenólicos totais de 19,27 mg de GAE/g. A fração 30% não apresentou efeito inibitório sobre o crescimento de fungos e bactérias. Concluiu-se que a folha de Abelmoschus esculentus possui alto teor de carboidratos, fibras e minerais Ca, Mg e K, baixo valor calórico e ausente de saponinas, além de apresentar componentes antioxidantes. O tratamento térmico foi capaz de inativar a lectina presente e diminuir os teores de tanino para valores aceitáveis.


AUTOR (ª): Jullyane de Oliveira Maia

TÍTULO: O Programa Bolsa Família e o Estado Nutricional de Crianças Participantes: Uma Análise no Município de Cabedelo - PB

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira

DATA: 16/03/2012

RESUMO: A pesquisa teve como objetivo analisar o estado nutricional das crianças participantes do Programa Bolsa Família no município de Cabedelo no período de 2008 a 2010, bem como verificar o perfil das famílias, aspectos relacionados ao uso dos recursos e o cumprimento das condicionalidades do programa. O estudo caracteriza-se como avaliativo-participativo e foi desenvolvido em duas etapas, sendo a primeira uma análise de dados oriundos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) disponíveis no Departamento de Informática do SUS (DATASUS) onde foram obtidas as medidas antropométricas de 90 crianças de 0 a 7 anos de idade cadastradas no Programa Bolsa Família nos anos de 2008 a 2010, sendo incluídas as que participaram de todas as avaliações (vigências) do programa no período em questão. Neste banco, as variáveis utilizadas para a análise da situação nutricional das crianças foram a idade, o sexo, o peso e altura. O diagnóstico nutricional das crianças foi realizado a partir do indicador antropométrico IMC, segundo sexo e idade, tomando-se como base o padrão de referência da Organização Mundial de Saúde. A segunda etapa do estudo constou de uma entrevista realizada com responsáveis (pai, mães ou parentes próximos) por crianças participantes do Programa Bolsa Família, dentro da mesma faixa de idade avaliada no banco de dados. Foram incluídos os responsáveis que compareceram às unidades de saúde do município para realizarem a avaliação nutricional no período da vigência correspondente e terem crianças até sete anos de idade para serem avaliadas. Foram selecionados 150 responsáveis das dezesseis unidades visitadas, enquanto estes aguardavam o atendimento nutricional. Na entrevista, foram obtidos dados pessoais, como: idade, função familiar, número de filhos beneficiários, questões sobre o Programa Bolsa família, tais como, valor e formas de utilização do dinheiro recebido, tempo de participação, modificações na alimentação após a participação no programa; e ainda, questões que se referiam as condicionalidades do programa, a saber, manutenção da frequência escolar, vacinação e participação nas avaliações da situação nutricional do responsável e das crianças. De acordo com os dados obtidos, a maioria das crianças em todas as avaliações foram classificadas como eutróficas. Destaca-se que das crianças que, em 2008, estavam em risco de sobrepeso, apenas duas evoluíram para sobrepeso ou obesidade, em 2010, e 13 passaram a eutrofia. Foi demonstrado elevado percentual de referimento do uso do dinheiro para a compra de alimentos. Em relação às condicionalidades, em todas as categorias, os responsáveis relataram preocupar-se em mantê-las. A utilização do recurso monetário contribuiu para melhoria da alimentação das famílias participantes. Da avaliação do estado nutricional das crianças, foi verificada a permanência de quadros de eutrofia e melhora de situações nutricionais inadequadas para eutrofia, porém ainda existem metas a serem conquistadas como maior acesso à profissionalização o que auxiliará na intervenção do ciclo intergeracional da pobreza.


AUTOR (ª): Anderson Ferreira Rodrigues

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de Zinco e do Treinamento Físico Sobre o Controle de Peso e o Metabolismo Glicêmico em Ratas Ovariectomizadas.

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Simone Bezerra Alves

DATA: 20/03/2012

RESUMO: É comum observar na menopausa distúrbios metabólicos que levam a aumento de peso e alterações da glicemia. A atividade física e a suplementação de zinco têm sido apontadas como intervenções capazes de prevenir o aumento de peso e os distúrbios do metabolismo glicêmico. Desta forma, esta pesquisa tem por objetivo avaliar os efeitos do treinamento físico e da suplementação com zinco sobre o metabolismo glicêmico e o controle de peso corporal em ratas ovariectomizadas. Utilizou-se 60 ratas Wistar divididas em cinco grupos: Sham (S), controle ovariectomizado (OX-C), Ovariectomizado+suplementação de zinco (OX-Z), ovariectomizado+treinamento físico (OX-TF) e ovariectomizado+zinco+treinamento físico (OX-ZTF). Os grupos OX-Z e OX-ZTF receberam diariamente suplementação de zinco (25mg/Kg de massa corporal) sob a forma de ZnSO4.7H2O via oral durante oito semanas. Os grupos OX-TF e OX-ZTF realizaram um protocolo de treinamento de resistência, utilizando saltos aquáticos com carga progressiva três vezes por semana durante nove semanas. Os parâmetros foram analisados por meio do teste t student pareado e ANOVA one way e two way com post hoc de Newman-Keuls e teste MannWhitney para dados não paramétricos (p<0,05). Os grupos OX-Z (16,20±1,70g), OX-TF (17,28±0,81g) e OX-ZTF (17,24±1,71g) apresentaram menor consumo alimentar, diferentemente do grupo OX-C (18,03±0,98g), que teve maior valor quando comparado ao grupo Sham (16,39±0,92g). A massa corporal também esteve maior no grupo OX-C (303±33,89g) em relação ao Sham (245,2±38,91g) e a suplementação de zinco foi a única intervenção capaz de promover massa corporal menor no grupo OX-Z (262,2±24,16g). Quanto à insulina, sua concentração foi significativamente maior no grupo OX-ZTF (5,66±0,99μIU/mL) em comparação ao grupo OX-C (3,40±1,27μIU/mL). A glicemia do grupo OX-Z (92,67±7,28mg/dL) foi menor que a do grupo Sham (122,0±17,09mg/dL). Conclui-se que suplementação de zinco foi responsável por menor consumo alimentar, o que pode está relacionado à manutenção do peso corporal. Além disso, houve menor glicemia no grupo da Suplementado com zinco, o que pode representar uma melhor captação periférica de glicose. Associando a Suplementação de zinco ao Treinamento físico se observou maior concentração de insulina e melhor desempenho físico, possivelmente pelos efeitos anabólicos deste hormônio sobre a hipertrofia muscular. 

 

 

AUTOR (ª): Gerlena Maria Navarro Ribeiro Henriques

TÍTULO: Condições de Saúde e Direitos de Idosas em João Pessoa – PB.

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Rodrigo Pinheiro de Toledo Vianna

DATA: 22/03/2012

RESUMO: O aumento acelerado da expectativa de vida em todo o mundo, inclusive no Brasil, tem gerado preocupações e desafios a serem enfrentados em todas as esferas sociais, políticas e econômicas para se atingir a meta de um envelhecimento saudável, com qualidade de vida onde os idosos tenham seus direitos amplamente assegurados e respeitados. Dentro desta perspectiva, o objetivo deste trabalho foi analisar as condições de saúde de uma população idosa, descrevendo seus aspectos socioeconômicos, averiguando a ocorrência as principais doenças que a acometem, avaliando seu estado nutricional e verificando o conhecimento destes idosos sobre os seus direitos garantidos por Lei, através do Estatuto do Idoso. O estudo do tipo transversal e descritivo foi realizado com 296 idosos com idades a partir dos 60 anos, em duas Unidades de Saúde da Família de João Pessoa-PB. Foram utilizados como instrumentos de pesquisa: 1) Aplicação de entrevista estruturada com questões na maioria fechadas incluindo: Identificação, Hábitos e Estilo de Vida, Estado Saúde-Doença, Conhecimento do Estatuto do Idoso, 2) Aplicação de Questionário utilizado pela Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) e 3) Coleta de dados antropométricos dos idosos entrevistados. As associações foram realizadas através do Coeficiente de Correlação de Pearson e Teste Exato de Fisher, utilizando como nível de significância estatística p < 0,05. A maior parte dos idosos entrevistados nas duas Unidades (65,2%) foi do sexo feminino. A média de idade ficou em 70,8 ± 7,7 anos e a frequência de idosos aposentados foi de 62,8%, sendo que 26% dessa população eram de analfabetos. A média de renda per capita calculada em um salário mensal ficou em 454,76 ± 419,51 reais. A frequência de idosos entrevistados que tinham cuidador foi de 17,9%, observando-se, assim, que a maioria dos idosos incluídos na pesquisa exerciam as atividades do cotidiano de forma independente. Com relação ao estado nutricional houve uma frequência de 40,9 % de eutrofia e 23,3% de obesidade. A média do IMC ficou em 26,91±4,9. Observou-se uma frequência de 56,1% de risco muito elevado para doenças cardiovasculares, no ponto de corte obtido pela Relação Cintura-Quadril. Com relação às doenças mais frequentemente identificadas nesta população, obteve-se uma frequência de 82,1% de hipertensão arterial, seguindo-se diabetes mellitus com frequência de 29,1%. A maioria dos idosos, ou seja, 68,6% só procuravam os serviços de saúde quando precisavam. Apesar dos entrevistados reconhecerem seus direitos com respostas positivas na maioria das perguntas realizadas com base no Estatuto do Idoso, apenas 39,9% dos mesmos sabiam que esses direitos eram garantidos por Lei e estavam inclusos no referido Estatuto. As associações entre o fato positivo dos idosos terem algum tipo de atividade de lazer, com questões relacionadas aos seus direitos, resultaram em significância estatística bem maior que as realizadas com as variáveis sexo, cor, idade e renda mensal, o que ressalta a importância da integração social como fator de promoção da cidadania no idoso. Portanto, este trabalho confirmou a relevância de investimentos cada vez maiores na implantação de políticas públicas de saúde que não só atuem diretamente na prevenção das doenças e na promoção da saúde, mas que ampliem o grau de conhecimento desta faixa etária da população sobre seus direitos como forma de melhorar sua qualidade de vida.


AUTOR (ª): Ana Júlia Ferreira Vaz de Oliveira

TÍTULO: Efeito da Suplementação com “Ração Humana” Light” nos Fatores Determinantes da Síndrome Metabólica

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Amilton da Cruz Santos

DATA: 26/03/2012

RESUMO: A “ração humana light” é uma farinha rica em fibras. Estudos realizados em indivíduos com síndrome metabólica sugerem que o consumo de fibras, como suplemento alimentar, pode ajudar a regularizar os seus fatores determinantes. Ela é caracterizada pela associação de hipertensão arterial sistêmica, obesidade abdominal, intolerância à glicose, hipertrigliceridemia e baixas concentrações sanguíneas de lipoproteína de alta densidade. Baseado nestes fatos e considerando que na literatura atual não foi encontrado estudos envolvendo o uso da ração humana com a síndrome metabólica, mostrando sua eficácia. O objetivo do presente estudo foi avaliar o impacto da suplementação com ração humana, nos fatores determinantes da síndrome metabólica. A amostra foi composta por 28 mulheres adultas com diagnóstico comprovado de síndrome metabólica, dividas em dois grupos: grupo intervenção com suplementação por oito semanas de 30 gramas diárias de ração humana (n=14) e grupo controle sem suplementação (n=14). Em um primeiro momento, as pacientes responderam a uma entrevista. Em seguida foram submetidas a uma primeira avaliação antropométrica (circunferência da cintura, peso e altura) e pressórica. Exame sanguíneo, para análise das variáveis bioquímicas, foi realizado no Hospital Universitário Lauro Wanderley- UFPB. A reavaliação das variáveis antropométricas, pressóricas e sanguíneas foi realizada 60 dias após intervenção. O teste Anova de dois fatores foi utilizado para avaliar os dados antropométricos, de pressão arterial e bioquímica sanguínea. Foi adotado p<0,05 para nível de significância estatística. A amostra final foi composta por 16 mulheres adultas obesas, com idade média de 29,5 ± 7,8 anos e índice de massa corporal de 35,33 ± 5,57 kg/m2. Na comparação inter-grupos pós intervenção pode-se observar que o peso corporal, a circunferência da cintura e a pressão arterial sistólica e diastólica foram significativamente menores no grupo intervenção. A suplementação com ração humana por oito semanas pode ser uma boa alternativa para pessoas que objetivam perder peso e regularizar a pressão arterial. No entanto o tratamento da síndrome metabólica com ração humana deve ser estimulado, como também novos estudos epidemiológicos controlados, realizados para avaliar os benefícios e riscos dessa suplementação em longo prazo em indivíduos com de diferentes faixas etárias.


 AUTOR (ª): Caroline Sousa Cabral

 TÍTULO: O Programa Bolsa Família como Estratégia de Superação da Insegurança Alimentar e Nutricional: Estudo de Coorte Realizado em Municípios do Interior da Paraíba

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Rodrigo Pinheiro de Toledo Vianna

 DATA: 05/10/2012

 RESUMO: As discussões envolvendo Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) se intensificaram no Brasil desde o início do governo Lula. Por meio da recriação do CONSEA, realizou-se em 2004 a II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Nesta ocasião, sistematizou-se o conceito de SAN, a qual é entendida pelo acesso de todos os cidadãos a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, de maneira regular e permanente, de modo que as demais necessidades não sejam comprometidas pela garantia deste direito, respeitando a diversidade cultural, sendo sustentáveis do ponto de vista social, ambiental e econômico. O Programa Bolsa Família (PBF) foi criado no âmbito da Estratégia Fome Zero, no intuito de combater a fome e a miséria e promover a Segurança Alimentar e Nutricional. Este trabalho tem por objetivo avaliar a o impacto do PBF na superação da Insegurança Alimentar e Nutricional (IA). Adotou-se como critério de seleção as famílias entrevistadas em inquérito prévio, no ano de 2005, desde que estivessem residindo em São José dos Ramos e Nova Floresta/PB. Inicialmente foram avaliados 609 domicílios, porém, sendo retiradas as perdas de seguimento, em 2011 foram encontradas e entrevistadas 406 famílias. Utilizou-se teste qui-quadrado de McNemar para analisar as mudanças longitudinais de variáveis categóricas. Para analisar variáveis contínuas, comparando-se os dois anos, utilizou-se Teste T pareado. Assumiu-se α ≤ 0,05 para significância estatística. Houve aumento da SAN/IA Leve em detrimento dos níveis Moderado/Graves. Diagnosticou-se melhoria nos indicadores que refletissem positivamente no padrão econômico dos entrevistados, como renda per capita, aumento da cobertura e do valor do benefício do PBF. Observou-se melhoria significativa da situação de SAN apenas nos domicílios que conseguiram superar a situação de pobreza, permitindo inferir relação de causalidade entre aumento da renda e a Segurança Alimentar. A situação de SAN/IA Leve aumentou em famílias que eram inclusas no PBF em ambos os momentos, bem como nas que deixaram de receber o benefício posteriormente a 2005. O programa impacta positivamente no aumento da renda, corroborando elevação dos níveis de SAN, porém não é o único fator que influencia em melhorias do perfil econômico desta população. No decorrer destes 6 anos de investimentos, o programa tem cumprido com suas metas. À medida que incrementa a renda dos indivíduos, contribui-se na superação da pobreza. A retirada do benefício não corrobora retorno do indivíduo à realidade econômica vivenciada previamente, ocasionando aumento da SAN/IA Leve em detrimento da IA Moderada/Grave. Além disso, as famílias que permaneceram inclusas no programa em ambos os momentos, têm conseguido superar a Insegurança Alimentar com o decorrer dos anos. Ao mesmo tempo em que se constitui como uma medida em caráter emergencial por meio da transferência direta de renda, o Programa Bolsa Família representa uma medida capaz de contribuir na redução da miséria e pobreza a longo prazo. No combate à Insegurança Alimentar e Nutricional, são necessárias outras políticas e programas que ajam nos demais determinantes.

 

 AUTOR (ª): Sheilla Virginia Silva Nascimento Barrêto

 TÍTULO: O Programa Nacional de Suplementação de Ferro na Ótica das Gestantes e dos Nutricionais no Município de Cabedelo – PB.

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Patrícia Vasconcelos Leitão Moreira

 DATA: 08/08/2012

 RESUMO: A anemia ferropriva é um importante problema de saúde pública, sendo crianças, mulheres em idade fértil e gestantes os grupos biológicos de maior vulnerabilidade. O Programa Nacional de Suplementação de Ferro, aliado à fortificação obrigatória de farinhas de trigo e de milho com ferro e ácido fólico e a orientação nutricional, constituem o conjunto de estratégias voltadas ao controle e redução do problema no Brasil. Objetivou-se com esta pesquisa compreender o referido programa no município de Cabedelo - Paraíba, analisando o conhecimento das gestantes e dos nutricionistas acerca das atividades, das condutas de intervenção e dos nutrientes envolvidos. Verificaram-se também as dificuldades enfrentadas e as queixas mais recorrentes que limitavam as ações do programa e a continuidade das beneficiárias na suplementação. É um estudo avaliativo participativo, no qual foram realizadas entrevistas estruturadas com abordagens qualitativas e quantitativas, por meio de questões abertas e fechadas e registro de dados pessoais e socioeconômicos, obtidos dos prontuários e dos cartões de acompanhamento das gestantes, em visitas pré-agendadas, nos dias de pré-natal das 19 Unidades de Saúde da Família do município. Foram sujeitos do estudo 172 gestantes e os 10 nutricionistas responsáveis pelo andamento do programa. Como critérios de inclusão, consideraram-se as gestantes com os dados completos, em uso de pelo menos um dos suplementos ofertados pelo programa (sulfato ferroso e/ou ácido fólico) e que não estivessem na primeira consulta pré-natal. As questões fechadas geraram tabelas de frequência absoluta e relativa simples. Para a análise das questões abertas, extraiu-se a ideia central das respostas obtidas, agrupando-as em categorias e eixos temáticos de análise que foram codificadas para a realização da distribuição de frequência absoluta das respostas. Quanto à análise estatística dos dados, utilizou-se a ferramenta computacional Statistical Package for the Social Sciences, versão 19.0. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Lauro Wanderley, da Universidade Federal da Paraíba, sob o protocolo de número 548/10. Observou-se que poucas gestantes conheciam o programa e as suas atividades. As respostas das mulheres que disseram conhecê-lo variaram quanto às atividades que os nutricionistas desenvolviam e aquelas vivenciadas pelas gestantes. A maioria das beneficiadas referiu seguir corretamente a periodicidade e o horário de ingestão, conforme orientação dos profissionais. Ambos os entrevistados diferiram nas respostas quanto ao tempo de permanência na suplementação. As gestantes conheciam melhor as funções do ferro que as do ácido fólico e também mais os alimentos fonte desse mineral do que os da vitamina em questão, enquanto que os nutricionistas tinham um ótimo domínio sobre o assunto. O esquecimento e as reações medicamentosas na opinião das gestantes e a falta dos suplementos nas unidades, para ambos os sujeitos do estudo, foram aludidos como os motivos principais à descontinuidade da suplementação. Desta forma, a avaliação do Programa Nacional de Suplementação de Ferro em Cabedelo, numa visão participativa dos atores envolvidos, permitiu uma melhor compreensão do seu funcionamento, ao mesmo tempo em que mostrou as limitações enfrentadas e guiou possíveis melhorias à sua implementação no município.

 

AUTOR (ª): Raquel Patrícia Ataíde Lima

TÍTULO: Sobrepeso, Obesidade e IMC Ajustado por Diversos Fatores na População de um Município Brasileiro em Todas Faixas Etárias

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

DATA: 23/10/2012

RESUMO: Nesta pesquisa examinou-se a prevalência de sobrepeso, obesidade e IMC – Índice de Massa Corpórea ajustado por variáveis demográficas, socioeconômicas e de estilo de vida em todas as faixas etárias. Estudo epidemiológico transversal de base populacional com amostragem estratificada e sistemática, envolvendo 1165 indivíduos de todas as faixas etárias, da população de um município do nordeste do Brasil, no período de julho de 2008 a janeiro de 2010. A partir de visitas aos domicílios sorteados realizou-se: aplicação de questionário demográfico, aferição do peso e altura, avaliação socioeconômica sobre renda familiar e nível de escolaridade, prática de atividade física, consumo de álcool e hábito de fumar. Quando aplicado o modelo estatístico comum, observou-se relação entre a prevalência de sobrepeso e obesidade com os seguintes fatores: faixa etária e gênero na amostra total e quando distribuídos por faixa etária; escolaridade, na amostra total e quando distribuídos por faixa etária; renda quando distribuídos por faixa etária com base na renda mediana. Quanto ao estilo de vida somente o hábito de fumar teve associação com a prevalência de sobrepeso e obesidade na faixa etária de adultos e na amostra total. Foram significativos os seguintes resultados (p < 0.05): na faixa etária de 20 a 59 anos, quando o indivíduo tinha escolaridade maior ou igual ao ensino médio, o IMC médio aumentava em 2,4760 kg/m2; na faixa etária ≥ 60 anos, quando o individuo era do sexo feminino o IMC aumentava em média 1,7209 kg/m2. Ressalta-se que a escolaridade e o sexo feminino destacaram-se também no ajuste para população total como maiores influenciadores do aumento do IMC, parecendo em seguida, as variáveis atividade física e renda familiar. Com base nos resultados ajustados justificam-se políticas de intervenção e de prevenção destas condições clínicas para a população estudada como um todo e especialmente direcionadas aos indivíduos adultos de maior nível de escolaridade, assim como para os indivíduos idosos do sexo feminino.


AUTOR (ª): Paola e Silva Nunes

TÍTULO: Avaliação da Capacidade Tampão Salivar em Biofilmes Dentais In Vivo Expostos a Bebidas Ácidas

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

DATA: 21/11/2012

RESUMO: O objetivo do trabalho foi avaliar o potencial cariogênico e erosivo in vivo de diferentes bebidas ácidas. Foi realizado um estudo transversal, cruzado, com wash-out de 4 a 5 dias entre as medições individualizadas. Após a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, os oito voluntários foram instruídos a não escovarem os dentes nas 24 horas anteriores ao exame. Para medição do pH do biofilme dental um micro-eletrodo tipo BEETRODE® (WPI Inc., Inglaterra) acoplado a um potenciômetro (Orion 230 A, EUA) foi usado. A calibração do aparelho foi constantemente realizada com padrões de pH 4,00 e 7,00. Os momentos de medição foram no “baseline” (0 – antes de gotejar), 5, 10, 15, 20, 25 e 30 minutos. As superfícies alvo foram as proximais e cervicais de dentes anteriores superiores. Os valores de pH foram tabulados para a obtenção de AUC e os dados foram analisados pelas técnicas de estatísticas descritivas, através de distribuições absoluta e percentuais, por meio do teste ANOVA one-way e ANOVA de medidas repetidas com nível de significância de 5%. Foi empregado o pacote estatístico SPSS (Statistical Package for Social Science) versão 16.0. Os resultados mostraram que todas as bebidas analisadas apresentam pH mínimo inferior a 5,5, caracterizando seu potencial cariogênico e que 75% apresentam pH mínimo inferior a 4,5, confirmando também seu potencial erosivo. Observou-se queda de pH menos prolongada com os refrigerantes nas versões zero, o que é indicativo da provável ausência de sacarose nos mesmos. Conclui-se que as bebidas ácidas analisadas possuem potencial cariogênico e erosivo em superfícies dentárias cobertas por biofilmes bacterianos, sendo que o grupo dos refrigerantes causam uma queda de pH mais acentuada de imediato quando analisado o valor de pH e no grupo dos sucos, o de uva líquido industrializado foi o que mais se aproximou da água, sendo o produto do grupo menos cariogênico e erosivo.


AUTOR (ª): Jacieny Janne Leite Gomes

TÍTULO: Propriedades Nutricionais Reológicas e Sensoriais de Bebidas Lacteas Elaboradas a Partir de Leite de Cabra, Vaca e a sua Mistura

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Rita de Cássia Ramos do Egypto Queiroga

DATA: 19/12/2012

RESUMO: Bebida láctea a base de leites e soros de leite de cabra e vaca, utilizando geléia de fruta, pode ser uma alternativa viável para a agregação de valor a este derivado a fim de obter um produto com qualidade nutricional e sabor agradável. Com este estudo pretendeu-se elaborar e avaliar as características físico-químicas, o perfil reológico e os atributos sensoriais de bebidas lácteas obtidas a partir da mistura de soro e leite de cabra e vaca. No delineamento utilizado foram elaboradas três bebidas lácteas denominadas BLV (Bebida láctea fabricada com 70% de leite e 30% de soro de leite de vaca); BLM (Bebida láctea fabricada com 35% de leite e 15% de soro de leite de cabra e 35% de leite e 15% de soro de leite de vaca) e BLC (Bebida láctea fabricada com 70% de leite e 30% de soro de leite de cabra), adicionadas de geleia de goiaba. Foram realizadas análises microbiológicas e físico-químicas das matérias-primas (soros e leites). As bebidas lácteas foram avaliadas, imediatamente após a fabricação quanto ao teor de sólidos totais, proteína, gordura e lactose, e, submetidas aos ensaios físico-químicas (acidez, lactose e pH), sinerese e viscosidade aparente, durante o armazenamento, sob refrigeração (4 °C), nos tempos 1, 7, 14, 21 e 28 dias, como também, ensaios microbiológicos e sensoriais, em 1, 14 e 28 dias de estocagem. O tipo de leite e o tempo de armazenamento afetaram as propriedades físico-químicas das bebidas lácteas. A BLM apresentou valores de pH, lactose e capacidade de retenção de água inferiores à BLC, e superiores à BLV. Os achados não apontaram alterações consideráveis na maioria dos atributos sensoriais, exceto para aparência uniforme, consistência e viscosidade, além disso, mostraram um aumento da acidez e uma diminuição da viscosidade das bebidas lácteas durante a estocagem, confirmando os dados da análise reológica (viscosidade aparente) destas bebidas. A adição de geleia de goiaba proporcionou mudanças positivas no comportamento reológico e sensorial, sugerindo a substituição de adição de sólidos totais e/ou estabilizantes na produção de bebidas lácteas. Para aplicações práticas, o desenvolvimento de bebida láctea elaborada com a mistura de leites e soros de leite de cabra e vaca, e adição de geleia de goiaba pode ser uma iniciativa atraente para obtenção de um produto com qualidade nutricional e satisfatória aceitação pelos consumidores.


AUTOR (ª): Jessica Bezerra dos Santos Rodrigues

TÍTULO: Atividade Lipolítica, Proteolítica e Resistotipagem de Cepas de Staphylococcus aureus

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. José Pinto de Siqueira Júnior

DATA: 27/02/2013

RESUMO: Staphylococcus aureus está disseminado na natureza de forma variável, e apresenta-se como a bactéria mais frequentemente encontrada em infecções de pele, todavia é capaz de colonizar quase todos os órgãos do corpo humano. Esse patógeno também pode contaminar alimentos. Intoxicação alimentar estafilocócica é uma das doenças veiculadas por alimentos mais comuns em todo o mundo. Este estudo teve como objetivo isolar e caracterizar amostras de S. aureus isolados de superfícies de preparo de carne e vegetais de hospitais públicos situados na cidade de João Pessoa – Paraíba – Brasil, quanto a produção de lipase, protease, perfil de resistência a antimicrobianos e detecção de gene mecA. Ainda, foi realizada a avaliação da produção de lipase de cepas de S. aureus isoladas de animais (úbere e fossas nasais), alimentos (queijo ricota) e de feridas humana infectadas (ambiente hospitalar). Foi observada a produção de lipase nos isolados de feridas humanas (43/50), animais (16/30), queijo (34/41), bancada de preparo de carne (24/24) e bancada de preparo de vegetais (22/24). Todas as cepas isoladas de bancada de corte de carne, vegetais e de queijo produziram protease com zonas de precipitação de diâmetros variando de < 0,5 a 4 mm. Dentre 48 S. aureus isolados de superfícies de processamento de alimentos testados, 100% foram sensíveis a clorafenicol, norfloxacina e meticilina. Doze isolados foram resistentes a eritromicina e tetraciclina, enquanto todos os isolados foram resistentes à estreptomicina e penicilina. Nas reações de amplificação não foi identificado o fragmento correspondente ao gene mecA entre os isolados avaliados. As atividades lipolítica e proteolítica, bem como resistência a antibióticos (mesmo para aqueles já sem valor terapêutico) se constituem em importantes marcadores genéticos e epidemiológicos podendo contribuir para a caracterização de amostras ambiente ou hospedeiro-específicas, bem como, se realizada periodicamente, para se distinguir novas linhagens daquelas endêmicas.


AUTOR (ª): Fernanda da Fonseca Freitas

TÍTULO: Avaliação dos Efeitos Psicofisiológicos da L-teanina em Modelo de Ansiedade em Humanos

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Amilton da Cruz Santos

DATA: 01/03/2013

RESUMO: A ansiedade caracteriza-se por um estado de tensão, apreensão e desconforto, que se originam de um perigo interno ou externo iminente, podendo ser resposta a estresse ou a estímulo ambiental e pode ser mensurada através de medidas psicológicas e fisiológicas do individuo. A L-teanina (ácido gama-etilamida L-glutâmico) ou teanina é um aminoácido encontrado na Camellia sinensis, popularmente conhecida como “chá verde”. Este aminoácido vem sendo utilizado para reduzir o estresse mental e físico, melhorar a função da memória e no tratamento da ansiedade. Visto que os transtornos da ansiedade estão entre os transtornos mais comumente observados tanto na população geral quanto nos serviços de atenção primária à saúde, é relevante a averiguação de métodos não farmacológicos para o seu tratamento. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos psicofisiológicos da L-teanina sobre um modelo de ansiedade em humanos saudáveis. O estudo teve caráter experimental, do tipo ensaio clínico randomizado e controlado. Foi composto por trinta estudantes saudáveis, do gênero masculino ou feminino, os quais foram inseridos em um dos três grupos experimentais (controle, L-teanina 1 ou L-teanina 2). Os participantes dos grupos experimentais receberam 200 mg de L-teanina na forma de cápsula e em dose única. A ansiedade humana experimental foi induzida pelo Teste de Simulação de Falar em Público (TSFP) e foi avaliada por meio de parâmetros fisiológicos (pressão arterial, frequência cardíaca, temperatura de extremidade e condutância elétrica da pele) e de parâmetros psicológicos (inventário de ansiedade traço – IDATE-T e estado – IDATE-E). Os testes estatísticos utilizados considerando os dados paramétricos foram o ANOVA (one way) e ANOVA para medidas repetidas e considerando os dados não paramétricos o teste de Kruskal-Wallis e de Friedman. Os resultados foram considerados significativos quando apresentaram um nível de significância de 95% (p < 0,05). Observou-se uma redução nos níveis da pressão arterial sistólica e frequência cardíaca no grupo L-teanina 2 (p < 0,05) e da condutância elétrica da pele no grupo L-teanina 1. Ocorreu também uma redução no escore do IDATE-E nos dois grupos experimentais, uma vez que a pontuação manteve-se dentro da faixa de ansiedade baixa durante todo o teste (< 40 pontos). Estes resultados sugerem que a L-teanina teve um efeito ansiolítico sobre os parâmetros fisiológicos e psicológico que se alteram na ansiedade. Sendo assim, este aminoácido pode ser uma estratégia não farmacológica no tratamento da mesma. 

 

AUTOR (ª): Karla Vanessa Gomes de Lima

TÍTULO: Relação Entre o Status de Cromo Sérico, Níveis Glicêmicos e Perfil Lipídico de Pacientes no Pré-Operatório de Cirurgia Bariátrica

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

DATA: 08/03/2013

RESUMO: A redução do peso em grandes obesos através da cirurgia bariátrica proporciona benefícios no metabolismo dos lipídeos e carboidratos com redução da resistência à ação da insulina, ocasionando controle de morbidades, e consequente melhora na qualidade de vida. O cromo é considerado um elemento essencial para a função da insulina, possuindo papel no metabolismo dos macronutrientes. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo analisar o status de cromo e sua associação com os níveis glicêmicos e perfil lipídico em pacientes no pré-operatório de cirurgia bariátrica. Participaram do estudo 73 candidatos à cirurgia bariátrica, acompanhados no período de Março a Setembro de 2012, após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da UFPB, sob o protocolo nº 0294/2011. Dados sócio-demográficos (idade, sexo e escolaridade), antropométricos (peso e altura), bioquímicos (proteínas totais, albumina, hemoglobina, hematócrito, ferro sérico, glicose de jejum, hemoglobina glicada, colesterol total e frações, triglicerídeos, cromo sérico e cálcio sérico) e dietéticos (Questionário de Quantitativo de Frequência de Consumo Alimentar) foram coletados. Utilizou-se o programa estatístico Sigma Stat versão 3.5 para as análises estatísticas descritivas e de significância. O nível de significância empregado foi de 5%. A maioria da amostra foi composta por mulheres (75,34%) com idade média de 37,20 ± 9,92 anos e com índice de massa corporal de 47,48 (43,59 – 52,50) Kg/m². Em relação ao estilo de vida, destaca-se que a maioria era sedentária (76,71%), hipertensa (49,31%), etilista (30,14%), portadora de hipercolesterolemia (38,36%) e hipertrigliceridemia (49,31%). Comparando os valores séricos encontrados nos pacientes e os valores de referência, observou-se elevado número de indivíduos com déficit de cromo sérico (87,67%). Na análise de correlação, houve relação negativa significativa do cromo com o zinco e o IMC, além de uma relação positiva também significante com a hemoglobina glicada. No ajuste das variáveis utilizando a análise de regressão linear múltipla foram identificadas as seguintes variáveis independentes associadas com o cromo sérico: Colesterol total (β = 0,171; p = 0,048) e Triglicerídeos (β = -0,181; p = 0,039). Em conclusão, observou-se o elevado percentual de deficiência do cromo sérico e a presença de associação com colesterol total e triglicerídeos, alertando para a necessidade de intervenção nutricional precoce, com o objetivo de reduzir às deficiências e melhorar o perfil lipídico desses pacientes.


AUTOR (ª): Amanda Gonçalves Lopes

TÍTULO: Programa Bolsa Família e Fatores Associados com a Situação de (IN) Segurança Alimentar em Famílias de Dois Municípios da Paraíba

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Rodrigo Pinheiro de Toledo Vianna

DATA: 12/03/2013

RESUMO: O presente estudo se propôs a identificar os fatores que contribuem com a situação de insegurança alimentar. Trata-se de um estudo de coorte prospectivo, de base populacional no qual foram entrevistadas famílias residentes nos municípios de São José dos Ramos e Nova Floresta, Paraíba, que participaram de estudo em 2005. O questionário utilizado continha os mesmos módulos da pesquisa realizada anteriormente, com a descrição das características sócio-demográficas das famílias e a EBIA. As variáveis estudadas são: tipo de moradia, número de cômodos do domicílio, número de cômodos para dormir, tipo de abastecimento de água, de esgotamento sanitário, destino do lixo, total de moradores, quantidade de crianças, renda familiar per capita, participação no Programa Bolsa Família, relação de dependência, características do chefe da família (cor da pele, escolaridade e atividade de ocupação) e diagnóstico de segurança alimentar e nutricional. Realizou-se a categorização destas variáveis e a análise comparativa nos dois momentos, através do teste qui-quadrado de McNemar, considerando-se nível de significância de 5%, para a população geral e para cada grupo de mudança de situação de SAN no período (manteve SAN, manteve IA, melhorou a situação ou piorou). Foram criadas as “variáveis de mudança”: criação de quatro situações para cada variável consolidando as informações de cada variável nos dois períodos. Este procedimento possibilitou a análise retrospectiva das variações da SA e da IA. Foi necessário agrupar também a variável dependente, a qual passou a ter duas categorias, a saber: “manteve SAN nos dois períodos ou melhorou a situação de SAN em 2011” e “manteve IA nos dois períodos ou piorou a situação de SAN em 2011”. Foi realizada a regressão logística binária para a análise de efeito das variáveis sobre as mudanças no perfil de SA das famílias, de cada município. O modelo final estima as razões de chances, com nível de significância de 5% e os respectivos intervalos de 95% de confiança (IC95%). Por haver transcorrido um longo período de tempo entre as duas visitas, este estudo apresentou perda de seguimento de 208 famílias (33,8%). A prevalência de IA encontrada foi de 62,2%. Observou-se que 80,5% das famílias que melhoraram a situação de SAN no período apresentou participação no PBF pelo menos em um dos dois períodos analisados. Apenas a variável participação no PBF apresentou significância através do modelo de regressão utilizado para o grupo “Piorou situação de SAN ou manteve IA grave”, com quase duas vezes mais chances de melhorar a situação de SAN com o auxílio do PBF (OR=1,98). Entretanto, quando foi incluído o grupo IA moderada com o grupo IA grave, observou-se que a renda é a principal variável responsável pela melhoria na situação de SAN (OR=2,14). Os resultados deste estudo indicam que a participação no PBF apresentou efeito positivo levando à melhora da situação de SAN no período estudado, especialmente entre aquelas famílias com níveis mais graves de insegurança alimentar. Ou seja, o incremento da renda familiar favorece consumo alimentar mais adequado, reduzindo as chances das famílias apresentarem agravamento de sua situação de SAN.


AUTOR (ª): Amanda de Andrade Marques

TÍTULO: Dinâmica de Abastecimento dos Produtos da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar: O Caso do Município de Araripe-CE

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria da Conceição Rodrigues Gonçalves

DATA: 19/03/2013

RESUMO: O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) existe há mais de 50 anos no Brasil, seu objetivo é contribuir para o crescimento e o desenvolvimento biopsicossocial, a aprendizagem, o rendimento escolar e a formação de práticas alimentares saudáveis dos alunos. Ao longo de sua existência, o PNAE tem passado por modificações em sua operacionalização. Uma dessas modificações ocorreu em 2009, com a obrigatoriedade da inserção de produtos locais, da agricultura familiar e/ou de suas organizações, na alimentação escolar. Diante disso, pretende-se analisar a dinâmica de abastecimento dos gêneros alimentícios da Agricultura Familiar para o Programa de Alimentação Escolar em Araripe- Ceará. Trata-se de um estudo de caso, realizado por meio de entrevista semiestruturada e observação in loco com registro em diário de campo. Os participantes do estudo foram catorze agricultores familiares fornecedores de gêneros alimentícios para as escolas, três presidentes de Associações de Agricultores Familiares, a Nutricionista responsável técnica pelo Programa de Alimentação Escolar, o Técnico da EMATER (entidade representativa dos agricultores familiares) a coordenadora local das compras da agricultura familiar para a alimentação escolar e uma diretora da escola selecionada. Para analisar as questões utilizou-se a análise de conteúdo temática, seguindo as seguintes fases Pré-análise, Exploração do material visando alcançar o núcleo de compreensão do texto, para se alcançar as categorias temáticas. Por fim, a Interpretação dos depoimentos, onde realizou-se a distribuição de duas categorias (dificuldades e benefícios na visão dos agricultores) e as reflexões que surgiram em torno dessas, ocorrendo, posteriormente a interpretação e discussão a luz do referencial teórico. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Centro de Ciência da Saúde da Universidade Federal da Paraíba, sob o protocolo nº 0339/11. Observou-se que entre as dificuldades apontadas pelos agricultores familiares as mais recorrentes entre as falas estavam Pagamento, Transporte e Estrutura física. Quanto ao benefício, Oportunidade de trabalho e renda garantida. Dessa forma, percebe-se que analisar a dinâmica de abastecimento de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar é de grande valia, uma vez que é uma resolução recente e que os municípios ainda estão se adequando a esse novo sistema. Algumas alternativas foram criadas localmente para facilitar e incentivar as entregas dos agricultores e garantir que os alimentos cheguem nas escolas. Dentre elas, destaca-se a criação de um cronograma de entrega dos produtos da agricultura familiar; cardápios diferenciados para as escolas situadas na zona rural e urbana que recebem produtos da agricultura familiar; instalação de fábricas de alimentos processado, uma vez que esse município sofre com o clima seco na maior parte do ano e se faz necessário que outros produtos entrem na alimentação escolar; incentivo ao associativismo pela administração municipal, agregando, dessa maneira, valor ao produto final; parcerias com o SEBRAE, EMATER para capacitar agricultores. Percebe-se que as especificações determinadas em Lei e Resoluções dos órgãos competentes muitas vezes afastam-se da realidade dos municípios. É necessário que se crie meios para efetivar esse processo localmente para  que alunos e agricultores sejam atingidos de forma satisfatória através dessa relação alimentação escolar e agricultura familiar.


AUTOR (ª): Bruno Soares de Sousa

TÍTULO: Investigação do Potencial Ansiolítico de Magnésio e Vitamina B6 em uma Única Administração em Humanos

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Liana Clébia de Morais Pordeus

DATA: 21/03/2013

RESUMO: O objetivo deste estudo foi investigar o potencial ansiolítico do Magnésio e da Vitamina B6 em estudantes universitárias utilizando um modelo de indução experimental de ansiedade, por meio da avaliação dos parâmetros fisiológicos e psicológicos. O estudo teve caráter experimental, randomizado e controlado. Foi composto por sessenta estudantes, do sexo feminino, distribuídas em um dos quatro grupos experimentais: Controle; Magnésio; Magnésio + B6; Vitamina B6. A ansiedade humana experimental foi induzida pelo Teste de Simulação de Falar em Público (TSFP) e foi avaliada por meio de parâmetros fisiológicos (Pressão Arterial Sistêmica, Frequência Cardíaca, Temperatura de Extremidades, Condutância Elétrica da Pele) e de parâmetros psicológicos (Inventário de ansiedade Traço e Estado). O comportamento das medidas fisiológicas e psicológicas foi acompanhado nos quatro momentos do teste, Basal (B), Pré - estresse (PT), Performance (S) e Final (F) e foram avaliados de duas formas: comportamento entre os grupos suplementados e entre as fases em cada um dos respectivos grupos.No momento do discurso a pressão arterial diastólica foi menor no grupo B6 comparado ao controle (P<0,05), houve ainda diminuição da condutância no grupo B6 (P<0,01), no grupo Magnésio + B6 (P<0,05) e no grupo B6 (P<0,05) comparados ao grupo controle. No momento final a condutância foi menor no grupo B6 comparado ao controle (P<0,05). O IDATE-T demonstrou que as universitárias apresentavam níveis de ansiedade moderado (IDATE-T 40-60 pontos). Na comparação entre os grupos observou-se que todos os indivíduos dos respectivos grupos já iniciavam o teste com um grau de ansiedade moderada (IDATE-E 40 - 60 pontos). No momento final houve diminuição no escore do IDATE-E em ambos os grupos, onde os mesmos passaram a ser classificados com grau de ansiedade baixa (IDATE-E 0,05). A utilização de Magnésio e de vitamina B6, na concentração de 200 mg apresentou resultados suficientes que comprovam sua eficácia no controle de alguns sintomas da ansiedade, aqui induzida de forma experimental, apresentando menores valores de CEP durante a ansiedade antecipatória e tendo a vitamina B6 apresentado valores menores da PAD no momento da performance do discurso, o que significa afirmar que em relação ao grupo controle as participantes apresentaram menor variabilidade.


AUTOR (ª): Larissa Lima de Sousa

TÍTULO: Aplicação dos Óleos Essenciais de Rosmarinus officinalis L. e Origanum vulgare L. no controle de Fungos Patógenos Pós-Colheita em Vitis Labrusca L. (Uva Isabel)

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Evandro Leite de Souza

DATA: 22/03/2013

RESUMO: A uva Isabel (Vitis labrusca L.), é um fruto não climatérico, com baixa atividade fisiológica, muito sensível à desidratação e infecção fúngica durante o manuseio no processamento pós-colheita. A dificuldade no tratamento e controle de infecções fúngicas e o crescente reconhecimento de seu impacto na produção de frutos tem estimulado a pesquisa de métodos alternativos capazes de controlar o desenvolvimento de fitopatógenos e, consequentemente, a redução das perdas pós-colheita. A utilização de óleos essenciais para aplicação em alimentos tem se mostrado uma forma promissora como método de conservação devido às suas propriedades antimicrobianas e antioxidantes. O presente estudo avaliou a eficácia da aplicação dos óleos essenciais de Origanum vulgare L. (OEOV) e Rosmarinus officinalis L. (OERO) isoladamente e em combinação como inibidores de crescimento dos fungos patógenos pós-colheita Rizhopus stolonifer URM 3728, Aspergillus flavus URM 4540 e Aspergillus niger URM 5842 em meio laboratorial e em uvas Isabel (Vitis labrusca L.) e sua influência sobre a microbiota autóctone, características físicas, físico-químicas e sensoriais dos frutos durante o armazenamento em temperatura ambiente (25 °C por 12 dias) e refrigerada (12 °C por 24 dias). O OEOV e o OERO revelaram valores de CIM de 0,25 e 1 μL/mL, respectivamente, frente a todos os fungos testados. A aplicação dos óleos essenciais em diferentes concentrações (CIM OERO 1 μL/mL; CIM OEOV 0,25 μL/mL; 1/2 CIM OEOV 0,125 μL/mL + 1/2 CIM OERO 0,5 μL/mL; 1/4 CIM OEOV 0,06 μL/mL + 1/4 CIM OERO 0,25 μL/mL) inibiu o crescimento micelial (95,18 – 99,46%) e germinação de esporos (> 75%) dos fungos utilizados nos testes, além de inibir o crescimento de estirpes dos fungos testados em uvas artificialmente infectadas, bem como a micoflora autóctone de uvas armazenadas em temperatura ambiente e a baixa temperatura. Em geral, a aplicação do revestimento composto por OEOV e OERO em concentrações sub-letais preservou a qualidade das uvas, considerando seus atributos físicos (cor, firmeza, perda de massa), físico-químicos (acidez titulável, sólidos solúveis e relação acidez tituláveis/sólidos solúveis) e sensoriais ao longo dos tempos de armazenamento avaliados. Os resultados obtidos no estudo demonstraram o potencial de OEOV e OERO para o controle de fungos patogênicos pós-colheita de frutos, em particular, de R. stolonifer, A. flavus e A. niger em uvas de mesa.


AUTOR (ª): Carolina Leal de Albuquerque

TÍTULO: Extrato de Batata inglesa (Solanum tuberosum L.): Presença de Compostos Bioativos e Potencial Atividade Gastroprotetora e Antioxidante

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Tatiane Santí Gadelha

DATA: 25/03/2013

RESUMO: O extrato da batata inglesa (Solanum tuberosum L.) é consumido popularmente para o tratamento de afecções estomacais. No entanto, para que um substrato seja utilizado e prescrito com o intuito de tratamento, é necessário conhecer melhor a sua composição química. Sendo assim, objetivou-se identificar no extrato aquoso bruto de Solanum tuberosum a presença e quantificação de compostos bioativos, com ênfase na purificação e caracterização físico-química da lectina, bem como investigar a relação do extrato com possíveis atividades biológicas. O extrato foi submetido ao ensaio de hemaglutinação com eritrócitos de sangue humano A, B e O, à especificidade por carboidratos simples e glicoproteínas, ao fracionamento protéico com sulfato de amônio a 50% de saturação e à cromatografia de exclusão molecular. A lectina foi identificada pela análise de atividade hemaglutinante (AH), dosada quanto ao teor de proteínas e carboidratos solúveis e sua inativação foi testada na fração 50% através da variação de pH, temperatura e na presença de agente desnaturante e redutor. No extrato foram também determinados os taninos totais, a presença de inibidor de tripsina, a pesquisa de saponina e avaliou-se a atividade antioxidante, gastroprotetora e antibacteriana. Dentre os eritrócitos testados, a lectina aglutinou preferencialmente o humano tipo O e não apresentou melhoria na AH após tratamento com enzimas proteolíticas. A atividade específica de sua forma purificada foi 128 UH/mgP. A lectina permaneceu ativa em ampla faixa de pH (2-13), sua inativação ocorreu após 50 minutos a 100 ºC, apresentou especificidade pela glicoproteína mucina e foi resistente ao agente desnaturante e redutor. No extrato testado, os teores de taninos foram de 48,02 ± 3,06 mgTan/100 g de batata e os inibidores de tripsina de 237,50 ± 28,28 UTI/g de batata, a pesquisa de saponina foi negativa na amostra analisada. A cromatografia apresentou três picos, sendo um ativo e submetido à eletroforese em gel de poliacrilamida com SDS e à espectrometria de massa, apresentando pureza e peso molecular de 40,5 KDa. O extrato de Solanum tuberosum possui potencial atividade antioxidante nas concentrações de 1, 10, 100 e 1000 μg/mL, com redução no nível de oxidação da hemoglobina causada por ação do agente fenilhidrazina. O efeito gastroprotetor foi evidente em todas as doses avaliadas (62,5, 125, 250 e 500 mg/kg) com redução no índice de lesão ulcerativa (ILU) em 60%, 46%, 42% e 37%, respectivamente, quando comparado ao controle negativo (solução salina 0,9%), resultado melhor que o produzido pelo controle positivo (lansoprazol), o qual reduziu o ILU em 30%. Não foi identificada a presença de atividade antibacteriana contra as cepas analisadas. Conclui-se que no extrato de Solanum tuberosum existem compostos bioativos e que a atividade biológica apresentada pode estar relacionada com a presença de taninos ou de lectinas no extrato.


 AUTOR (ª): Nayara Moreira Lacerda Massa

 TÍTULO: Avaliação do Efeito da Citrullus Lanatus (Melancia) e Análise da Influência de Poliformismo Genéticos em Adultos Dislipidêmicos

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria de Conceição Rodrigues Gonçalves

 DATA: 26/03/2013

 RESUMO: A dislipidemia e polimorfismos genéticos estão relacionados com risco aumentado para desenvolver doenças cardiovasculares e a melancia parece possuir potencial para melhorar hiperlipidemia devido à presença de nutrientes como arginina e citrulina. Investigou-se o efeito hipolipemiante   extrato de melancia e a influência do genótipo da metilenotetrahidrofolato redutase (MTHFR C677T) e da apolipoproteína E na resposta a suplementação. Foi desenvolvido um estudo experimental, clínico de fase II, randomizado, duplo cego com placebo controlado. Inicialmente foram realizados exames bioquímicos para avaliação do perfil lipídico com 92 funcionários de uma instituição pública, de forma aleatória. Destes, quarenta e três sujeitos diagnósticados com dislipidemia foram randomicamente divididos em dois grupos, o experimental (n=22) e controle (n=21). Os sujeitos foram suplementados diariamente (6 g) durante 42 dias com extrato de melancia ou uma mistura de hidratos de carbono (sacarose/glicose/frutose). Foram avaliados parâmetros antropométricos (peso, índice de massa corporal, circunferência da cintura e relação cintura quadril), bioquímicos (perfil lipídico), pressão arterial sistêmica e atividade autonômica cardíaca. O consumo do extrato de melancia reduziu concentrações plasmáticas de colesterol total (p<0,05) e lipoproteína de baixa densidade (p<0,01), sem modificar valores de triglicerídeo, lipoproteína de alta densidade e lipoproteína de muito baixa densidade em humanos adultos com dislipidemia, pré hipertensos, com sobrepeso e glicemia próximo ao limite superior. Portadores do alelo T (MTHFR C677T) do grupo experimental apresentaram redução da lipoproteína de baixa densidade (p<0,01), já portadores do alelo C não reduziram os níveis desta variável. Os sujeitos do grupo experimental e controle apresentaram o sistema simpático estimulado, sem modificações após suplementação em ambos os grupos. Efeito benéfico do extrato sobre níveis de pressão arterial, reduzindo significativamente valores de pressão arterial sistólica (p<0,01) e diastólica (p<0,01) no grupo experimental, sem alterações significativas no grupo controle. Não foram encontradas modificações dos parâmetros antropométricos em ambos os grupos após a suplementação com o extrato de melancia. Em resumo, o presente estudo demonstrou pela primeira vez efeito benéfico do consumo do extrato de melancia na redução dos níveis plasmáticos de lipídios e pressão arterial sistólica e diastólica em seres humanos, onde polimorfismo MTHFR C677T não influenciou os níveis de lipídios plasmáticos, mas torna os indivíduos mais responsivos ao tratamento com a melancia. O consumo deste alimento funcional pode representar uma alternativa terapêutica no tratamento coadjuvante de pacientes com dislipidemia, acarretando promoção da saúde e minimização do desenvolvimento de fatores de risco para as doenças cardiovasculares.


 AUTOR (ª): Myrella Cariry Lira

 TÍTULO: Capacidade de Produção de Biofilme e Resistência Antimicrobiana em Staphylococcus spp. Isolados em Usinas de Beneficiamento de Leite Caprino

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Celso José Bruno de Oliveira

 DATA: 27/03/2013

 RESUMO: O objetivo do presente estudo foi investigar o potencial para produção de biofilme em estafilococos isolados de diferentes pontos do processo de beneficiamento de leite caprino. Staphylococcus (n = 60) foram obtidos a partir de leite cru, leite pasteurizado, leite do tanque, swabs de equipamentos e swabs de mão de manipuladores em usinas de beneficiamento de leite caprino no Estado da Paraíba, Brasil. Os isolados foram testados quanto à formação de biofilme, fenotipicamente, pelos métodos de placa de microtitulação (MtP) e Ágar Congo Red (ACR) e, genotipicamente, através da detecção do gene icaD por reação em cadeia de polimerase (PCR). Além disso, o teste de susceptibilidade antimicrobiana foi determinada pelo método de microdiluição para determinação da concentração inibitória mínima. Staphylococcus aureus (26,7%) e 10 diferentes espécies de Staphylococcus coagulase negativos (73,3%) foram identificadas. Dentre os 60 isolados, 27 (45%) foram considerados produtores de biofilme de acordo com o teste de MTP e 17 (28%) de acordo com o teste de ACR, havendo baixa concordância entre estes dois métodos (K = 0,036). Entre os isolados MTP positivos, 20 (74%) foram negativos para o gene icaD, explicando a baixa concordância (K = -0,014) entre os dois métodos. O icaD gene foi detectado em 14 (82%) dos isolados positivos no teste ACR e foi observada boa concordância (K = 0,79) entre os dois testes. O gene icaD foi observado apenas em S. aureus. No entanto, nenhuma diferença na frequência de isolados que produziram biofilme pelo teste de MTP foi observada entre Staphylococcus coagulase negativos (45,4%) e S. aureus (43,7%). A maior frequência de estafilococos produtores de biofilme por ambos os métodos fenotípicos (MTP e CRA) foi observada em amostras de leite do tanque e de mão de manipuladores. Por outro lado, menor frequência das características foi observada em isolados de leite pasteurizado. Maior resistência antimicrobiana foi detectada para ampicilina (100%), penicilina G (35%), e eritromicina (20%). Todos os isolados apresentaram susceptibilidade a amoxicilina/clavulanato de potássio, ceftriaxona, ciprofloxacina, gentamicina, levofloxacina, linezolida, e moxifloxacina. Nenhuma resistência contra oxacilina foi observada em S. aureus e multirresistência foi observada em 11 (18%) dos isolados. Não houve associação significativa entre resistência ou multirresistência e produção de biofilme pelos três métodos utilizados. Os resultados indicaram que os mecanismos ica independentes são de grande importância para produção de biofilmes de estafilococos contaminantes de leite caprino em laticínios.


 AUTOR (ª): Dandara Antonia Felizardo de Figueirêdo

 TÍTULO: Avaliação de Efeitos Terapêuticos e Nutricionais da Farinha de Passiflora Edulis (Maracujá - Amarelo) em Estudos Pré-clínicos com Ratos

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Liana Clébia de Morais Pordeus

 DATA: 17/05/2013

 RESUMO: Espécies do gênero Passiflora são documentadas na literatura como agente ansiolítico e sedativo. Apesar de estudos avaliarem a ação comportamental dos extratos das folhas da Passiflora, raros são os estudos que avaliaram os efeitos comportamentais e fisiológicos das cascas da Passiflora edulis na forma de tratamento e in natura. A partir disto, a presente pesquisa teve como objetivo avaliar os efeitos comportamentais e fisiológicos do tratamento com a farinha da casca da Passiflora edulis, investigando desta forma suas possíveis propriedades nutracêuticas. Foram utilizados 40 ratos machos adultos da linhagem Wistar, randomizados em quatro grupos: Grupo Controle – GC, Grupo Albedo – GA, Grupo Flavedo – GF, Grupo Albedo + Flavedo – GAF, os quais foram tratados durante 30 dias com a farinha (130mg/kg), diluída em água filtrada e administrada pela técnica de gavagem, da casca do albedo, flavedo e da casca completa da Passiflora edulis, albedo associado ao flavedo. O ganho de peso e o consumo alimentar foram monitorados ao longo do tratamento. As alterações comportamentais foram analisadas no final do tratamento (30 dias) por meio do teste do Labirinto em cruz elevado, método validado para explorar as bases neurobiológicas da ansiedade, do Campo Aberto, o qual avalia a atividade exploratória dos animais e por meio do Rota-Rod, o qual analisa a coordenação motora dos animais. No Labirinto em Cruz Elevado apenas o GAF (62,89 ± 22,06) apresentou um maior tempo(s) de permanência nos braços abertos do aparelho em relação ao GC (12,67 ± 5,09; p<0,05). O GAF (148,1 ± 26,02) no Campo Aberto apresentou maior tempo de imobilidade quando comparado tanto ao GC (24,00 ± 7,02; p<0,001) como aos grupos experimentais tratados apenas com a farinha do albedo (29,30 ± 7,57; p<0,001) e a farinha do flavedo (39,00 ± 10,42; p<0,001). A mediana dos espaços percorrido pelos animais do GAF foi de 10,5 (percentil 6,5 - 20). Tendo estes um menor número de ambulação que o GC, o qual foi observado uma mediana de 31,5 (31-36,5), p<0,001 e aos demais grupos experimentais, GA e GF, os quais apresentaram uma mediana de 32,0 (percentil 31 – 36,5), p<0,001 e 29,0 (percentil 24 – 38,5), p<0,01. O ganho de peso(g) dos animais do GAF (79,6 ± 5,60) foi de 22,3% menor que o GC (102,8 ± 1,52). Já os animais do GA (86,3 ± 3,22) reduziram o ganho de peso em 16%. O tratamento não resultou em efeitos ansiolíticos, nem alterou a coordenação motora dos animais, mas efeitos sedativos foram observados no GAF. O consumo alimentar dos animais tratados não foi alterado, mas o ganho de peso foi diminuído tanto nos animais do GAF, quanto no GA. Portanto, conclui-se que a farinha da casca completa da Passiflora edulis apresenta efeito sedativo, sem provocar efeito ansiolítico e relaxamento muscular; e auxilia na diminuição do ganho de peso corporal, apresentando assim propriedades nutracêuticas.


 AUTOR (ª): Carlos Vinícius da Silva Barbosa

 TÍTULO: Avaliação dos Efeitos de Consumo de Pasta de Gergelim (Sesamum indicum L.) no Estado Fisiológico de Atletas de Futebol

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Marciane Magnani

 DATA: 26/06/2013

 RESUMO: O exercício físico intenso quando executado em desequilíbrio com a dieta e período de recuperação do atleta pode promover um indesejável estado crônico de inflamação e geração de espécies reativas de oxigênio (EROs). Estes compostos podem degradar proteínas musculares e contribuir para os sinais e sintomas de lesões musculares. Nos últimos anos alguns alimentos têm sido testados quanto a sua capacidade de atenuar efeitos deletérios em atletas submetidos a jornadas intensas de treinamento e competição. Neste contexto, o gergelim (Sesamum indicum L.) se destaca por apresentar um alto valor nutricional, além de reconhecidas propriedades antioxidantes e antiinflamatórias. Considerando estes aspectos, o presente estudo teve como objetivo avaliar os efeitos do consumo de pasta de gergelim (S. indicum L.) sobre o estresse oxidativo, marcadores inflamatórios e danos musculares em atletas de futebol. Para tanto, um estudo randomizado com placebo controlado foi conduzido com 19 atletas de futebol, adolescentes, do sexo masculino, com idade média de 16 anos. A pasta de gergelim foi elaborada com adição de 30% de mel de Apis mellifera. Os participantes foram aleatoriamente designados a consumir 40 gramas por dia de pasta de gergelim ou placebo durante 28 dias de treinamentos normais. Antes e após a intervenção foram realizadas avaliações antropométricas, testes funcionais e dosagem sanguínea de creatina quinase (CK), lactato desidrogenase (LDH), malondialdeído (MDA) e proteína c-reativa ultra-sensível (PCR-us) e ao longo das quatro semanas do estudo foi realizada avaliação do consumo alimentar dos atletas. As análises bioquímicas indicaram um estado de desequilíbrio fisiológico dos atletas no início do procedimento experimental. A ingestão da pasta de gergelim resultou na diminuição da peroxidação lipídica (p=0,002), redução dos níveis séricos de PCR-us (p=0,010) e LDH (p=0,001), acompanhados por melhora da potência aeróbia (p=0,011) e velocidade pico (p=0,005). Em contrapartida, não foi observada qualquer alteração destas variáveis no grupo placebo. Para as variáveis antropométricas, velocidade de corrida do limiar de lactato e CK não foram observadas diferenças nos grupos que receberam a pasta de gergelim e placebo após o período de intervenção. Os resultados do presente estudo sugerem que o consumo de pasta de gergelim representa uma importante estratégia nutricional devido a sua capacidade de reduzir o estado inflamatório, estresse oxidativo e de induzir reparo do tecido muscular em atletas de futebol, particularmente em atletas de futebol previamente desgastados.


AUTOR (ª): Whyara Karoline Almeida da Costa

 TÍTULO: Proteômica Comparativa dos Leites Caprinos das Raças Alpina e Saanen Produzidos no Nordeste do Brasil e Atividade Antibacteriana de suas Frações Proteicas

 ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Marciane Magnani

 DATA: 27/06/2013

 RESUMO: A composição proteica do leite caprino difere do leite de outras espécies animais em relação à composição de caseínas, entretanto existem variações entre leites de cabras de raças distintas, bem como tendências regionais entre as raças caprinas. Análises proteômicas têm sido amplamente utilizadas para caracterização de leites por permitirem a distinção de características específicas entre leites de diferentes espécies ou raças. O presente estudo foi conduzido com o objetivo de analisar comparativamente a composição proteica de leites produzidos por cabras das raças Alpina e Saanen na região Nordeste do Brasil, e de avaliar a atividade antimicrobiana das suas frações proteicas frente a algumas cepas de bactérias patogênicas. A partir dos leites desnatados (extratos proteicos brutos - EPBs) foram obtidas frações proteicas por precipitação com sulfato de amônio e precipitação isoelétrica. Os materiais foram submetidos à eletroforese em gel de poliacrilamida na presença de sódio dodecil sulfato e ß-mercaptoetanol (SDS-PAGE), eletroforese bidimensional (2-DE) e cromatografia líquida de alta eficiência em fase reversa (RP-HPLC). Os resultados revelaram ausência de s1-caseína (s1-cn) nos leites produzidos pelas cabras das raças Alpina e Saanen, não sendo observadas diferenças para os perfis de s2-caseína (s2-cn) e β-caseína (ß-cn) nos EPBs dos leites de ambas as raças estudadas. Contudo, o teor de proteínas solúveis no EPB do leite caprino da raça Saanen foi superior (46,7 mg/mL ± 6,2) ao observado para o EPB do leite caprino da raça Alpina (19,6 ± 8,9 mg/mL). Resultados similares foram observados para os teores de proteínas solúveis das frações proteicas precipitadas com sulfato de amônio dos leites estudados. As proteínas do soro de leite, albumina, β-lactoglobulina (ß-lg) e -lactoalbumina (-lb) foram detectadas nos leites de ambas as raças avaliadas em quantidades similares, entretanto no leite da raça Saanen a quantidade de prováveis resíduos de hidrólise da β-cn (κ-caseína e γ-caseína) foi maior do que aquele encontrado no leite da raça Alpina. Os perfis caseínicos dos leites das raças Saanen e Alpina, observados através das eletroforeses mono e bidimensionais foram confirmados em análises de RP-HPLC. Nos ensaios de atividade inibitória frente a B. subtilis, E. coli, P. aeruginosa e S. aureus apenas a fração onde se concentraram as maiores quantidades de caseínas (Fração 60:90%) mostrou-se efetiva na inibição das cepa teste, com valores de Concentração Inibitória Mínima variando entre 500 μg/mL e 1000 μg/mL. Estes resultados revelam que os leites obtidos de cabras das raças Saanen e Alpina, produzidos na região Nordeste do Brasil constituem importantes fontes proteicas hipoalergênicas em decorrência da ausência de s1-cn, com potencial para aplicação em formulações de produtos lácteos com características diferenciadas. Ainda, o efeito antibacteriano observado sugere que o leite caprino, particularmente com a constituição caseínica descrita no presente estudo, pode ser fonte de compostos antibacterianos alternativos, embora sejam necessários estudos mais aprofundados para subsidiar o seu emprego com maior eficiência.


 AUTOR (ª): Edna Samara Ribeiro César

 TÍTULO: Efeito da Suplementação de Zinco Sobre o GH, IGF-1 e IGFBP3 em Idosas Saudáveis

 ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Alexandre Sérgio Silva

 DATA: 19/07/2013

 RESUMO: O processo de envelhecimento envolve várias alterações fisiológicas dentre elas a diminuição dos hormônios anabólicos. Em decorrência disso, cada vez mais pesquisas têm sido desenvolvidas com a finalidade de melhorar a qualidade de vida nessa população. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar o efeito da suplementação de zinco sobre os níveis séricos de GH, IGF-1 e IGFBP3 em idosas. Foi desenvolvido um estudo clínico, randomizado, duplo cego com placebo controlado. Inicialmente foram selecionadas 56 idosas e após os critérios de exclusão participaram 20 idosas que foram divididas em 2 grupos: Zinco (n=10) e Placebo (n=10). Após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da Sáude da UFPB as idosas receberam 25mg/dia de zinco ou placebo por 90 dias. Os parâmetros foram analisados por meio do teste t student no software GraphPad-Prism v.5.04. Adotou-se um nível de significância de 5% para todos os testes. Observou-se que os níveis de zinco dietético apresentaram-se abaixo do recomendado para os idosos no grupo zinco (5,7 ± 0,68 mg/dia ) e placebo (6,5 ± 0,66 mg/dia ). O grupo controle sofreu uma redução significativa na concentração de zinco plasmático do inicio até o final do experimento (1,0 ± 0,01 para 0,9 ± 0,02), enquanto que o grupo suplementado manteve os níveis plasmáticos sem alterações significativas neste mesmo período (1,0 ± 0,03 para 1,0 ± 0,04). As idosas de ambos os grupos apresentaram aumento das enzimas aspartato aminotransferase (AST) e alanina aminotransferase(ALT) após a suplementação, no entanto os níveis mantiveram-se dentro dos valores de referência. Com relação aos hormônios a suplementação de zinco foi capaz de aumentar os níveis de GH (p< 0,004) e IGFBP3 (p<0,02), embora o grupo zinco não tenha apresentado níveis hormonais melhores que o grupo placebo. O efeito do zinco foi superior ao do placebo, porém de pequena magnitude. Portanto, não podemos descartar a possibilidade do zinco ser uma alternativa para aumentar os níveis de GH em idosos, necessitando, portanto, a realização de outras pesquisas com um N maior.

  

AUTOR (ª): Caio Victor Coutinho de Oliveira

TÍTULO: Efeitos da Suplementação de  Carboidratos na Prevenção do Estado de Overtraining em Ratos Wistar: Aspectos Bioquímicos, Hormonais e  Moleculares

ORIENTADOR (ª): Prof. Dr. Alexandre Sérgio Silva

DATA: 25/07/2013

RESUMO: Os efeitos ergonênicos da suplementação de carboidratos no contexto esportivo são bem aceitos e evidenciados na literatura. Estes efeitos foram demonstrados em diversas modalidades e condições de exercício, sendo capazes de melhorar aspectos bioquímicos, hormonais, inflamatórios e de estresse oxidativo relacionados à prática de atividade física. No entanto, ainda não foi elucidado se esse potencial ergogênico pode ser replicado em condições de exercícios extenuantes e crônicos, como no caso do overtraining (OT). Assim, este estudo objetivou verificar se a suplementação de carboidratos é capaz de prevenir e/ou minimizar os efeitos deletérios de um protocolo de exercícios destinado a induzir OT em ratos Wistar machos adultos. Os animais (n=32) foram divididos aleatoriamente em grupo controle (C) (n=9), exercício sem suplementação (EX) (n=10) e exercício com suplementação de carboidratos (EX-CHO) (n=13) e submetidos a 11 semanas de treinamento de corrida em esteira, sendo as 3 últimas semanas destinadas a induzir o estado de OT. Testes de performance (Pr) foram realizados antes da 1ª semana (Pr1) e ao término da 8ª (Pr2) e 11ª (Pr3). Após 36h do último teste, os animais foram sacrificados. Níveis de testosterona, cortisol, Malondialdeído (MDA) e Creatina Kinase (CK) foram dosados. A atividade da PI3-K, Akt-1, mTOR e GSK-3 foram mensuradas no gastrocnêmio. Peso ponderal e consumo alimentar foram monitorados semanalmente. O protocolo de treinamento foi eficaz em promover redução da capacidade de desempenho no momento Pr3 em relação ao Pr2 (decréscimo de 36% em EX, p0,05). Enquanto isso, níveis de CK e cortisol não se elevaram nos dois grupos exercício em relação ao grupo C. Considerando os ensaios moleculares, a atividade da Akt-1 apresentou-se maior apenas em EX-CHO comparado a C (p=0,013), enquanto que a da mTOR não apresentou diferenças entre os grupos (p>0,05). Conclui-se que a suplementação de carboidratos promove discreta atenuação na queda da performance, inibição da anorexia e aumento da massa muscular em animais submetidos a protocolo de OT. Este ganho muscular foi acompanhado pela maior atividade do sinalizador molecular anabólico e anti-catabólico Akt-1. Por outro lado, não preveniu alterações nos marcadores de OT estresse oxidativo, perfil hormonal e dano muscular.

 

AUTOR (ª): Mário de Almeida Pereira

TÍTULO: Fatores de Risco Metabólico e Obesidade em  Mulheres com Diagnóstico de Diabetes Gestacional Prévio e sua Relação com o Consumo Alimentar Habitual

ORIENTADOR (ª): Profª. Drª. Maria José de Carvalho Costa

DATA: 31/07/2013

RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo analisar a frequência de síndrome metabólica, obesidade, intolerância à glicose e diabetes mellitus tipo 2 e suas relações com o consumo alimentar habitual atual em mulheres com diabetes gestacional prévio. Como objetivos específicos, identificar os valores bioquímicos relacionados à síndrome metabólica (SM) no período pós-gestacional, identificar a presença de hipertensão arterial (HAS) e avaliar a composição dietética da alimentação, correlacionando ao aparecimento da SM. O estudo envolveu 49 mulheres atendidas no ambulatório de Diabetes Gestacional de um hospital universitário localizado em uma cidade do Nordeste do Brasil, nos anos de 2012 e 2013. No período pós-parto entre 6 meses e 4 anos, as participantes foram recrutadas para uma consulta, na qual responderam um questionário acerca dos seus antecedentes clínicos, hábitos alimentares e nível de atividade física, foram submetidas à aferição do peso e da altura, além da realização de exame de bioimpedância e exames laboratoriais, a serem apresentados na segunda consulta. Observou-se prevalência elevada de síndrome metabólica da ordem de 49%, número elevado comparado aos encontrados na literatura tanto em pacientes com antecedentes de diabetes gestacional, quanto na população em geral. Após análise estatística, observou-se relação através do teste de Mann-Whitney, entre a prevalência de síndrome metabólica e uma menor ingestão de proteínas (p=0,05), quando os macro e micronutrientes foram ajustados pelo peso. A prevalência de diabetes mellitus foi de 16% e de disglicemias de 65%, números próximos aos encontrados em estudos levados a cabo cinco anos após a gestação e por períodos mais longos. Não houve associação entre o consumo de macro e micronutrientes e diabetes. Quanto à obesidade, a prevalência foi de 28%, e apenas 27% estavam eutróficas, dados semelhantes aos encontrados na literatura. Deste modo, observou-se uma alta prevalência de Síndrome Metabólica nesta população, que foi associada a uma ingestão reduzida de proteínas.

 

 

 

 

 

 

 

Links Úteis

sban